Fakes da semana (e de outras) dão (pequena) amostra do que virá em 2022

Neste A Semana em Fakes, Edgard Matsuki, editor do Boatos.org, fala sobre como a desinformação dos últimos dias já “esquentam” o que está por vir nas eleições 2022.

Não sabemos se é por causa da queda de casos e mortes por Covid-19 (que ainda, infelizmente, estão em um patamar alto) ou por causa da CPI que vai analisar (também) desinformação sobre a pandemia, mas o fato é que, nos últimos dias, as notícias falsas sobre o coronavírus passaram a dividir espaço com fake news que devem circular com força durante o período eleitoral de 2022.

O nome de Lula (que aparece nas pesquisas como o principal rival de Bolsonaro na disputa para 2022) e da esquerda como “ameaça comunista” têm voltado a circular com força na internet.

Dentre fake news novas (como de que o STF “errou” e que Lula continua inelegível, que um balão com uma foto do ex-presidente caiu em um presídio e de que Joesley Batista “agradeceu o PT” em carta) e que voltaram a circular, (como de que o comunismo dominou a Venezuela e vai vir para o Brasil e que a Ursal está para ser implantada) desmentimos cinco notícias falsas sobre Lula e a chamada “esquerda”.

O nome dele não foi o único entre presidenciáveis que foi citado neste tipo de conteúdo. João Doria (que neste ano tem sido o principal alvo de fake news na internet), Sérgio Moro e Luciano Huck são outras figuras que tiveram fake news que voltaram a circular nos últimos dias.

Sobre Doria (e seu partido), desmentimos notícias falsas que falavam de volta do lockdown “por dinheiro” e sobre a morte de Bruno Covas estar sendo escondida. Sobre Moro, um texto que fala sobre ele ter vendido inquéritos para Doria continua circulando (mesmo tendo sido desmentido há um bom tempo). Sobre Luciano Huck, o mesmo acontece com a acusação de estar “comprando votos” com uma campanha chamada “Zap do Bem”.

As fakes news dos últimos dias não se limitaram apenas a ataques a políticos. Ataques ao sistema eleitoral (como neste caso que apontaria para fraudes nas urnas eletrônicas) e à democracia (como em casos que falam sobre intervenção militar no Brasil) também circularam na internet.

Este combo de notícias nos dá uma amostra do que está por vir em 2022. Ataques contra reputações de candidatos (como nos casos de Lula, Doria e Huck), ode à “ameaça comunista” e, para o caso de uma derrota de Bolsonaro, suspeitas sem sentido sobre o processo de votação e um clamor para uma inconstitucional intervenção militar.

Em tempo: não tivemos de que desmentir nenhuma fake news sobre Bolsonaro (elas também devem chegar no período eleitoral) nos últimos. Há duas hipóteses de ainda não estarem viralizando: 1) Bolsonaristas estão (novamente) mais ativos para espalhar desinformação do que “concorrentes”. 2) Atitudes do presidente (como levantar plaquinhas de CPF cancelado e falar que a Antárctica fica no Brasil) têm feito com que notícias falsas não precisem ser utilizadas em ataques contra ele.

Trends da semana

As palavras mais buscadas no Boatos.org nos últimos sete dias foram, em ordem decrescente, Tribunal Constitucional Militar, Engemax, Amazon, Coronavac, Lula, Mike Yeadon, Embraer, Ivermectina, Bolsonaro e Pfizer.

Os desmentidos mais lidos do Boatos.org nos últimos 7 dias foram, em ordem decrescente, que a Globo tinha uma “pauta específica” para Covid-19 revelada por um apresentador demitido, que um motoboy deu um lanche para um menino após ter a moto apreendida, que a Engemax estaria contratando profissionais. que Bruno Covas já teria morrido e que Mike Yeadon da Pfizer teria falado sobre mortes de vacinados.

No Twitter, a matéria com maior engajamento foi a que falava que que Bruno Covas morreu e teve a morte escondida. No Facebook, a checagem da fake news do motoboy que pagou o lanche foi a mais compartilhada da semana. A mesma matéria foi a com maior engajamento no Instagram.

No Telegram, o texto mais visto é o que fala sobre a Nescafé estar dando prêmios no WhatsApp. Por fim, no YouTube o vídeo mais visto foi o sobre a pauta da Globo vazada pelo apresentador demitido.

Edgard Matsuki é editor do site Boatos.org, site que já desmentiu mais de 6 mil notícias falsas

Uma das novidades do Boatos.org para 2021 é a seção “A Semana em Fakes”. Periodicamente, faremos análises sobre os assuntos mais recorrentes em termos de desinformação na internet. Este conteúdo ficará aberto para republicação em outros veículos de mídia. No momento, publicamos o conteúdo no Portal Metrópoles e Portal T5 (caso tenha interesse, entre em contato com o Boatos.org para saber as condições). Para ver todos os textos da seção, clique aqui.

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet