WhatsApp limitou compartilhamento apenas no Brasil só para prejudicar Bolsonaro #boato

Boato – O WhatsApp anunciou que vai diminuir o número de compartilhamento de mensagens porque quer prejudicar o presidente Jair Bolsonaro e ajudar os comunistas a vencerem. Medida ocorrerá apenas no Brasil.

Já há alguns anos (nas nossas contas desde 2016), o WhatsApp “passou” o Facebook e se tornou a maior fonte de notícias falsas na internet. Desde então, a empresa tem tentando medidas (que, na nossa opinião, foram inócuas) para diminuir a quantidade de fake news no aplicativo. A última delas é uma redução drástica no compartilhamento de informações.

Se você não se lembra, houve um tempo em que o compartilhamento de mensagens era ilimitado. Em 2018, o número de compartilhamentos foi reduzido para 20 por vez e, em seguida, para cinco contatos por vez. Agora, em 2020, o número de compartilhamentos foi reduzido para um contato por vez.

Voltamos a frisar que essa medida (que mostra o posicionamento da empresa de que quer que o WhatsApp seja mais um comunicador pessoal do que uma rede social) não é a mais eficaz para combater as fake news. Na nossa opinião, a medida mais eficaz seria um botão “checar” na plataforma (e já falamos sobre isso no TSE, Congresso e outros locais, mas nunca fomos ouvidos).

Limitar o compartilhamento não vai fazer com que a disseminação automática de mensagens (por meio de scripts) cesse ao mesmo tempo que precarizar o aplicativo pode gerar um “êxodo” do WhatsApp. É isso que estamos vendo na história da qual vamos tratar hoje (sim, esse artigo é uma checagem).

De acordo com uma mensagem que está circulando no aplicativo, o WhatsApp tem um “objetivo”: prejudicar o presidente Jair Bolsonaro. A “prova” do crime seriam três fatos: 1) A medida de redução de compartilhamento só seria utilizada no Brasil. 2) A medida foi fruto de pressão do Congresso e STF. 3) O WhatsApp é a principal arma de Bolsonaro. Leia a mensagem que circula online e “incentiva” as pessoas a irem para o Telegram:

*_COMUNISTAS VENCENDO!_* *Já começou a implantação desde o dia 7/04 da nova limitação do Whatsapp para apenas um compartilhamento.* *Em poucos dias estaremos todos na nova regra* *Pesquisei sobre a a nova limitação e descobri que em nenhum lugar no mundo o número de repasses é limitado, só no Brasil!* *Primeiro diminuíram para 5 e agora para somente um compartilhamento!**Tudo indica que isso foi feito por pressão de Parlamentares de certos Partidos Políticos e alguns Ministros do STF!*

* SÉRIO, O WHATSAPP ESTÁ TRABALHANDO CONTRA BOLSONARO!!!* *A partir de agora só se pode repassar uma mensagem por vez!* *Isso ė um claro ataque ao nosso Presidente que depende das redes sociais!* *Toda a mídia escrita e falada quer derruba-lo a qualquer custo por ter ele acabado com o repasse de Bilhões de Reais por ano, que vinha acontecendo nos governos esquerdistas

*A única força que o mantém somos nós, os patriotas que lutamos por ele!* *Vamos sair fora desse lixo de Whatsapp e deixa-lo para os comunistas!* *COMO FAREMOS AGORA?* *Temos que migrar hoje mesmo para o _TELEGRAM_ que é semelhante para usar, o número de repasses é ilimitado e carrega menos a memória do telefone*

*É só entrar e instalar o _Telegram_ no:* *Play Store (Android)* *App Store (iPhone)* *ADMINISTRADORES DE GRUPOS* *Por favor criem os grupos com o mesmo nome no _Telegram_ e adicionem os participantes para que o apoio ao presidente não seja prejudicado!* *BOLSONARO DEPENDE MAIS DO QUE NUNCA DO NOSSO TRABALHO!*

WhatsApp limitou compartilhamento para prejudicar Bolsonaro e ajudar comunistas?

A mensagem se espalhou com muita força na internet e deixou muitos militantes de Bolsonaro chateados. Mas será mesmo que a medida do WhatsApp tem como objetivo atingir o presidente do Brasil? Pelo menos de forma direta, a resposta é não. Calma aí que a gente explica tudo para vocês.

De cara, vimos que a mensagem (como bom boato na internet) é vaga, alarmista, com erros de português e não cita fontes confiáveis. Só joga a opinião e mais nada. Para além disso, boatos envolvendo “novas regras do WhatsApp” são comuns. Em 2018, por exemplo, chegou a ser falado que o WhatsApp iria responsabilizar criadores de mensagens marcadas como “encaminhadas” e, por muitas vezes, qualquer atualização gerava o boato de que o aplicativo seria pago (veja o vídeo para relembrar):

Com as desconfianças da veracidade, resolvemos buscar por mais detalhes a respeito do assunto. Não demorou muito para derrubar duas das teses apresentadas. É falso que a medida só será válida para o Brasil. Ela será colocada em prática no mundo todo. Também é falso que o Congresso e o STF têm algo a ver com isso. Em uma medida de “âmbito mundial” colocar “na conta” do Judiciário e Legislativo do Brasil seria superestimar a importância dos órgãos.

Aliás, achar que o WhatsApp “quer prejudicar” Bolsonaro também é superestimar o presidente. Na realidade, o intuito do WhatsApp é diminuir a quantidade de encaminhadas para (de acordo com os pressupostos deles) diminuir o número de fake news. Quem está compartilhando a mensagem está, de certa forma, admitindo que as fake news são a principal arma de Bolsonaro.

Resumindo: a história que aponta que o WhatsApp vai limitar o compartilhamento de mensagens no WhatsApp só para prejudicar Bolsonaro é falsa. A medida não ocorrerá apenas no Brasil, não teve “dedo” do Congresso e STF e tem como objetivo diminuir a quantidade de mensagens que não sejam interpessoais no aplicativo. Agora, se vai diminuir fake news ou prejudicar, de certa forma, Bolsonaro, são outros quinhentos.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61) 99177-9164.

Confira a lista de todas as fake news sobre o novo coronavírus

Clique nos links “bit.ly” para acessar nossos perfis:

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp http://bit.ly/2oQa6tD

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)