Moro vendeu o inquérito sobre Bolsonaro e PF para Doria #boato

Boato – Foi descoberto o escândalo que todo mundo suspeitava. O ex-ministro da Justiça Sérgio Moro vendeu os inquéritos sobre interferência de Bolsonaro na Polícia Federal para o governador de São Paulo João Doria.

Mais de uma semana após a saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça, as polêmicas entre ele e o presidente Jair Bolsonaro continuam pululando por aí. O último capítulo dessa história aponta para uma venda de inquérito por parte de Moro para o governador de São Paulo, João Doria.

De acordo com a mensagem que circula online, uma denúncia que está exposta em jornais como o “Wall Street Journal of Americas e o Gazzeta delo Sport” aponta que Moro vendeu o inquérito sobre a suposta interferência de Bolsonaro na Polícia Federal para João Doria pelo valor total de R$ 23 milhões. Leia a mensagem que está circulando online:

Confira o desmentido em vídeo:

LEIA ISSO! Talvez, isso explique a razão de Bolsonaro ter declarado a seguinte frase: “Se as pessoas soubessem o que aconteceu no Ministério da Justiça, ficariam enojadas”. Muitos brasileiros ficaram chocados e tristes pela saída de Moro do Ministério. Não deveriam. O que está exposto abaixo é a notícia em primeira mão que está sendo investigada por rádios e jornais de todo o Brasil e alguns estrangeiros, mais especificamente Wall Street Journal of Americas e o Gazzeta delo Sport e deve sair na mídia em breve, assim que as provas forem colhidas e confirmarem os fatos. Fato comprovado: O Moro VENDEU os inquéritos da PF para o Doria. Bolsonaro soube disso às 13:00 do dia 23 de Abril (dia antes da demissão de Moro), em uma reunião envolvendo o Sr. Chefe da Abin, Ramagem, o seu filho Carlos Bolsonaro, o Sr. Helio, supervisor da secretaria da Casa Civil, e o Sr. Ronald Rhovald, representante da CIA no Brasil. A princípio muito contrariados, Bolsonaro se recusou a trocar o Diretor da PF, Valeixo. A aceitação veio através do informacao de que Moro estava recebendo o pagamento total dos prêmios, US$70.000,00 para cada inquérito vendido, mais um bônus de US$400.000,00 para todos os seus assessores e integrantes da comissão, num total de US$ 23.000.000,00 vinte e três milhões de dólares) por meio das empresas de João Doria e João Amoedo. Mesmo assim, o Diretor da Abin descobriu o esquema por meio de um delator, que era assessor de Moro e não concordou com a prática, o que o obrigou a pedir exoneração do cargo, dizendo que não estava junto com Moro (em primeira notícia divulgada às 13:30 no centro de imprensa). Assim, combinou-se que o Moro pediria demissão antes que Bolsonaro o demitisse para que a culpa ficasse com Bolsonaro e Moro pudesse ter a vantagem de dizer que não havia feito nada de errado. Por gentileza passem esta mensagem para o maior número possível de pessoas, para que todos possam conhecer a sujeira que ronda o Sr Sérgio Moro!

Moro vendeu o inquérito sobre interferência de Bolsonaro na PF para Doria?

É claro que a mensagem em questão iria se espalhar com força na internet. Mas será mesmo que Moro vendeu o tal inquérito para Doria em uma trama que foi revelada por jornais internacionais? A resposta é não. Calma aí que a gente explica tudo para vocês.

Quando nos deparamos com a mensagem, já sabíamos do que se tratava. A mensagem é, na realidade, uma nova versão de um “meme clássico” em termos de fake news: a da denúncia da “grande tramoia”.

Inicialmente, esse “textão”, que fala em “escândalo que todo mundo suspeitava”, “reunião secreta”, “venda por valor vultoso” e “aquele pedido de compartilhamento”, circulou ligado a eventos esportivos. Os casos mais famosos são os da final da Copa de 1998 (que deu origem ao fake) e dos 7 a 1 em 2014. Temos até um vídeo sobre isso:

Após as eleições de 2014, a balela (assim como muita coisa no Brasil) saiu do âmbito esportivo e chegou até o âmbito político. Na época, a denúncia (também com a mesma estrutura de texto) falava que o “PT havia comprado as eleições”.

Em todos os casos, muito é dito, mas nada é provado. E assim como nos outros casos, a história de hoje não tem nenhum vínculo com a realidade. Tanto que, ao buscar detalhes sobre o assunto, só achamos o mesmo texto que está circulando na internet. Não tem um dado em fonte confiável que aponte para a tal “trama de venda de inquérito”.

Resumindo: a história que aponta que Moro vendeu o inquérito sobre a suposta interferência de Bolsonaro na Polícia Federal é falsa. Não passa de mais um boato que circula na internet sobre o assunto usando um texto já utilizado em outras balelas.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61) 99177-9164. 

Clique nos links “bit.ly” para acessar nossos perfis:

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp http://bit.ly/2AryYtw

Assista também: 7 fake news sobre sabotagens contra Bolsonaro

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet