O nióbio pode salvar o Brasil e nos tornar o país mais rico do mundo #boato

Boato – O Brasil está desperdiçando a chance de ser uma potência mundial. Se explorar e aumentar o preço do nióbio, o país se torna o mais rico do mundo e todos os brasileiros terão altos salários.

Todos os dias a imprensa nos relembra que o país enfrenta uma grave crise econômica. Independentemente de quem ou quais seriam os responsáveis pelo atual momento do país, o fato é que o déficit orçamentário do Brasil é gigante e o novo governo terá que tentar melhorar a situação.

Em meio a esse difícil quadro, muita gente na internet acredita que o Brasil já tem a solução para dar a volta por cima e se tornar o país mais rico do mundo. Ela atende pelo nome de nióbio. Já ouviu falar? Trata-se de um mineral raro utilizado em diversos setores da indústria, especialmente na produção de aço.

Segundo os textos, áudios e vídeos que têm circulado no WhatsApp e na web em geral, como o Brasil tem 98% das reservas de nióbio, basta aumentar o preço e comercializar melhor esse metal para que o país se torne uma potência mundial. Em outras palavras, o mais rico do mundo e com altos salários para todos. Confira algumas destas mensagens:

Versão 1: Esse é o minério mais valioso do mundo o NIÓBIO e o Brasil está sendo saqueado por grupos estrangeiros e ninguém faz nada são cerca de mais de trezentos trilhões de dólares que colocaria o Brasil como um dos países mais ricos do mundo e resolvendo todos os problemas que o Brasil vêm passando e superaria qualquer crise mundial.

Versão 2: Todo mundo quer nióbio – e quase todas as reservas mundiais desse metal, 98,2%, estão no Brasil. Nós temos o equivalente a 842 milhões de toneladas de nióbio, que valem inacreditáveis US$ 22 trilhões: o dobro do PIB da China, ou duas vezes todo o petróleo do pré-sal. Por isso, há quem diga que o nióbio pode ser a salvação do Brasil, a chave para o País se desenvolver e virar uma potência global.

Versão 3 (transcrição de áudio): Então só para você ter uma ideia se a gente parar hoje e tiver uma intervenção militar, se assumir uma Junta Militar para governar o Brasil, quem quiser comprar nióbio vai pagar o preço que vale e a gente vai pagar salários altos para todo brasileiro,  nem imposto de renda a gente vai precisar pagar porque vai sobrar dinheiro. Então, olha só o tamanho do rombo e do roubo que se faz do povo brasileiro.

O nióbio pode salvar o Brasil e fazer do país o mais rico do mundo?

A salvação da economia é mostrada de forma tão próxima e tão simples nessas mensagens que é impossível não desejar que o governo mude nesse exato momento as políticas de comercialização do nióbio e que saia explorando o mineral por aí. Mas, como nada é realmente simples, ainda mais se tratando de macroeconomia, claro que é mentira essa história de que com a devida exploração do nióbio o Brasil seria o país mais rico do mundo. Agora, vamos entender cada detalhe.

Comecemos pelos fatos. Sim, o Brasil realmente detém mais de 98% das reservas mundiais do nióbio. Isso faz do nosso país praticamente o fornecedor único desse minério, que como comentamos, é utilizado na indústria siderúrgica e no desenvolvimento de tecnologia de ponta.

Para se ter uma breve ideia, o nióbio é utilizado para a fabricação de turbinas de avião, de supercondutores, de foguetes e até as grandes invenções científicas mais recentes usam esse metal em sua estrutura. Perfeito então, certo? Na verdade não. Como o Brasil não tem capacidade para desenvolver a alta tecnologia em que o nióbio é utilizado, resta apenas vender o insumo, ou seja, o próprio nióbio (na verdade, não se vende nióbio puro, mas uma mistura chamada ferronióbio) e como sabemos, matéria-prima não é cara. Caros são os produtos resultantes dessa matéria-prima, os chamados manufaturados.

Ah, mas e a indústria de aço? Muitos países precisam de aço e o próprio Brasil produz aço, dá para fazer muito dinheiro nessa parte, certo? Errado. A outra “falha” na solução mágica do nióbio que essas teorias milagrosas não mencionam é que ele tem substitutos. Na produção de aço (onde realmente ele é mais utilizado) é possível substituir nióbio por outros metais como vanádio e titânio, que são encontrados em vários outros países.

Além disso, mesmo que o Brasil quisesse controlar os preços do nióbio e vendê-lo mais caro a quem realmente têm interesse, a quantidade necessária desse metal para o desenvolvimento de alta tecnologia ou mesmo na siderurgia é muito pequena (alguns gramas por tonelada de aço). Como até quem precisa dele não precisa de uma grande quantidade, jamais (nas condições de hoje) se comprará nióbio absurdamente. Tanto é assim que se estima que apenas duas das reservas brasileiras (nós temos três) são capazes de atender o mundo todo pelos próximos 200 anos. É a lei da oferta e procura, pura e simplesmente.

Uma solução “menos milagrosa” e “mais inteligente” seria fazer com que o Brasil (assim como os “países mais ricos do mundo”) consiga desenvolver produtos que aumentem o valor agregado do nióbio (em outras palavras, que aumentem a necessidade pelo metal). Mas para termos condições de concorrer com as “potências mundiais”, seria preciso investir em tecnologia, educação e “outras coisitas mas”. Simples, não? Não!

Por fim, não bastassem todos os fatos, uma lida rápida em cada mensagem que mostramos já revela características de boato. São sensacionalistas, têm tom alarmante, não mencionam fontes de informação e têm até cunho ideológico. No caso do áudio, ele é distribuído por um grupo que já soltou pérolas como “o Congresso será fechado” e “teremos intervenção na semana que vem”.

Resumindo, não é verdade que o nióbio pode salvar o Brasil e fazer do país o mais rico do mundo. Ainda que tenhamos as principais reservas de nióbio, só exportamos matéria-prima sem valor agregado, o metal pode ser substituído por outros mais “comuns” e a demanda ainda é pequena. Portanto, #boato. Teremos que concentrar as esperanças em outra coisa, lembrando sempre que quando se trata da economia de um país, não é com soluções simples nem milagres que se resolvem os problemas. No máximo, o nióbio pode enriquecer (ou continuar enriquecendo) meia dúzia de afortunados.

PS: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema para o Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, no Facebook e WhatsApp no telefone (61) 991779164

Compartilhe este artigo:
error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)