A pandemia não acabou, mas as fake news sobre a Covid-19 parecem (felizmente) ter se esgotado

Queda na preocupação em relação à pandemia, esgotamento do assunto, ações contra fake news das próprias redes sociais e mudança de estratégia do governo sobre o assunto explicam a queda da desinformação sobre a Covid-19 apesar de ainda temos centenas de mortes diárias. Edgard Matsuki analisa isso no A Semana em Fakes, do Boatos.org.

Se o Boatos.org fosse um “estabelecimento físico”, faríamos questão de colocar uma placa em nossa fachada: “estamos há mais de uma semana sem desmentir nenhuma fake news nova sobre a Covid-19”. Desde o anúncio da Covid-19 como uma pandemia (em março de 2020), é a primeira vez que temos uma “folga” deste tipo de desinformação.

É fato que os números da Covid-19 caíram (e muito) nos últimos dias. Porém, o fato de termos, ainda, algumas centenas de pessoas morrendo por conta da doença no Brasil nos deixa com a certeza de uma coisa: a pandemia (apesar de alguns defenderem o contrário) não acabou. Isso também nos levanta uma dúvida: se centenas de pessoas morrem por dia, por que a desinformação sobre a Covid-19 sumiu das redes? Para tanto, temos algumas hipóteses que gostaríamos de listar.

O primeiro motivo está explicado nos próprios números da pandemia. Apesar de os números da pandemia ainda serem impactantes (deveríamos, sim, ficar consternados pelas mortes que ainda são causadas pela doença), o fato de eles terem diminuído nos últimos deu uma sensação de alívio nas pessoas. Infelizmente, as milhares de mortes diárias que presenciamos outrora nos deu a falsa sensação de que “tudo está bem”.

Sem tanta preocupação (corroborada por medidas de “libera geral” por parte de gestores públicos estaduais) em relação à doença, o debate público sobre o assunto diminuiu. Junte isso ao fato de outros temas (como eleições e Ucrânia) estarem em voga e chegamos a um desinteresse por informações (ou desinformações) sobre a pandemia.

É claro que a queda das fake news sobre o assunto não está reduzida a isso. Acreditamos que o “fim do ineditismo” da desinformação sobre a pandemia também está ligada ao esgotamento das próprias fake news. Desde antes do anúncio da pandemia, o Boatos.org desmente informações falsas sobre o coronavírus. Até hoje, foram 940 desmentidos.

Com tanta mentira solta, quem “vive” da desinformação sobre a Covid-19 (como alguns grupos de pseudoespecialistas que não passam de negacionistas querendo obter lucro) se limitam a espalhar as mesmas baboseiras de sempre. Uma consulta aos temas mais buscados da semana nos mostra que alertas falsos da Anvisa sobre vacinas e histórias falsas sobre o Japão e a ivermectina ainda circulam. Só que, hoje, elas só enganam quem quer ser enganado.

Além disso, há um “quê” de estratégia política no arrefecimento da desinformação sobre a Covid-19. Não é novidade que bolsonaristas (incluindo o próprio presidente Jair Bolsonaro) foram alguns dos principais reverberadores de desinformação sobre a pandemia, medidas de proteção e vacina contra Covid-19. Com as eleições no horizonte e com a certeza de que credibilidade foi perdida com ações assim, grupos ligados ao presidente sabem que falar (verdades ou mentiras) sobre a Covid-19 só vai dificultar a reeleição.

Em vez disso, as fake news bolsonaristas têm focado nos principais adversários do presidente na disputa deste ano: Lula, Sérgio Moro e João Doria (até o momento, Ciro Gomes está sendo poupado da desinformação presidencial). Ou seja: a pandemia perdeu o cargo de principal tópico de desinformação.

Por fim, as próprias plataformas. Temos percebido que, seja sobre pandemia ou não, a desinformação tem sido cada vez mais difícil de ser encontrada em redes sociais. Isso nos leva a crer que (seja por pressão da Justiça do Brasil ou não), big techs tem buscado formas de diminuir o alcance de publicações falsas. Como as fake news sobre a pandemia são as “manjadas” esse trabalho é até facilitado.

Em meio a tantas notícias ruins sobre desinformação, o fato de um tema tão perigoso como a Covid-19 ter saído de pauta nos deixa feliz. Porém, cabe aqui um pedido e uma indagação: 1) Não é porque as mentiras acabam que a pandemia acabou. Tente se cuidar na medida do possível. 2) Quantas vidas teriam sido poupadas esse movimento que causou a queda da desinformação tivesse ocorrido no início da pandemia ou, pelo menos, no início da vacinação?

Trends da semana

Palavras mais buscadas no Boatos.org nos últimos dias

  1. Ankole (Confira detalhes aqui)
  2. ANKOLE (Confira detalhes aqui)
  3. ankole (Confira detalhes aqui)
  4. Fotos (Confira detalhes aqui)
  5. Lula (Confira detalhes aqui)
  6. Frio (Confira detalhes aqui)
  7. Onda de frio (Confira detalhes aqui)
  8. Foto (Confira detalhes aqui)
  9. Frio intenso (Confira detalhes aqui)
  10. Minhas fotos (Confira detalhes aqui)

Os desmentidos mais lidos do Boatos.org nos últimos dias

  1. Alerta falso que aponta que frio intenso iria chegar ao Brasil com recordes negativos de temperatura (Confira detalhes aqui)
  2. Dica falsa que aponta que digitar Ankole no Google faz com que fotos suas apareçam (Confira detalhes aqui)
  3. Alerta falso sobre uma suposta droga virtual chamada I-Doser (Confira detalhes aqui)
  4. Mensagem falsa que aponta que Nubank iria dar R$ 75 no Pix em site no WhatsApp (Confira detalhes aqui)
  5. Acusação falsa que aponta que esquerda colocou fogo nos carros de Bolsonaro (Confira detalhes aqui)

Destaques nas redes sociais

Desde o início de 2021, o Boatos.org promove a seção “A Semana em Fakes”, com análises sobre assuntos relacionados a fake news. O conteúdo é aberto para republicação em veículos de mídia. No momento, publicamos o conteúdo no Jorn., Portal MetrópolesPortal T5, Conexão Marília, O Anhanguera e RP10 (caso tenha interesse, entre em contato com o Boatos.org para saber as condições). Para ver todos os textos da seção, clique aqui.

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet