Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Tecnologia > Fake mistura fala de deputado sobre resolução do TSE e corrente antiga sobre monitoramento do WhatsApp

Fake mistura fala de deputado sobre resolução do TSE e corrente antiga sobre monitoramento do WhatsApp

Novas regras de comunicação com monitoramento do WhatsApp são de resolução do TSE, começam amanhã e e foi motivo de redes sociais saírem do ar, diz boato (Foto: Reprodução/WhatsApp)

Boato – O deputado Gustavo Gayer denunciou que novas regras de comunicação com monitoramento do WhatsApp começam amanhã, que elas têm a ver com resolução do TSE, que, por isso, redes sociais vão embora do Brasil e foi o motivo das redes sociais da Meta saírem do ar.

Já vamos começar a checagem de hoje falando que essa vai ser difícil de explicar. Apontamos isso porque a fake news de hoje é uma mistura de uma corrente antiga que está sempre circulando na internet, com uma fala de um deputado com críticas a Alexandre de Moraes e, ainda, um “motivo” por um blecaute em redes sociais.

Vamos por partes. Se você é presente neste “planeta” chamado internet, deve se lembrar que no dia 5 de março de 2024 algumas redes sociais da Meta (como o Instagram e o Facebook) ficaram fora do ar por diversas horas.

Um pouco antes, no dia 27 de fevereiro de 2024, o TSE lançou uma resolução, de número 23.732, que trata da propaganda eleitoral nas eleições de 2024. A resolução fala muito sobre propaganda e desinformação em redes sociais. 

Vídeo: É falso que vacina da gripe tenha "vírus do câncer"

Voltando ao dia 5 de março: no mesmo dia do “blecaute” do Facebok e do Instagram, o deputado federal Gustavo Gayer gravou um vídeo falando que redes sociais ameaçaram sair do Brasil por conta da resolução do TSE. O vídeo bombou e circulou muito por “conservadores”.

Agora, quase dez dias depois do último dos três acontecimentos citados, uma corrente que aponta para “novas regras de comunicação com o WhatsApp monitorado passam a valer a partir de amanhã”. O texto cita diversas regras que passariam a valer na internet como “ser crime escrever sobre política”, que tudo seria monitorado e outros.

O texto está circulando junto com o vídeo de Gustavo Gayer como se a Resolução do TSE citada por ele (e criticada) seria o teor da lista do WhatsApp. Para completar, a legenda do vídeo diz que o “apagão” nos sites foi por causa da resolução (caramba!). Leia a legenda do vídeo, o texto da mensagem e a transcrição do vídeo (apenas trechos porque já ficou gigantesco):

Legenda: NOTÍCIAS URGENTE ENTENDA PQ META SAIU DO AR HJ, E VCS DEPUTADOS OQ IRÃO FAZER  05/03/24 Mundo Notícias

Texto: IMPORTANTE A partir de amanhã serão implementadas novas regras de comunicação para WhatsApp e telefonemas* 01. Todas as chamadas serão gravadas. 02. Todas as gravações de chamadas serão salvas.* 03. WhatsApp, Facebook, Twitter e todas as redes sociais serão monitoradas. 04. Avise quem não sabe 05. Seus dispositivos serão conectados ao sistema ministerial 06. Tenha cuidado para não enviar a mensagem errada para ninguém.

07. Informe seus filhos, irmãos, pais, amigos e conhecidos que raramente gerenciam sites sociais. 08. Quaisquer mensagens ou vídeos que você tenha sobre o governo ou dos ministros, sobre política ou a situação atual… etc. Não envie. 09. Atualmente é crime escrever ou enviar mensagem sobre qualquer assunto político ou religioso… Pode resultar em prisão sem mandado.

Transcrição: Pare o que você está fazendo agora e assista esse vídeo até o final e você vai entender a importância do que eu tenho pra te falar aqui. De todas as batalhas que nós estamos travando são muitas. Esta é a mais importante de todas porque se nós perdermos essa nós perderemos a capacidade de continuar nas próximas batalhas. Nós perderemos a nossa voz principal arma. Essa resolução que acabou de ser emitida pelo nosso Tribunal Superior Eleitoral redigido pelas mãos do nosso ilustre ministro Alexandre de Moraes. A resolução vinte e três sete três dois que foi divulgada pela imprensa muito superficialmente é mil vezes pior do que você possa imaginar Eu estava hoje de manhã dando uma olhada nessa resolução. São várias páginas. É uma mudança total do nosso sistema eleitoral. Mas não só isso. Ela não muda apenas a parte do sistema eleitoral de campanha.

Ela muda toda a nossa ela destrói a nossa liberdade de expressão nas redes sociais. Ou como a própria resolução diz os de aplicação. Se pra você é importante o WhatsApp, Facebook, Instagram, eu quero que você saiba que o Brasil está prestes e sério mesmo. Prestes a perder essas ferramentas porque a empresa Meta já está considerando abandonar o Brasil devido as aberrações que estão aqui dentro que são inexequíveis. […]

De acordo com essa resolução ela não se limita a redes sociais. Ele fala expressamente o tempo inteiro entre provedores de aplicação. Que devem monitorar tudo que acontece na internet. Dentro dos seus provedores. Então nós temos aqui WhatsApp só da meta hein WhatsApp, Facebook e Google. Sem falar do YouTube, do TikTok, do Ax. Eu vou falar apenas dos responsáveis da meta, porque eu li isso daqui e liguei pra algumas pessoas que eu conheço que trabalham na meta e perguntei como que eles vão fazer pra executar isso daqui. A resposta foi, é impossível. É simplesmente impossível executar. Isso daqui a não ser que você queira transforma literalmente numa ditadura censura prévia.

Vamos lá. De acordo com a resolução, olha o absurdo disso aqui. Tudo que você falar na internet a partir de agora será monitorado até mesmo no WhatsApp. E se a empresa não deletar esse que ideologia, discurso de ódio, discurso antidemocrático eh fascista nazista quem vai responder por isso é a empresa. Então pra empresa poder sobreviver no Brasil, no caso a meta ela teria que sair apagando tudo que se refira a fala política. Absolutamente tudo, toda opinião que você tem sobre lutar contra o aborto, contra a legalização das drogas, contra a ideologia de gênero, a favor da vida, tudo isso será considerado discurso de ódio e deverá ser deletado assim como a sua conta deverá ser deletada. Mas o pior é a questão de monitorar as conversas WhatsApp e apagar contas de perfis e conteúdos que possam vir a ser considerado como algo que o Alexandre de Moraes não queira que seja falado. […]

Checagem

Já deu para ver a confusão que tudo se tornou, né? Mas se tem gente que tá aí para confundir, a gente está aí para explicar. E vamos explicar respondendo às seguintes questões: 1) O texto que cita as novas regras de comunicação e WhatsApp monitorado amanhã é real e tem a ver com a resolução do TSE? 2) É verdade que as redes sociais vão deixar o Brasil por conta da resolução do TSE? 3) As redes sociais da Meta saíram do ar por conta das “novas regras de comunicação”?

O texto que cita as novas regras de comunicação e WhatsApp monitorado amanhã é real e tem a ver com a resolução do TSE?

Não. Para começar, o tal texto que fala de “WhatsApp monitorado” é uma das fake news mais manjadas da história recente da internet. O mesmo texto (ou textos com pequenas variações) circulam em redes sociais desde, no mínimo, desde 2017.

Não é preciso nem dizer que as tais regras já foram desmentidas diversas vezes (a última no Boatos.org foi em setembro do ano passado) e que “diversos amanhãs” chegaram e nada foi feito. 

Além disso, o texto (que não passa de uma corrente fake) nada tem a ver com a resolução do TSE que trata de propaganda eleitoral. Resolução, aliás, que não fala em “monitoramento do WhatsApp” e “proibição em falar sobre política”. 

É verdade que as redes sociais vão deixar o Brasil por conta da resolução do TSE?

Também não. Essa história que surgiu no vídeo do deputado foi desmentida por representantes das redes sociais (como da Meta), que apontaram que não planejam “deixar o Brasil” (tem que ver que isso significaria uma perda gigantesca para eles), e pelo próprio TSE.

O TRE-PR, por exemplo, fez um desmentido sobre o assunto. Foi citado, inclusive, que as plataformas participaram de audiências públicas junto ao TSE e ressaltou que nunca houve qualquer pronunciamento falando de êxodo do Brasil. 

As redes sociais da Meta saíram do ar por conta das “novas regras de comunicação”?

O episódio do dia 5 de março de 2024 não tem qualquer relação com a Resolução 23.732 ou mesmo com a corrente falsa que está circulando. Conforme falamos nesta checagem, o motivo foi tecnológico e, de acordo com postagens da própria empresa, o problema foi resolvido (tanto que o Facebook e o Instagram não saíram mais do ar).

Conclusão

Fake news ❌

A relação que está sendo criada na publicação em questão é falsa. Nem haverá “novas regras de comunicação com monitoramento”, nem as redes sociais vão embora do Brasil por causa da Resolução do TSE tampouco o “apagão” de 5 de março das redes da Meta tenha a ver com isso. Fake confusa, repleta de discursos enviesados e acusações sem provas ou puramente sem fundamento.

Ps: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo e-mail [email protected] e WhatsApp (link aqui: https://wa.me/556192755610).