Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Saúde > Leite de caixinha faz mal porque tem formol na fórmula #boato

Leite de caixinha faz mal porque tem formol na fórmula #boato

Leite de caixinha faz mal porque tem formol na fórmula, diz boato (Foto: Reprodução/Facebook)

Boato – Leite de caixinha contém formol, soda cáustica e hormônios esteroides em sua fórmula e podem fazer mal à saúde.

Nos últimos meses, o preço do leite tem assustado muitos clientes no supermercado. Não é de hoje que o valor alto do produto tem afastado a compra e reduzido o consumo de uma parte da população.

Entretanto, por ser um alimento básico na dieta do brasileiro e não sendo de fácil substituição, o leite continua sendo bem vendido nas prateleiras dos supermercados. Porém, de acordo com uma história que está circulando por aí, os consumidores deveriam ter mais cuidado com esse produto.

Segundo uma publicação, o leite de caixinha contém diversas substâncias que podem fazer mal à saúde, como formol, peróxido de hidrogênio (água oxigenada) e soda cáustica. Ainda segundo a história, o leite desnatado, em específico, tanto de caixinha quanto de saquinho também teriam hormônios esteroides e antibióticos. Confira:

Vídeo: É falso que vacina da gripe tenha "vírus do câncer"

Versão 1: “Leite em caixinhas• Varias marcas contém: peróxido de hidrogênio (água oxigenada), formol, soda cáustica, etc…”. Versão 2: “O leite desnatado vendido em caixinha/saquinho além de só conter 30% menos calorias que o leite comum ainda contém água sanitária, soda cáustica, formol, bicarbonato sódico, hormônios esteroides e antibióticos”.

Leite de caixinha faz mal porque tem formol na fórmula?

A informação caiu como uma bomba nas redes sociais, em especial, no Twitter e no Facebook e causou pânico entre alguns internautas. Apesar disso, a história de hoje não é verdadeira. A explicação fica por conta da falta de provas.

Logo de cara, a história de hoje nos deixou desconfiados. Ela apresenta um caráter vago, com apelo sensacionalista e não mostra fontes confiáveis. Além disso, não existem notícias sobre o assunto em veículos de comunicação confiáveis.

Além disso, histórias falsas envolvendo leite não são novidade por aqui. A equipe do Boatos.org já desmentiu inúmeras delas por aqui, como a que indicava que o leite reprocessado seria colocado em caixas com quadros coloridos. Também a que dizia que a barrinha colorida na caixa de leite serviria para indicar se o produto já venceu e, por fim, a que apontava que o leite  Elegê teria sido retirado do mercado por excesso de sangue, pus e toxinas.

Ao pesquisar sobre o assunto, descobrimos que, de fato, o caso do leite intoxicado ocorreu. Porém, a história não é nova e, além disso, se tratou de um caso isolado. Em 2013, após receber diversas denúncias, o Ministério Público do Rio Grande do Sul (RS) deflagrou uma operação que acabou com um esquema de adulteração de leite. Na ocasião, 5 empresas eram suspeitas de adicionar uma substância semelhante à ureia no leite cru. A substância continha, entre outras coisas, formol. A operação do MP-RS durou cerca de um ano e mais de 20 pessoas foram denunciadas pelo crime.

Como é possível observar, o caso foi isolado e não generalizado. Já o argumento presente na história de hoje que o leite só poderia durar se tivesse alguma substância, isso é falso. A legislação brasileira não permite a adição de nenhum tipo de conservante ao leite, sob pena de crime de fraude. O que, de fato, faz o leite durar mais tempo é a tecnologia presente na caixa do leite. A única coisa adicionada à formulação do leite de caixinha é o citrato de sódio, uma substância que é naturalmente encontrada no leite e que é usada para a estabilização do alimento. Trata-se de um aditivo e não de um conservante.

Em resumo: a história que diz que o leite de caixinha faz mal à saúde, porque possui formol é falsa! De fato, em 2013, o Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) deflagrou uma operação onde acabou com um sistema de adulteração de leite. Na oportunidade, 5 empresas foram investigadas por adicionar uma substância ao leite cru que parecia ureia e continha formol. O caso se estendeu até 2014. Se tratou, portanto, de um caso isolado e não generalizado. A legislação brasileira proíbe a adição de qualquer conservante ao leite, sob pena de crime de fraude. Por fim, o leite de caixinha dura tanto, por causa da tecnologia presente na formulação da caixa. Ou seja, nada de formol e nem de outras substâncias.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61) 9275-5610

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp https://bit.ly/41sX0QS
 – Lista no Telegram https://bit.ly/2VSlZwK
 – Siga-nos no TikTok https://bit.ly/3yPELWj
 – Siga-nos no Kwai https://bit.ly/3cUbEso
Marcações: