Borracheiro morreu em acidente com pneu, mas foi diagnosticado com Covid-19 para inflar estatísticas do coronavírus #boato

Boato – O borracheiro Reginaldo Jacinto da Silva morreu em um acidente com pneu de caminhão. Porém, o governo de Pernambuco mandou colocar Covid-19 na certidão de óbito só para inflar as estatísticas com coronavírus.

Há exatamente um dia, o Boatos.org desmentiu uma informação falsa que apontava que o governador de São Paulo, João Doria, havia mandado médicos do Samu notificarem qualquer morte como se fosse por Covid-19. Não demorou muito para boatos similares se espalharem em outras regiões do país. A que vamos falar agora é de Pernambuco.

De acordo com mensagens que estão circulando na internet (áudio, textos e imagens), um borracheiro chamado Reginaldo Jacinto da Silva morreu em um acidente (um pneu de caminhão teria estourado na “cara dele”), mas o governo de Pernambuco havia mandado que fosse colocada a informação de que ele havia morrido por Covid-19 só para “inflar as estatísticas” e derrubar o governo Bolsonaro.

Um das versões da história é um áudio que seria de um “amigo” de Reginaldo Jacinto da Silva. Outras versões (publicadas em diversos posts em redes sociais ) dão conta de que “primos” haviam dado a informação. Há até um vídeo que aponta que a “família” havia confirmado o atestado falso. Há, ainda blogs que falam no assunto. Em todos os casos, a certidão de óbito é colocada como “prova”. Leia algumas dessas versões:

Transcrição de áudio: Boa noite a paz do Senhor mais uma vez Elias esse amigo meu ele faleceu segunda-feira ele era borracheiro em um pneu de caminhão de touro com ele ele fazendo um serviço no caminhão estourou segunda-feira agora dia 23 estourou na cara dele e ele foi socorrido para o hospital pelo Samu levaram para o Maria Lucinda ele faleceu agora eu que eles intrigas veja aí o atestado de óbito Leia com atenção as inspiração triste para derrubar o governo governo bolsonaro Então seja a maioria das pessoas estão morrendo no Estado então colocando o laudo né que é coronavirus veja só e a gente sabe eu sei que eu tava lá eu passei lá e vi o acidente com pneu que estourou do cara

Publicação: Na tentativa de derrubar o governo Bolsonaro, alguns governadores dão ordem para que toda morte seja associada ao CORONAVIRUS. Infelizmente alguns governadores estão brincando com a vida humana, poucos estão preocupados com a população, na tentativa de derrubar o governo Bolsonaro a ordem é para que toda a morte seja associada ao CORONAVIRUS. O primeiro foi um borracheiro que morreu vítima de um acidente em seu local de trabalho, onde um pneu teria estourado no seu rosto, e ao ser levado para o hospital, o borracheiro Reginaldo Jacinto da Silva, natural de Recife/PE veio a óbito. Já na certidão de óbito, foi colocado que o mesmo morreu vítima de SÍNDROME RESPIRATÓRIA GRAVE, COVID – 19 PNEUMONIA COMUNITÁRIA NÃO ESPECIFICADA.

Borracheiro morreu em acidente com pneu, mas foi diagnosticado com Covid-19 para inflar estatísticas do coronavírus?

A denúncia, como vocês podem ver, se espalhou com muita força na internet. Mas será que a informação que aponta que o borracheiro Reginaldo Jacinto da Silva morreu em um acidente com um pneu, mas foi diagnosticado com coronavírus só para inflar dados é real? A resposta é não. Calma aí que a gente explica tudo para vocês.

Ao analisar o caso, descobrimos que uma grande mentira foi inventada em cima de uma confusão inicial. A certidão de óbito que circula na internet é real, mas nem a morte foi contabilizada como por Covid-19 pelas estatísticas do governo de Pernambuco tampouco ele morreu com um “estouro de pneu de caminhão”.

Tudo começou quando surgiu uma denúncia na internet de que o caso da morte de Reginaldo Jacinto da Silva era suspeita de coronavírus. Morador do bairro de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes (região metropolitana de Recife), ele faleceu no dia 23 de março de 2020. Esse site local indagou por que o caso não foi notificado como de coronavírus (na época, o estado não tinha nenhuma morte contabilizada) se o atestado de óbito apontava para isso.

O mesmo site apontava para um link de autenticação no TJPE do atestado (por sinal, o número que consta no site está errado. O certo é 0076562.SBH01202002.00895). Fizemos autenticação e vimos que, de fato, o atestado era real.

Foi só alguns dias depois que a “outra versão” (que envolve primos, morte por pneu de caminhão e uma grande farsa) surgiu na internet. Esse não é o único furo da tese de que o governo está “inflando as mortes por coronavírus”. Mesmo com o atestado real, a morte do homem de 57 anos não está contabilizada nos dados oficiais da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco. As cinco mortes contabilizadas pelo estado até o momento são de quatro homens com 69, 79, 82 e 85 anos e uma mulher com 69 anos.

Vamos ver o que temos até o momento: 1) Uma acusação de que um homem havia morrido de coronavírus e subnotificado. 2) Uma acusação de que um borracheiro havia morrido em um acidente com pneu de caminhão e notificado como coronavírus (algo que não procede) nas estatísticas oficiais.

Em meio a tudo isso, começamos a pesquisar pelas pessoas citadas no documento. Chegamos ao nome de um homem citado em algumas versões como “declarante” da morte. Com algumas buscas na internet, descobrimos o telefone dele e entramos em contato.

Ao retornar as nossas mensagens, o homem, que trabalha no serviço funerário local, disse que não poderia dizer sobre “áudios”, mas afirmou que de acordo com as informações que ele recebeu do Hospital Maria Lucinda, o homem havia morrido por uma infecção. Mais do que isso: ele afirmou que se tivesse sido uma morte “acidental”, o corpo iria para o IML (o que não ocorreu) e que a família não contestou o atestado de óbito. “Se a morte tivesse sido outra, a família poderia contestar na hora”, disse.

O homem ainda nos enviou uma nota de esclarecimento do Hospital Maria Lucinda (nota que também foi enviada para um dos sites que tratou do assunto e que foi confirmada como real pelo Boatos.org) que explica o que aconteceu. De acordo com a nota, o homem era um caso suspeito de coronavírus e assim foi descrito no atestado de óbito. Porém, um exame comprovou que ele morreu por Influenza A. Por isso não entrou nos registros do estado. Leia a nota:

Maria Lucinda SCIH-SERVIÇO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Recife, 25 de março de 2020 NOTA DE ESCLARECIMENTO Esclarecemos que o caso do paciente de 57 anos, procedente da UPA do Ibura, internado na clínica médica do Hospital Maria Lucinda em 21 de março deste ano e que veio a óbito na madrugada do dia 23 de março de 2020, NÃO SE TRATOU DE UM CASO DE INFECÇÃO POR CORONAVIRUS.

O paciente foi admitido com um quadro de infecção respiratória (pneumonia) e estava usando antibióticos apropriado para tal diagnóstico. Entretanto, evoluiu com piora do quadro clínico, apresentando queda de saturação (oxigenação) e necessidade de entubação e assistência ventilatória mecânica. Após estes procedimentos, manteve baixa saturação, evoluindo com bradicardia e parada cardiaca. Foi reanimado por 10 minutos e retornou os batimentos com sucesso, sendo instalado a ventilação mecânica. Entretanto, mesmo com elevada oferta de oxigênio, manteve a saturação baixa, vindo a apresentar nova parada cardíaca. Foi novamente reanimado por 01 (uma) hora, mas não respondeu as manobras.

Diante do cenário atual de pandemia pelo Coronavirus, O PACIENTE SE ENQUADROU COMO UM CASO SUSPEITO PARA INFECÇÃO POR CORONAVIRUS POR APRESENTAR UMA SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE (SRAG). DEVIDO A ISSO, FOI NOTIFICADO E COLETADO EXAME PARA CONFIRMAÇÃO DO DIAGNÓSTICO, PORÉM ESTE DIAGNÓSTICO NÃO SE COMPROVOU. O RESULTADO DO EXAME COLETADO FOI POSITIVO PARA INFLUENZA A.

Por fim, esclarecemos que o paciente recebeu assistência médico hospitalar requerida para o caso e que todos os profissionais usam equipamento de proteção adequado para a assistência ao paciente, não havendo risco de contágio por tal virus. Atenciosamente, Luciano Wagner Arraes Infectologista do SCIH CRM/PE: 14.163

Com isso, conseguimos fechar o nosso quebra-cabeça. O que aconteceu foi que o homem morreu por uma pneumonia decorrente de Influenza A (a gripe H1N1), mas o caso era suspeito de Covid-19 (por isso, foi colocado no atestado de óbito). Como a suspeita não se confirmou, a morte não foi incluída nas estatísticas de mortes por coronavírus em Pernambuco. No meio da confusão, alguém se aproveitou e inventou a história do “pneu do caminhão”.

Resumindo: a história que aponta que o borracheiro Reginaldo Jacinto da Silva morreu por causa de um acidente com um pneu de caminhão é falsa. Ele morreu de Influenza A e era um caso suspeito de Covid-19 que, ao contrário do que aponta a mensagem, não entrou para as estatísticas oficiais.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61) 99177-9164. 

Confira a lista de todas as fake news sobre o novo coronavírus

Clique nos links “bit.ly” para acessar nossos perfis:

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp http://bit.ly/2IoBB2R

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet