O melhor do Boatos.org em 2017, por Edgard Matsuki

Editor do Boatos.org, Edgard Matsuki, escolhe, dentre mais de 400 desmentidos de boatos, os seus cinco textos prediletos do ano na sexta parte da retrospectiva 2017.

Foram mais de 400 textos. Com raras exceções (como em dias que “me dei uma folga” ou estava atarefado demais com outros projetos), eu me debrucei pelo menos uma vez por dia para desmentir uma história falsa que circulava na internet. E, no final de 2017, chega o momento de escolher, dentre estes tantos artigos, os cinco que mais me chamaram atenção.

Pode parecer clichê, mas é preciso dizer que escolher entre tantas opções é quase impossível. Por trás de cada desmentido, há uma história de apuração e um impacto (direto ou indireto) na vida das pessoas. Algumas dessas histórias e impactos que mereciam ser contados tiveram que ficar de fora. É assim, com uma dor no coração e uma pontinha de orgulho que elejo os meus cinco textos preferidos de 2017. Vamos aos fatos, melhor, à lista.

Assista: Equipe do Boatos.org escolhe em vídeo, os dez principais boatos de 2017

5) O saque da Caixa que esconde um golpe (30/05)

Em 2017, uma das raras notícias vindas do governo que se tornou positiva para a grande maioria dos brasileiros foi o anúncio da liberação de saque das contas inativas do FGTS. No meio da crise, uma graninha extra não fez mal a ninguém (ao contrário). Eu não fiz parte dos beneficiados. Porém, o anúncio me rendeu a reportagem que mais gostei de fazer “fora” do Boatos.org.

Como repórter da Agência Brasil, consegui um “furo” ao receber o calendário de saques com as datas e detalhes sobre os procedimentos antes de todos os outros veículos de mídia (umas três horas antes). O resultado foi uma série de reportagens que acabaram se tornando algumas das mais lidas do ano no site (o tira dúvidas do saque foi a mais lida). Mas o que o Boatos.org tem a ver com isso? Também o texto mais lido do ano.

Na esteira da repercussão da liberação dos saques do FGTS, golpistas resolveram, com o “velho” truque da promoção falsa no WhatsApp (que em 2017 foi muito repetido e, infelizmente, eficiente), iludir pessoas que desejavam um pouco mais com uma falsa lista de beneficiados. Assim que soubemos do caso, desmentimos a história (que teve algumas versões diferentes) e ajudamos muitas pessoas a não caírem no golpe. Por toda essa história e pelo fato de ter sido o texto mais lido do ano no Boatos.org, este é o quinto lugar.

4) A pílula zumbi no Brasil (02/10)

Neste ano (assim como em anos interiores), a grande mídia nos ajudou em dois sentidos. Algumas escorregadas de grandes sites, programas de TV e jornais nos municiavam de pautas e provavam que ninguém está livre (nem mesmo quem, em teoria, faz um trabalho profissional) de publicar fake news. Até iríamos colocar um exemplo deste tipo de matéria, mas na hora de definir o “Top 5”, ele “caiu”.

Preferimos brindar com o quarto lugar uma matéria que mostra a outra forma que a mídia no ajudou: divulgando o Boatos.org. Assim como em outros anos, fomos fonte de reportagens sobre boatos na internet uma dezena de vezes. Dentre essas tantas vezes, uma nos chamou atenção.

Alguns meses após desmentir um boato sobre a pílula zumbi (que algumas vezes foi invocada no ano) e o vídeo de uma mulher transtornada no litoral de São Paulo, descobrimos (via ferramenta de análise de visitas) diversos leitores franceses entrando na matéria. Ao procurar mais sobre o assunto, vimos que o Le Monde (principal jornal da França) havia citado (e dado o link, como se deve fazer) o nosso site como referência. Deu um orgulho. Por isso, é o quarto lugar.

3) O polêmico filme de Jesus Gay (06/02)

Em 2017, resolvemos colocar em prática alguns projetos novos como a versão do Boatos.org em espanhol, o Hablillas.org, e os vídeos do Youtube. Enquanto o primeiro (sob a batuta de Hellen Bizerra, parceira de desmentidos) está decolando, o segundo já está um pouco mais consolidado. Para simbolizar o trabalho com vídeos, está o nosso terceiro lugar.

Em março, gravamos um vídeo e fizemos um texto desmentindo a história que apontava que o filme Corpus Christi (que retrataria Jesus gay) seria lançado no Brasil. Além de tentar combater a homofobia (um dos maiores combustíveis para difusão de fake news), o desmentido foi o que teve mais “êxito” na versão vídeo.

Os 85 mil (e contando) views são números pequenos se comparados com os textos mais lidos no Boatos.org (se fosse um texto, estaria apenas na posição 51 do ano). Porém, saber que o vídeo teve um retorno como esse em um canal que começou o ano quase do “zero” dá motivação para continuarmos a caminhada e gravando mais para vocês.

2) Moro, o voto nulo e o boateiro “fã” do Boatos.org (12/08)

Os motivos que envolvem o segundo lugar da nossa lista são dois: a pauta e a fonte que criou o boato. A história é uma mensagem que seria escrita pelo juiz Sérgio Moro e que incentiva as pessoas a votarem nulo. Com 2018 e uma acirrada eleição chegando, é importante combater esse tipo de boato que possa influenciar no resultado do pleito. Creio que fizemos o nosso trabalho desmentido esse e outros boatos que falam sobre a utilidade de anular o voto.

A fonte é emblemática e por isso entra na lista. Neste ano, o dono do site que publicou a fake news de Sérgio Moro e o voto nulo criou diversas notícias falsas utilizando o mesmo método: primeiro, criava um site fantasma com a notícia e cheio de anúncios. Depois, saia divulgando uma mensagem pedindo o repasse em grupos do WhatsApp e esperava, com a inocência das pessoas, a história se multiplicar. Infelizmente, para eles, o Boatos.org frustrou muitos desses boatos.

A estratégia deles não parou por aí. Primeiro, tentaram criar fakes para fazer comentários negativos no site. Depois tentaram utilizar o meu nome em boatos (que nunca decolaram, infelizmente, por poderia valer um ótimo processo). Por fim, tentaram denunciar o Boatos.org por plágio por fazermos a checagem das notícias falsas deles (algumas, como a mais recente da Mega Sena, requentada após o Boatos.org desmentir). Novamente, rebatemos todas as acusações a nada aconteceu.

O máximo que eles conseguiram foram se expor a ponto de descobrirmos descobrir quem são as pessoas que estão por trás do “trabalho”. Chegamos a pensar que havia uma grande estrutura por trás do trabalho, mas descobrimos eles são de uma cidade pequena do interior do Maranhão e fazem tudo da forma mais amadora possível (bora fazer uma entrevista?). E claro, conseguiram nos deixar com mais motivação para desmentirmos histórias falsas criadas por eles. Por tudo isso, esse é o 2º lugar.

1) O pânico da Baleia Azul (25/04)

O nosso top 5 já teve motivação por circulação, por fonte, por causa do retorno e por causa de vídeos. Porém, o nosso primeiro lugar tem um motivo muito mais simples: a pauta. Ela fala, na minha opinião, do maior boato de 2017: o jogo da Baleia Azul.

Mais de seis meses depois do frenesi criado por causa do suposto jogo, é possível confirmar que a história da Baleia Azul nada mais é do que uma fake news “comprada” por um veículo russo, “recomprada” por tabloides britânicos e “rerrecomprada” por brasileiros. Sim, ninguém sabia do que se tratava no Brasil até uma emissora de TV falar no assunto.

Depois disso, criou-se uma histeria. Enquanto jovens “criavam” jogos da Baleia Azul só para fazer bullying com outras pessoas, pais se preocupavam com algo muito específico. Na realidade, pais deveriam se preocupar com a depressão na adolescência e com o que os jovens fazem na internet.

É claro que diversos boatos apareceram. No período de uma semana, chegamos a desmentir sete boatos relacionados ao jogo. Mas parecia não ser suficiente só combater as fake news. Era preciso esclarecer mais para acabar com o pânico e, ao mesmo tempo, com o fascínio criado com o jogo.

Para começar, abrimos um post no Facebook para receber dúvidas sobre o jogo. Depois, fizemos um texto com 15 perguntas e respostas sobre o assunto. Não foi o mais lido do ano (ficou em 336º, por sinal), mas sabemos que as pessoas que acessaram o conteúdo ficaram um pouco mais tranquilas em relação ao assunto e parar um pouco com a histeria (e fascínio) coletivo. Sabemos também que o nosso post serviu para influenciar jornalistas a criarem conteúdo menos sensacionalista e mais esclarecedor sobre o assunto. Em menos de 50 dias, era o jogo da baleia azul que estava morto.

Compartilhe este artigo:

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet

5 comentários em “O melhor do Boatos.org em 2017, por Edgard Matsuki

  • 13/07/2018 em 20:47
    Permalink

    Acho excelente!!! Confiro aqui sempre que leio uma notícia estranha! E compartilho desmentindo! Parabéns pela iniciativa e pelo trabalho. Estou virando uma caçadora de mentiras com vocês!

    Resposta
  • 20/04/2018 em 17:23
    Permalink

    Adoro! Verifico e compartilho diversas notícias q recebo de pessoas que não tem discernimento, já que algumas, por falta de info, dados inconcistentes percebe-se logo o fake!

    Resposta
  • 28/01/2018 em 17:40
    Permalink

    Sempre que aparece certas notícias nos grupos que me parecem suspeita, recorro a voces, e sempre tiro minhas dúvidas, muito obrigada pelo excelente trabalho, parabéns, abraços

    Resposta
  • 03/01/2018 em 19:22
    Permalink

    Além de “andar com as antenas ligadas” no dia a dia, sempre me socorro com o Boatos.Org, e tenho um prazer muito grande de enviar à pessoa que me enviou a notícia mentirosa o desmentido do Boatos.Org, para provar que aquela notícia é mentirosa.
    Continuem assim, sou leitor assíduo.;
    José

    Resposta
  • 30/12/2017 em 14:01
    Permalink

    Muito bom o trabalho de vocês , continuem assim, desmentindo de fato os boatos e se mantendo imparciais.

    Att;

    Angelo Corradi

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)