Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Brasil > Mulher que pisou em criança é morta na cadeia em Macapá (AP) #boato

Mulher que pisou em criança é morta na cadeia em Macapá (AP) #boato

Mulher que pisou em criança foi morta na cadeia em Macapá, diz boato (Foto: Reprodução/Facebook)

Boato – A mulher que foi filmada pisando em uma criança é da cidade de Macapá (AP). Após ter sido presa, ela foi morta por colegas de cela na cadeia.

Agora há pouco, o Boatos.org desmentiu uma história que falava de uma mulher que havia sido filmada pisando em uma criança. Desmentimos, mais exatamente, a tese de que o caso teria ocorrido no Brasil e que compartilhar a filmagem teria alguma serventia. Vamos continuar no assunto, só que com outro viés.

A mais nova história relacionada ao caso aponta que a mulher seria, na realidade, de Macapá (AP) e que a mulher (que teria 29 anos) teria sido presa e, em seguida, morta por colegas de cela na prisão. Leia trechos do conteúdo (publicado em um site “daqueles”):

Este caso de tortura a uma criança aconteceu na cidade de Macapá, no Bairro de Congós. Segundo informações, a mulher de 29 anos, que foi filmada pisando e torturando a criança com idades entre 3 anos foi presa pela polícia. […]

No Presídio, uma detenta reconheceu a mulher após ver o vídeo e mostrou à outras detentas que mataram a mulher com vários golpes de faca na madrugada desta quarta-feira, no Centro Penitenciário Feminina Macapá II, por volta das 3h.

Mulher que pisou em criança foi morta na cadeia em Macapá (AP)?

Vídeo: é falso que Lojas Francesas (Americanas) tenha jogado livros de Felipe Neto no lixo

No meio de toda essa polêmica com as imagens, vimos algumas pessoas tendo a ousadia de compartilhar a história por aí e ainda comentar com um “já foi tarde”. Só há um detalhe nisso, a história é falsa. Vamos aos fatos.

Esse é o legítimo caso de uma fake news que tem como base outra fake news. Isso porque a mensagem (que, por sinal, tem características de notícias falsas como ser alarmista, com erros de português e sem citar fontes confiáveis) se baseia em uma tese já desmentida aqui: a de que o caso da mulher que pisou na criança teria ocorrido no Brasil. Veja o que escrevemos a respeito agora há pouco:

Seguimos justamente este roteiro e descobrimos dois detalhes que fortalecem a tese de que você não deve compartilhar a história. O primeiro é que, se você analisar o que menina fala no vídeo, vai perceber que ela fala em espanhol (em uma parte, ela fala “mi pechito”). A música também não é conhecida no Brasil. Isso enfraquece a tese de que se deve compartilhar para que as autoridades descubram quem foi.

O segundo é que, aparentemente, as autoridades descobriram o local onde foi gravado o vídeo. A filmagem foi, na realidade, feita no México. Mais exatamente na cidade de Nueva León. Nessa matéria do MSN, as autoridades não dão a identidade da agressora, mas apontam que continuam investigando o caso. Não temos notícias de que ela tenha sido presa.

Só por desencargo, resolvemos buscar por mais detalhes sobre a história (vai que teria sido no Brasil mesmo) e descobrimos duas coisas: 1) Não há nenhuma fonte confiável que balize a informação. 2) A história surgiu em um site que sempre publica fake news na internet. De lá saíram pérolas como a “fraude na Mega-Sena da Virada”, a “carta de Moro” e o “alerta de Bolsonaro para o roubo do Temer”. Tudo devidamente desmentido aqui.

Resumindo: a história que aponta que a mulher que foi flagrada pisando em uma criança foi morta é falsa. Trata-se de mais uma notícia falsa relacionada ao assunto que circula na internet (esperamos que seja a última).

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164.

Clique nos links “bit.ly” para acessar nossos perfis:

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp http://bit.ly/2s72BQx