Suramina acaba com os efeitos da vacina contra Covid-19 e da “proteína spike” #boato

Boato – Suramina, encontrada no chá de funcho, e ivermectina podem reverter efeitos colaterais da vacina e da Covid-19.

A vacinação contra a Covid-19 segue avançando no Brasil. Os dados divulgados no dia 22 de novembro de 2021 indicam que quase 61% da população brasileira já está totalmente imunizada.

Apesar dos bons números sobre a campanha de imunização, muitas pessoas insistem em não se vacinar. E essa ideia tem sido estimulada por diversos grupos negacionistas e antivacina que utilizam informações falsas para convencer mais pessoas sobre supostos malefícios da vacinação.

De acordo com uma história que está circulando nas redes sociais, a suramina poderia acabar com os efeitos da vacina contra a Covid-19 e também com a proteína spike. Segundo as publicações, a substância seria encontrada no chá de funcho. Ainda de acordo com as publicações, mesmo vacinadas, as pessoas também deveriam seguir usando a ivermectina para prevenir uma infecção contra a Covid-19. Confira:

Versão 1: “ATENÇÃO CHA DE FUNCHO TEM SURAMINA, ANTIDOTO CONTRA A VA CI NA. ( SEPARANDO SÍLABAS PARA EVITAR CENSURA) Palestra completa com o Dr. José Nasser, Medico e Neurocientista MD PHD, durante o Encontro Liberdade e Democracia em São José, SC, no dia 14/11/2021”. Versão 2: “Dr. Nasser, MD PHD do Hospital Albert Einstein recomenda : MESMO VACINADO TOMEM A IVERMECTINA! O MELHOR MEDICAMENTO PARA REVERTER O MAL DAS VACINAS É A SURAMINA FABRICADA NA ALEMANHA. ELA É ENCONTTADA NO CHÁ DE FUNCHO!!! TOMEM ESSE CHÁ!”. Versão 3: “MESMO VACINADO TOMEM A IVERMECTINA! O MELHOR MEDICAMENTO PARA REVERTER O MAL DAS VACINAS É A SURAMINA FABRICADA NA ALEMANHA. ELA É ENCONTTADA NO CHÁ DE FUNCHO!!! TOMEM ESSE CHÁ!”.

Suramina acaba com os efeitos da vacina contra Covid-19 e da “proteína spike”?

A informação rapidamente viralizou nas redes sociais, em especial, no WhatsApp e no Facebook. Apesar disso, a história não é real. Aliás, não só é falsa como também não tem muita lógica.

A história de hoje surgiu de um vídeo que, inclusive, gerou outra fake news sobre vacinas, que indicava que vacinas contra a Covid-19 poderiam causar Alzheimer e possuem níveis tóxicos de alumínio.

Nada de novidade, aliás. Ao longo da pandemia, a equipe do Boatos.org já desmentiu inúmeras fake news parecidas, como a que dizia que as vacinas poderiam causar fibrina no sangue e também a que apontava que as vacinas contra a Covid-19 possuiriam diversos vírus e poderiam causar câncer e doenças autoimunes.

Ao ler a história, é possível perceber que ela parte de um pressuposto equivocado: de que é necessário tomar algo para reverter o “efeito das vacinas”. Até porque quem toma uma vacina espera que ela tenha um efeito. No caso dos imunizantes em questão, proteger de infecções graves por Covid-19.

Se for efeitos “péssimos efeitos colaterais” que estão falando, também não há necessidade.  Já explicamos aqui que as vacinas são completamente seguras. Antes de serem disponibilizadas ao público, os imunizantes passam por diversos testes e estudos (que atestam sua eficácia e segurança). Depois disso, as agências reguladoras da área da Saúde ainda precisam analisar tudo para decidir se aprovam ou não o uso da vacina.

Como já estamos cansados de explicar também, os efeitos colaterais da vacina são normais (e até esperados). Apesar disso, a maior parte da população terá reações leves, como dor de cabeça, indisposição, dor no local da aplicação, febre, dor muscular e diarreia. A outra parte não sentirá nada de diferente e uma parcela bastante pequena terá reações mais severas. Nesses casos, é importante procurar o médico e não se automedicar.

O incentivo à automedicação é com substâncias que não possuem nenhum efeito contra a Covid-19 ou mesmo “contra as vacinas”. Assim como a Ciência já comprovou, a ivermectina não possui efeito contra a Covid-19. O medicamento não é antiviral. Na realidade, a substância é antiparasitária e a não ser que você precise combater um quadro de sarna ou de vermes, não deve tomar esse remédio (uma vez que a automedicação pode trazer problemas de saúde e a superdosagem de ivermectina pode atingir o funcionamento do fígado). Em agosto de 2021, a FDA (agência reguladora dos EUA) publicou um tuíte onde implora para as pessoas não tomarem ivermectina para o combate à Covid-19. O surto de desinformação fez com que a substância sumisse do mercado estadunidense e, agora, diversos animais doentes não podem ser tratados no país.

Se isso não bastasse, ao procurar sobre a tal suramina, descobrimos que a substância é um antiparasitário bastante eficiente no tratamento de doenças causadas por tripanossomas. Ao que parece, o Brasil nunca teve uma campanha contra vermes tão eficaz em sua história. O fato é que o medicamento não possui nenhum efeito comprovado contra reações colaterais da vacina (afinal de contas, elas não são causadas por vermes ou parasitas). O medicamento até chegou a ser estudado para o combate da Covid-19. Alguns estudos apontaram que ele teve uma boa resposta em testes in vitro (em células de laboratório), mas não foi para frente (assim como a ivermectina). É importante destacar que a suramina não é encontrada no chá de funcho (Foeniculum vulgare).

Além disso, a tese de que as vacinas contra a Covid-19 fazem mal à saúde das pessoas não é de hoje. E ela é figurinha carimbada entre “especialistas negacionistas” (pessoas que até possuem um diploma, mas parece que nunca frequentaram uma aula na faculdade). A equipe do Boatos.org já desmentiu duas outras histórias (aqui e aqui) que usavam o termo “suramina” ou “suramin” para o combate aos efeitos da vacina.

Por fim, a história também circulou na Bolívia. Por lá, a tese foi desmentida pelo site de checagem Bolívia Verifica. Além de rechaçar toda a teoria, o serviço de fact-checking também alertou para os perigos do uso indiscriminado do medicamento. Assim como a ivermectina, a superdosagem de suramina pode causar problemas renais e hepáticos.

Em resumo: a história que diz que a suramina, encontrada no chá de funcho, e a ivermectina podem combater os efeitos da vacina e da Covid-19 é falsa! A suramina não é encontrada no chá de funcho. Além disso, a substância é utilizada como medicamento antiparasitário e não possui efeito contra as reações da vacina ou contra a Covid-19. Se isso não bastasse, a automedicação nunca é recomendada (ainda mais com medicamentos que podem causar problemas graves nos rins ou no fígado, como a ivermectina e a suramina). Por fim, a tese não faz o menor sentido e a melhor opção sempre é se vacinar (se você puder). Ou seja, a história não passa de balela!

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61) 99458-8494.

Ps2: Confira a nossa nova seção “Oportunidades” clicando aqui. Na página, você pode acesso a promoções, descontos e sites que dão brindes.

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp https://bit.ly/3HIppbu
 – Lista no Telegram https://bit.ly/2VSlZwK
 – Siga-nos no TikTok https://bit.ly/3yPELWj
 – Siga-nos no Kwai https://bit.ly/3cUbEso