Funcionalidade de dublagem em redes sociais potencializa criação de vídeos enganosos

Função de dublagem em redes sociais como o TikTok e Kwai tem facilitado a criação de notícias falsas amadoras, mas que ainda enganam internautas mais incautos. Este é o tema do A Semana em Fakes, com Edgard Matsuki, editor do Boatos.org.

Nos últimos anos, a soberania de redes sociais “ocidentais” como o Facebook e Instagram passou a ser ameaçada por redes sociais chinesas como o Kwai e, principalmente, o TikTok. Com incentivo a premiações em dinheiro para novos usuários, uma gama de vídeos para descontrair e funcionalidades de edição de vídeo, elas caíram no gosto das pessoas no Brasil.

Este texto poderia ser um “case de sucesso” se não fosse um detalhe: uma das funcionalidades das redes sociais está sendo utilizada de forma deturpada por algumas pessoas. Quem acessa as redes sociais citadas sabe que vídeos “redublados” são uma das principais “trends” por lá. Não são poucos os vídeos se utilizam da funcionalidade de sobreposição de áudio sobre um arquivo. Na maioria das vezes, a técnica resulta em vídeos divertidos. Só que nem sempre é assim.

Nas últimas semanas, não foram poucas as vezes que vimos circular em outras redes sociais e, principalmente, no WhatsApp, vídeos bombásticos de teor político que foram, na realidade, adulterados com a função de dublagem. No Boatos.org, desmentimos dois exemplos.

Em um deles, Lula teria sido “envergonhado” por um repentista durante um comício. Na realidade, pegaram imagens de um comício e o áudio de um repente de um artista simpático ao presidente Jair Bolsonaro.

Em outro, imagens da Marquês de Sapucaí foram sobrepostas por áudios com palavras de ordem contra a TV Globo e contra Lula. Novamente, a edição foi feita em uma rede social e saiu sendo espalhada por outros espaços (como o WhatsApp).

Nos dois casos, os vídeos tinham um elemento: uma marca d’água de uma rede social e a ID de um perfil criado nela. Além disso, detalhes técnicos como a falta de sincronia do áudio e do que está no vídeo e mudanças bruscas no som ambiente denotam a farsa.

É óbvio que muita gente vai, à primeira vista, duvidar da veracidade dos vídeos. Porém, sempre vai existir aquele internauta que, por conta de ideias pré-concebidas e um pouco de falta de atenção, vai acreditar nas histórias falsas e, ainda por as compartilhar.

Não desejamos que as redes sociais deixe de disponibilizar as funções em questão. Porém, alertar que vídeos com qualidade técnica muito abaixo das temidas (e que não mostraram tanto poder de dano) deepfakes também enganam. Por isso, se você vir um vídeo bombástico com uma marca d’água de uma rede social, fica a dica: sempre desconfie. Pode ser uma montagem feita de forma amadora por gente, talvez, não tão amadora assim.

Trends da semana

Palavras mais buscadas no Boatos.org nos últimos dias

  1. Ankole (Confira detalhes aqui)
  2. Lula (Confira detalhes aqui)
  3. Fenômeno aphelion (Confira detalhes aqui)
  4. Idosa tem o título cancelado (Confira detalhes aqui)
  5. Azul (Confira detalhes aqui)
  6. Nubank (Confira detalhes aqui)
  7. Zeca pagodinho (Confira detalhes aqui)
  8. Vacina universal (Confira detalhes aqui)
  9. Bolsonaro (Confira detalhes aqui)
  10. Cinema (Confira detalhes aqui)

Os desmentidos mais lidos do Boatos.org nos últimos dias

  1. História falsa que aponta que o “mendigo” Givaldo Alves morreu em acidente de carro (Confira detalhes aqui)
  2. Dica falsa que aponta que digitar Ankole no Google faz com que fotos suas apareçam (Confira detalhes aqui)
  3. Fake news que aponta que público gritou Lula na cadeia e Globo Lixo na Marquês da Sapucaí (Confira detalhes aqui)
  4. História falsa que aponta que mendigo Givaldo Alves morreu baleado (Confira detalhes aqui)
  5. Promoção falsa que aponta que a Nubank está dando R$ 400 de Pix para quem compartilhar um link no WhatsApp (Confira detalhes aqui)

Destaques nas redes sociais

Desde o início de 2021, o Boatos.org promove a seção “A Semana em Fakes”, com análises sobre assuntos relacionados a fake news. O conteúdo é aberto para republicação em veículos de mídia. No momento, publicamos o conteúdo no Jorn., Portal MetrópolesPortal T5, Conexão Marília, O Anhanguera e RP10 (caso tenha interesse, entre em contato com o Boatos.org para saber as condições). Para ver todos os textos da seção, clique aqui.

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet