Ao contrário do que apontam mensagens, corrente política não define, necessariamente, se alguém é criminoso

Não é de hoje que notícias de crimes horrendos são seguidas por buscas nos perfis das pessoas acusadas para saber qual é a preferência política delas. O que quem publica mensagens (sejam verdadeiras ou falsas) desta natureza se “esquece” é que a corrente política não é fundamental para definir o caráter de uma pessoa.

Na última semana, o Brasil viveu (no mínimo) dois episódios chocantes. Em um deles, um simpatizante do presidente Jair Bolsonaro matou um simpatizante do presidente Lula por discussões que tiveram origem política. Em outro, um médico anestesista foi flagrado estuprando uma mulher durante o procedimento de cesárea.

Os dois casos geraram fake news de viés político e, claro, muitas ofensas mútuas entre militantes de Lula e Bolsonaro (os dois principais expoentes da polarização política no país). Mais do que isso, chamaram atenção para um tipo de fake news: a que coloca toda a “culpa” de uma morte em uma ideologia política.

Antes de prosseguir, temos que fazer uma ponderação. É fato que no caso de Foz do Iguaçu, assim como no caso da facada de Adélio Bispo em Bolsonaro (para não falarmos que isso ocorre apenas de um lado), houve um elemento político que proporcionou o crime: a polarização. Porém, não é possível dizer que o crime se deu apenas porque o autor é “bolsonarista” ou “anti-bolsonarista”.

Vamos fazer um exercício: suponhamos que Adélio Bispo fosse bolsonarista e tivesse a oportunidade de esfaquear Lula? Ele não o faria em um ambiente polarizado como o atual? Agora me responda: se o bolsonarista de Foz do Iguaçu fosse petista e a vítima fosse bolsonarista, o crime deixaria de ter ocorrido? Provavelmente, a resposta para os dois casos é não.

Se a resposta é “não” por que quase todo crime chocante é seguido de fake news que apontam para a corrente política que o acusado do crime segue: há cerca de um mês, choveram mensagens falsas na internet apontando para uma preferência política do procurador que agrediu a chefe (algumas apontavam que ele era bolsonarista. Outras apontavam que ele era petista). Na última semana, mensagens falsas apontavam que o anestesista que estuprou a paciente era bolsonarista (o que também é falso).

Não é em todo o caso que a corrente política que viraliza é falsa (como no caso de Adélio e de Foz do Iguaçu). Nestes casos, a informação errada aparece em outro nível. Ninguém mata ou tenta matar por ser fã de alguém. As pessoas “se matam” por causa do clima de acirramento (este, sim, de responsabilidade, inclusive, dos “ídolos”) que vivemos no momento. Infelizmente, rotular uma ideologia política simplesmente como criminosa não melhora em nada esta situação.

Trends da semana

Palavras mais buscadas no Boatos.org nos últimos dias

  1. Lula (Confira detalhes aqui)
  2. Argentina (Confira detalhes aqui)
  3. Holanda (Confira detalhes aqui)
  4. Não mande fotos de bom dia (Confira detalhes aqui)
  5. Auxílio Brasil (Confira detalhes aqui)
  6. Prisão do Ministro Alexandre de Moraes (Confira detalhes aqui)
  7. Anestesista (Confira detalhes aqui)
  8. Bolsonaro (Confira detalhes aqui)
  9. Coca cola (Confira detalhes aqui)
  10. Roubo em Itaipu (Confira detalhes aqui)

Os desmentidos mais lidos do Boatos.org nos últimos dias

  1. Informação falsa que aponta que o médico Giovanni Quintella Bezerra é apoiador de Bolsonaro (Confira detalhes aqui)
  2. História falsa que aponta que o PicPay fez um quis com Pix de prêmio no WhatsApp (Confira detalhes aqui)
  3. Fake news que aponta que o presidente da Argentina Alberto Fernández renunciou (Confira detalhes aqui)
  4. Oferta falsa que aponta para distribuição do Auxílio Brasil para quem compartilhar uma mensagem no WhatsApp (Confira detalhes aqui)
  5. Fake news que aponta que Alexandre de Moraes foi flagrado junto com José Dirceu em um restaurante (Confira detalhes aqui)

Destaques nas redes sociais

Desde o início de 2021, o Boatos.org promove a seção “A Semana em Fakes”, com análises sobre assuntos relacionados a fake news. O conteúdo é aberto para republicação em veículos de mídia. No momento, publicamos o conteúdo no Jorn., Portal MetrópolesPortal T5, Conexão Marília, O Anhanguera e RP10 (caso tenha interesse, entre em contato com o Boatos.org para saber as condições). Para ver todos os textos da seção, clique aqui.

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet