Amazônia já foi vendida pelo Brasil para outros países (Alemanha, França, Rússia etc) #boato

Boato – Em governos anteriores, Brasil vendeu Amazônia para ONGs internacionais e, agora, parte da região pertence à outros países como Alemanha, França e Rússia.  

A comoção provocada pelas queimadas na Amazônia tem gerado grandes discussões sobre a preservação e o desmatamento da região. Em meio ao debate, alertas falsos e imagens fora de contexto “teimam” em circular na internet.

O último deles aponta para um vídeo que descreve o que seria a “real situação da Amazônia”. Segundo o vídeo, em governos anteriores, a região foi vendida para ONGs internacionais de proteção ambiental e, depois, foi repassada para governos estrangeiros. Entre eles estão Alemanha, França e Rússia. A prova da teoria estaria no Triplo A ou Corredor AAA, um corredor ecológico que seria administrado por outros países.

O alerta afirma ainda que os países estão preparando o exército para realizar uma intervenção na região e que, em breve, teremos uma guerra na Amazônia. Ao final do vídeo, o narrador explica que Manaus também não pertence ao Brasil e ironiza a “coragem” do presidente Jair Bolsonaro para entrar em guerra. Leia o que dizem a descrição e trechos da transcrição do vídeo:

Confira também: 7 fake news sobre a Amazônia

Versão 1: COMO PARTE DA AMAZÔNIA FOI VENDIDA PARA OUTROS PAÍSES COMO ALEMANHA, RÚSSIA, ETC… “NERO” VAI CRIAR UMA GUERRA NA AMAZONAS. POIS JÁ ESTÃO MANDANDO EXÉRCITO PARA LÁ.

Trechos da transcrição: Olá, meu nome é [não é possível entender]. Nesta gravação, vou falar da Amazônia. Você deve ter notado que Bolsonaro está escondendo alguma coisa. Ele fala de soberania e que a Amazônia é brasileira, tá? E que o Exército Brasileiro daria a sua vida para defender a soberania e a liberdade da Amazônia e que daria sua vida pela Amazônia. Mas tem um problema Bolsonaro. Você esqueceu do corredor tripla A, a Amazônia Internacional. Tem muita gente que fala de um projeto é como se não existisse esse corredor tripla A (corredor ecológico). Existe a Amazônia Internacional. Fique sabendo que grande parte do norte do Brasil é reserva internacional é território internacional. Não adianta você dizer que é brasileira ainda porque perto da Venezuela e da Colômbia formam tudo um corredor internacional. Os colombianos chamam de “la na conda” e é chamado também de corredor tripla A. […]

Na verdade, nessa zona já não é mais Brasil porque nessa parte da Amazônia foram vendidas para ONGs internacionais, principalmente, alemã, francesa e até russa. Então todas essas ONGs compraram esses pedacinhos da Amazônia e grande parte está dentro do território brasileiro. Então o objetivo foi discutido no Fórum do Clima de Paris em 2016 já a formação do corredor internacional, tá? Por enquanto, não tem fiscalização nessa zona de desmatamento. O corredor internacional é a Amazônia internacional, mas não existe a fiscalização. Existem várias reservas ambientais e indígenas e todas elas são protegidas pela comunidade internacional como reserva internacional. Então, na verdade, o Bolsonaro está puto porque ele não pode mexer com essas reservas indígenas desse território porque, na verdade, essa Amazônia internacional não pertence ao Brasil. Então se Bolsonaro se meter para fazer desmatamento e explorar essas reservas que são parte do corredor internacional, automaticamente vai gerar um confronto com outros países que são donos daquele pedaço. As ONGs internacionais de proteção ambiental compraram do antigo governo que venderam grande parte da Amazônia e essas ONGs depois repassaram para o governo estrangeiro. Então, parte da região norte está sob proteção ambiental dos países estrangeiros. […]

Amazônia já foi vendida pelo Brasil para outros países?

O vídeo (muito tosco, por sinal), claro, viralizou nas redes sociais e deixou muita gente preocupada com o futuro da Amazônia. Mas será mesmo que o vídeo faz algum sentido? A resposta é não. Entenda os porquês.

Para começo de conversa, o alerta segue o enredo clássico de boatos online: é vago, alarmista e não cita fontes confiáveis. Vale dizer que uma informação como essa necessita de provas (o que, até o momento, não existe). O sujeito até fala em acordo assinado, mas não há nenhum vestígio sobre o documento. Há de convir que se houvesse um acordo de venda da Amazônia, a informação estaria estampada nos principais veículos de comunicação do país e do mundo.

Há também algo de muito estranho em toda a história. O alerta cita o Triplo A ou Corredor AAA como algo já sacramentado, o que não é verdade e que, inclusive, já foi pauta no Boatos.org. A história apontava que o Triplo A estava na pauta do acordo de Paris e na COP 25. Em 2018, explicamos que, na verdade, a proposta foi levantada por uma ONG colombiana em meados de 2015 e que não foi apresentada ao Brasil e muito menos assinada. Na época, o assunto também foi lembrado pelo presidente Bolsonaro ao anunciar o veto da realização da COP 25 (Conferência do Clima da ONU) no Brasil, em novembro de 2019.

O próximo ponto está ligado às notícias dos últimos dias. Isso porque a decisão do governo de enviar o Exército para combater as queimadas, como mostra essa matéria do UOL e da Folha de S. Paulo, fazem a tese de que o Exército não poderia entrar na Amazônia cair por terra. Inclusive, os aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) já estão sendo utilizados no combate às chamas.

Sobre Manaus não ser do Brasil, a “notícia” beira o absurdo. A cidade é capital do estado do Amazonas, está sob a Constituição brasileira e é administrada por políticos eleitos por pleitos que seguem as regras do país, ou seja, não faz o menor sentido dizer que a região é do exterior.

Por fim, fomos buscar pela origem da imagem (em russo), que aparece no início do vídeo, e chegamos a um canal do YouTube bloqueado por disseminar conteúdo de ódio. Quer dizer, se a informação de que a Amazônia foi vendida não está em nenhuma fonte confiável, não há nenhum documento que prove a venda e a fonte é um canal banido do YouTube, há de se concluir que o alerta não passa de #boato.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164. 

Compartilhe este artigo:
error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)