Bicho do morango (broca) causa doenças como a hepatite #boato

Boato – Broca-do-morango, “bicho microscópico” encontrado no fruto, é responsável pela transmissão de hepatite A e E e outras doenças. 

As temperaturas estão mais amenas em terras tupiniquins, mas esse cenário deve ser passageiro. E com o calorzão de volta, nada melhor do que recorrer aos sucos para se refrescar. Aqui no Brasil, um dos frutos mais apreciados pela população é o morango. O azedo adocicado do fruto faz sucesso entre os brasileiros, seja na forma in natura, em sucos, sorvetes, tortas etc.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org

Siga o Boatos.org no Twitter:


Se inscreva no nosso canal no Youtube

 

Receba as nossas atualizações no grupo do WhatsApp (só postagens do administrador, não se preocupem): http://bit.ly/2Z5PgE0

Confira o nosso Instagram:

Instagram

Lista no Telegram
https://bit.ly/2VSlZwK

Mas de acordo com um vídeo que está circulando nas redes sociais, é necessário cautela na hora do consumo. A mulher que fala ao fundo das imagens explica que um “germe” (“um bichinho”) que existe no morango seria o responsável pela transmissão dos vírus das hepatites A e E. Ainda de acordo com o vídeo, o “bichinho”, também conhecido como broca-do-morango, ainda seria causador de outras doenças.  Confira algumas mensagens que circulam junto à filmagem:

Versão 1: “Morango está se destacando como um dos transmissores de dois tipos de hepatite”. Versão 2: “O BICHO DO MORANGO!”. Versão 3: “Cuidado broca do morango”.

Broca-do-morango (bicho do morango) causa doenças como a hepatite?

A informação bombou nas redes sociais, em especial, no Instagram e no Facebook. O vídeo já foi compartilhado centenas de vezes e está causando pânico na internet. Apesar disso, calma! A história não é real.

Basta ler a publicação (ou ver o vídeo) para perceber que eles possuem as principais características de fake news, como o caráter vago, bastante alarmista, os erros de português e a falta de fontes confiáveis (nesse caso, de reportagens jornalísticas e estudos científicos).

Além disso, existe um histórico bastante vasto na internet de denúncias contra alimentos. A equipe do Boatos.org já desmentiu inúmeras delas, como a que dizia que um lote de feijão estaria contaminado com o protozoário que causa a doença de Chagas. Também a que indicava que os alimentos transgênicos poderiam causar câncer e, por fim, a que apontava que o peixe panga teria vermes e poderia fazer mal à saúde.

Pois bem, fomos investigar a história e descobrimos que os apontamentos feitos no vídeo não fazem o menor sentido. Para começo de história, a mulher que publicou o material acabou excluindo o vídeo de sua conta. Isso, por si só, já é um bom indicativo de que as coisas, talvez, não sejam bem assim.

A primeira tese a ser desmentida é a que sustenta que o bicho do morango é um dos transmissores da hepatite A e E. Lá no final dos anos 1990, nos Estados Unidos, um surto de hepatite A chamou a atenção da comunidade. Os casos foram relatados em estudantes e professores de escolas em Michigan, Maine e Wisconsin. Após investigações, as autoridades descobriram que a doença foi contraída após a ingestão de polpas de morango.

Em 1997, a Justiça estadunidense condenou a empresa responsável pela distribuição da polpa por fraude. De acordo com as investigações, o fruto usado na polpa era proveniente do México. Na época, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos permitia que apenas alimentos “100% cultivados e processados” no país fossem vendidos ao programa de merenda escolar dos EUA. Ainda naquela oportunidade, a Justiça não soube determinar se a contaminação ocorreu na fase de produção do produto, no México, ou na fase de processamentos, nos EUA.

Em 2016, um novo surto de hepatite A nos EUA foi relacionado ao uso de polpas de morango. Dessa vez, o produto teria sido importado do Egito. Novamente, ninguém conseguiu indicar se a contaminação teria vindo do produto in natura ou da fase de processamento.

Relatos como esse serviram como base para a história de hoje. Entretanto, se tratam de casos isolados e não recorrentes. Vale ressaltar que as hepatites A e E são doenças contagiosas que são transmitidas a partir do contato entre indivíduos ou por meio de água ou alimentos contaminados pelo vírus. A ocorrência da hepatite E, entretanto, é bastante rara no Brasil, sendo mais comum na Ásia e na África.

Isso nos leva a outra relação: morango x processo de produção. Um morango produzido com água contaminada pode não só causar a transmissão de hepatite A como outras doenças relacionadas a bactérias e outros patógenos. A contaminação pode ocorrer, inclusive, na fase de pós-colheita do produto ou de processamento do alimento, já na indústria.

Acontece que esse ciclo não é exclusivo do morango, podendo atingir qualquer produção hortifrutícola, como alface e tomate, e até produtos industrializados. A situação, muito menos, ocorre com a frequência apontada no vídeo. Isso porque o Brasil tem normas rígidas em relação ao controle sanitário de alimentos e possui uma regulamentação sobre padrões microbiológicos para alimentos, aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Se todo o morango do país estivesse contaminado e causando problemas como aqueles relatados no vídeo, certamente o órgão regulador, a Anvisa, já teria se pronunciado há algum tempo. O que não ocorreu.

Além disso, muitos produtores têm buscado aperfeiçoar ainda mais suas práticas, em especial, adotando sistemas de segurança de alimentos como a Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC) e o Sistema Agropecuário de Produção Integrada (SAPI) e também ações higiênico-sanitários, como o Boas Práticas Agrícolas (BPA) e Boas Práticas de Fabricação (BPF). O objetivo desses sistemas e procedimentos é garantir a produção de alimentos que não apresentem nenhum tipo de risco à saúde do consumidor. Mais do que um nome, esses processos garantem segurança ao consumidor.

Como é possível ver, o pobre “bichinho” não tem nada a ver com a transmissão da doença. O animal citado no vídeo, na realidade, é a broca-dos-frutos (Lobiopa insularis), um coleóptero. Em sua forma adulta, a broca se torna um pequeno besouro. Ao encontrar um fruto sobremaduro, isto é, aqueles que passaram do ponto ideal de consumo, o “bichinho” perfura o fruto e deposita seus ovos, dando origem às larvas. E não se engane, na falta de morangos, esses simpáticos animais também podem atacar plantações de goiaba e manga.

Apesar do pequeno tamanho (pequeno, não microscópico), eles podem causar enormes prejuízos a plantações se não forem controlados rapidamente. Os ataques podem levar à podridão do fruto e à entrada de microorganismos oportunistas, diminuindo o período de armazenamento do alimento. Ao contrário do que diz o vídeo, eles são inofensivos aos humanos. E (apesar de nojento), muito provavelmente você já deve ter consumido um. Para completar, não encontramos nenhum estudo científico que relacione a broca-dos-frutos com doenças em humanos.

Apesar de tudo isso, as orientações dadas ao final do vídeo, de higienizar bem os alimentos e, de preferência, deixá-los de molho (especialmente aqueles que serão consumidos crus) estão corretas! Uma boa higienização garante ainda mais a segurança para o consumo desses alimentos.

Em resumo: a história que diz que a broca-do-morango causa doenças como hepatite A é falsa! A pobre broca-dos-frutos (Lobiopa insularis) só representa perigo aos morangos docinhos e, em certa medida, também à produção de goiaba e manga. Mas não causa nenhum problema à saúde humana (e é muito provável que você já tenha consumido uma sem saber). Surtos de hepatite A relacionados à polpas de morango já ocorreram, em especial, nos EUA. Entretanto, não foi possível identificar se o problema veio do produto in natura ou na fase de processamento do alimento. Além disso, tanto a hepatite A quanto a hepatite E são transmissíveis por contato direto com fezes ou água e alimentos contaminados. Por fim, a Anvisa possui normas claras e rígidas em relação ao controle sanitário de alimentos. Se toda essa história realmente fosse comum, certamente a Anvisa já teria tomado providência. Ou seja, a história não passa de balela. Não compartilhe!

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164.

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp http://bit.ly/2H2c3Iu
 – Lista no Telegram https://bit.ly/2VSlZwK