Ao contrário de 2021, 7 de setembro passa (quase) imune a fake news em 2022

Falta de notícias falsas sobre o 7 de setembro em 2022 mostra, mais uma vez, como as fake news políticas não se sustentam sem uma orquestração.

Há pouco mais de um ano, o Brasil vivia um dos momentos mais tensos em relação à política. Movidas por informações falsas e campanhas de ódio, muitas pessoas “saíram do armário” e foram às ruas pedir por um golpe militar com o presidente Jair Bolsonaro no poder.

A realidade mostrou que, mesmo com essa mobilização, Bolsonaro não tinha poder político ou popular para aplicar um golpe. O resultado foi, depois de uma campanha massiva de mentiras, o 7 de setembro sendo coroado com a cena pitoresca de militantes chorando ao comemorar um estado de sítio que nunca ocorreu e com o recuo de Bolsonaro (após escrever, com Temer, uma carta).

Em 2022, viveu-se uma expectativa de reprodução deste tipo de ação. Porém, a realidade mostrou o contrário. No lado de Bolsonaro, os eventos do Dia da Independência não passaram de comícios eleitorais (criticados pela oposição). Na internet, 7 de setembro se notabilizou pela falta de fake news sobre “patriotismo”, “golpe”, “ataques ao STF” e afins.

Tivemos uma fake news sobre o evento e ela sequer foi espalhada por bolsonaristas. Trata-se de um vídeo de Bolsonaro com um áudio falsamente inserido em que ele estaria xingando a primeira-dama Michelle Bolsonaro. A ausência de fake news sobre o 7 de setembro tem uma causa e serve como prova cabal para uma teoria.

A causa é estratégica. Em 2021, as fake news tinham como objetivo incendiar uma minoria radical para que as manifestações pró-Bolsonaro fossem infladas. Em 2022, o objetivo de Bolsonaro é angariar votos para vencer as eleições. A radicalização (algo que é alcançado com algumas fake news) de alguns poderia resultar no afugentamento da maioria das pessoas. Logo, poderia resultar em perda de votos.

Mais importante do que olhar para a causa é olhar para uma conclusão lógica: mais uma vez, temos a prova de que há uma orquestração de grupos políticos na criação de disseminação de fake news. Não é possível que o fato do fluxo de fake news seguir exatamente a estratégia de Bolsonaro seja mera coincidência. A questão é: até quando a disseminação (ou a não disseminação) da desinformação vai favorecer alguns grupos políticos?

Trends da semana

Palavras mais buscadas no Boatos.org nos últimos dias

  1. Heineken (Confira detalhes aqui)
  2. Bolsonaro (Confira detalhes aqui)
  3. Lula (Confira detalhes aqui)
  4. Ipec (Confira detalhes aqui)
  5. Voto parcial (Confira detalhes aqui)
  6. Leda Nagle (Confira detalhes aqui)
  7. Renata Vasconcelos (Confira detalhes aqui)
  8. bolsonaro (Confira detalhes aqui)
  9. Nando Reis (Confira detalhes aqui)
  10. Promoção Heineken (Confira detalhes aqui)

Os desmentidos mais lidos do Boatos.org nos últimos dias

  1. Fake news que aponta que Lula disse que enfermeiros só prestam para servir sopa (Confira detalhes aqui)
  2. Fake news que aponta que a Heineken está dando um frigobar com cerveja no WhatsApp (Confira detalhes aqui)
  3. Informação falsa que aponta para fotos de Renata Vasconcelos na Playboy (Confira detalhes aqui)
  4. Fake news que aponta que arma falsa foi utilizada no atentado contra Cristina Kirchner (Confira detalhes aqui)
  5. Informação falsa que aponta que Ipec fica na sede do Instituto Lula (Confira detalhes aqui)

Destaques nas redes sociais

Desde o início de 2021, o Boatos.org promove a seção “A Semana em Fakes”, com análises sobre assuntos relacionados a fake news. O conteúdo é aberto para republicação em veículos de mídia. No momento, publicamos o conteúdo no Jorn., Portal MetrópolesPortal T5, Conexão Marília, O Anhanguera e RP10 (caso tenha interesse, entre em contato com o Boatos.org para saber as condições). Para ver todos os textos da seção, clique aqui.

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet