Vídeos “Verdade Fora da Mídia” falam a verdade ao alertar contra vacina e termômetro #boato

Boato – Dois vídeos com o título “Verdade Fora da Mídia” mostram que a vacina contra Covid-19 foi criada para matar a população e que termômetros causam dano no cérebro das pessoas.

Na medida em que a Covid-19 (e os tratamentos para a doença) vão evoluindo, as fake news também estão se modificando. Hoje, vamos falar de duas informações falsas em uma: elas apontam para “informações bombásticas” sobre as vacinas contra a Covid-19 (que ainda estão sendo desenvolvidas) e contra os termômetros infravermelhos.

Os dois vídeos, que estão viralizando com uma marca d’água (e em alguns casos com o título) “Verdade Fora da Mídia”, apontam para dois “escândalos” sobre a Covid-19. Em um dos vídeos “Verdade Fora da Mídia”, um médico italiano denuncia, entre outras coisas, que a vacina contra a Covid-19 foi criada para alterar o nosso DNA e matar a população. No outro vídeo, um homem brasileiro alerta para o “dano” dos termômetros infravermelhos na nossa glândula pineal.

Vídeos “Verdade Fora da Mídia” alertam contra vacina e termômetro de forma correta?

No nosso monitoramento, achamos os vídeos (que, obviamente, não iremos exibir aqui) em plataformas como o YouTube, Facebook, Instagram, Twitter e, principalmente, publicado no WhatsApp. Pior do que o “sucesso” dos vídeos é o fato de que se tratam de duas denúncias falsas já desmentidas aqui.

Antes de falar (ou melhor, relembrar) cada caso, é preciso fazer um esclarecimento em relação ao contrassenso do título dos dois vídeos. Apesar de existir muita gente que desacredita (e, inclusive, capitaliza com esse descrédito) a mídia, falar em “Verdade fora da mídia” é uma premissa errada. Afinal, se está na mídia, é notícia. Se é notícia (na maioria dos casos), é real.

Por sinal, ao procurarmos pela origem do nome que está nos vídeos em questão, descobrimos uma página que publica uma série de informações conspiracionistas e/ou falsas. Os vídeos em questão são apenas dois exemplos. Vamos começar com a da vacina.

O vídeo do médico italiano (que se chama Roberto Petrella) já foi alvo de um desmentido do Boatos.org. Na realidade, o que o médico em questão faz é ler uma corrente do WhatsApp (que ele chama de documento) que, por sua vez, também já havia sido classificada como fake news (sim, amigo, é fake reforçando fake). Relembre o que escrevemos e falamos sobre o assunto:

Confira o desmentido em vídeo:

Na realidade, o vídeo do médico italiano se resume a uma apresentação dele e à leitura de um texto gigantesco sobre a Covid-19. Só há um detalhe: o mesmo texto já foi alvo de um desmentido não faz muito e carrega diversas informações falsas. Como o desmentido da época vale para hoje, relembre o que foi dito (inclusive em vídeo):

Toda a tese que embasa a tal história se sustenta em informações que já foram desmentidas (tanto aqui no Boatos.org quanto em outros serviços de fact-checking). A primeira delas é a afirmação de que vacinas possuem chips para rastrear pessoas. Em maio de 2020, desmentimos uma história exatamente igual, mas com outros personagens. Na época, a vítima da vez era o bilionário Bill Gates. A história indicava que a vacina INO-4800, financiada por Bill Gates, seria um selo com chip 5G para ser colocado nas pessoas. A publicação também falava sobre a insanidade de nova ordem mundial.

A segunda informação na qual a história de hoje se baseia é que as vacinas vão reduzir a população mundial (“uma vez vacinados, todos ficaremos doentes, enfraquecidos, E você sabe o resto”). Em 2019, a equipe do Boatos.org desmentiu toda essa balela. Na oportunidade, uma história afirmava que as vacinas teriam sido criadas para reduzir a população mundial, falando sobre nova ordem mundial e até que as vacinas viriam com o “vírus do câncer”. O fato é que nada nessa teoria faz sentido.

Nesse mesmo sentido, ainda temos outra história desmentida sobre o mesmo assunto, mas, dessa vez, em 2018. Na época, a história de que Bill Gates teria dito que vacinas serviriam para esterilizar, matar e reduzir a população mundial ganhou as redes sociais. Como é possível ver em nosso desmentido, tudo não passou de uma falha de interpretação e de maldade por parte de quem criou o texto.

Outra informação na qual a história de hoje foi embasada é a ideia de que os testes para identificar o novo coronavírus não são confiáveis. Recentemente, a equipe do Boatos.org desmentiu uma informação falsa sobre o assunto. Na oportunidade, uma publicação afirmava que o teste de Covid-19 que usa um cotonete poderia causar danos cerebrais. Novamente, tudo não passou de muita desinformação e maldade de quem produziu a “teoria”.

Por fim, a publicação ainda se baseia na história de que os testes estariam contaminados. Durante a pandemia da Covid-19, a equipe do Boatos.org já esclareceu essa informação. O grande fato é que essa “teoria” não faz o menor sentido e não passa de um monte de balela com requintes de xenofobia.

Assim como em todos esses casos, a história de hoje não possui qualquer definição científica (sequer cita fontes de onde toda a tese teria sido retirada). A cereja do bolo fica por conta da sigla. O texto indica que o termo Covid-19 significaria “certificado de identificação de vacina com inteligência artificial”.

Só para concluir: resolvemos buscar em italiano por mais detalhes sobre o tal depoimento. Logo achamos um desmentido do site Bufale.net. Não demorou muito, achamos outro do site Open.online. Aliás, o fake também se espalhou pela Grécia e foi desmentido por lá.

O vídeo do termômetro que destrói a glândula pineal também é mais do mesmo. Já desmentimos, em duas oportunidades informações falsas a respeito do assunto (aqui e aqui). Ou seja: o vídeo do brasileiro em questão só reproduz uma desinformação que já havia sido refutada mais de uma vez. Relembre o que escrevemos e falamos sobre o assunto.

Ao buscarmos mais detalhes sobre o assunto, não achamos nada em fontes confiáveis. Ao contrário disto, encontramos diversos desmentidos mundo afora, como na Índia (pelo site de fact-checking The Logical Indian), Malásia (pelo jornal New Straits Times) e Estados Unidos (pelo AP News), além de matérias em espanhol e lituano.

Em todos os casos, a tese é tratada como absurda e, inclusive, especialistas ouvidos por esses veículos descartam qualquer possibilidade de danos à glândula pineal com o uso de termômetros infravermelhos. Ao site da agência AP, o Dr. Haris Sair, diretor de neurorradiologia da Universidade Johns Hopkins, a glândula pineal não está localizada próxima à testa, como muitos pensam, mas sim, nas profundezas do cérebro, a vários centímetros do tecido cerebral. Já os termômetros infravermelhos são projetados somente para captar temperaturas da superfície da pele.

O site Univision, por exemplo, publicou um texto escrito em parceria com a International Fact-Checking Network (IFCN) explicando que esses aparelhos não emitem radiação, como raios X ou controles de televisão, e portanto, não prejudicam a pele e muito menos qualquer área do cérebro. Isso porque eles servem apenas para captar os comprimentos de onda infravermelhos naturais que o corpo emite, e não para enviar luz infravermelha ou comprimentos de onda para corpo.

Resumindo: se você teve acesso a vídeos com o nome “Verdade Fora da Mídia” falando sobre as vacinas contra Covid-19 e termômetros infravermelhos, saiba que, ao contrário do que o título sugere, a informação não é verdadeira. Tratam-se de dois boatos que já desmentimos em algumas oportunidades por aqui.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164. 

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp https://bit.ly/318Tn5c
 – Lista no Telegram https://bit.ly/2VSlZwK

Confira também: 6 fake news sobre vacinas que circularam durante a pandemia

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet