Exército interceptou diálogo entre Moro e Valeixo, que foram grampeados #boato

Boato – Sérgio Moro e Marcelo Valeixo foram grampeados pelo Exército. A inteligência do Exército interceptou diálogo entre os dois que mostra trairagem contra Bolsonaro.

O que não tem faltado na internet são histórias mirabolantes envolvendo (e atacando) Sérgio Moro. A última dessas histórias foi divulgada a torto e a direito por youtubers que defendem o presidente Jair Bolsonaro e aponta que o Exército interceptou um diálogo entre o ex-ministro da Justiça e o ex-delegado da Polícia Federal, Marcelo Valeixo.

De acordo com relatos, que apontam como fonte um texto que cita o que a “Abin descobriu sobre Valeixo”, Moro e Valeixo foram interceptados pela inteligência do Exército e estavam tramando contra Bolsonaro. Leia as mensagens que circulam online e a descrição do suposto diálogo:

Versão 1: BOMBA!!! EX MINISTRO SÉRGIO MORO FOI GRAMPEADO PELA ABIN VEJA ENTENDA DE UMA FORMA BEM SIMPLES QUE TODOS POSSAM ENTENDER. VEJA E TIRE SUAS CONCLUSÕES. POIS EU JÁ TIREI DESDE DESTA MADRUGADA!… #ELETEMRAZAO Versão 2: BOMBA ATÔMICA 26/04 – O exército interceptou a trairagem de Sérgio Moro e Bolsonaro já sabia de tudo desde março! #FechadocomBolsonaro #Compartilhe

Versão 3: Se for verdade essa conversa. Se for verdade que a inteligência do exército interceptou essa conversa Se for verdade, a cobra vai fumar Obs: eu espero que seja verdade. Só para adiantar, segue um trechinho de uma conversa de Valeixo com Moro pelo Whatsapp que vai aparecer na mídia em breve.

Versão 4: Conversa delegado (Del) PF para Moro: Del – Moro, o Pr. Já sabe de tudo. Moro – Tudo o que ? Del – Tudo que planejamos Moro – Como ele sabe? Del – A inteligência do exército. Moro – Vou pedir demissão antes que ele me demita e estrague minha história. Del – inventa uma história

Exército interceptou diálogo entre Moro e Valeixo, que foram grampeados?

A mensagem circulou com muita força na internet e deixou algumas pessoas desconfiadas das ações entre Moro e Valeixo. Mas será mesmo que a informação procede? A resposta é não. Calma aí que a gente explica tudo para vocês.

De cara, a mensagem já nos deixou desconfiados. Isso porque ela tem algumas das principais características de boatos online como ser vaga, alarmista, com erros de português, pedido de compartilhamento e falta de citação de fontes confiáveis. Para piorar, a mensagem se baseia em uma notícia falsa já desmentida aqui: o texto que fala que a Abin “descobriu coisas sobre Valeixo”.

Ao buscar por mais detalhes da história, descobrimos que ela não só não procede e não está em fontes confiáveis como também não tem muita lógica. Primeiro, porque um “grampo” como esse (sem autorização judicial) seria um crime por parte do Exército (mais ou menos como o caso dos hackers que invadiram celulares de membros do MPF).

Segundo, porque a mensagem em questão tem como “fonte” mensagens soltas em redes sociais e vídeos no YouTube. Vamos raciocinar, se o Exército tivesse, de fato, interceptado diálogos entre Moro e Valeixo, será que a informação não sairia em outras fontes ou seria utilizada pelo próprio Bolsonaro como argumento para atacar o ex-ministro?

Com isso, podemos cravar que a história que aponta que o Exército interceptou conversas entre o ex-ministro Sérgio Moro e Marcelo Valeixo é falsa. Além algo do tipo configurar um crime, a denúncia tem como fonte uma mensagem que já foi desmentida no Boator.org e só está circulando entre fontes não tão confiáveis.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61) 99177-9164. 

Clique nos links “bit.ly” para acessar nossos perfis:

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp http://bit.ly/2Otkv5l

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)