Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Brasil > É falso que MST tenha queimado porcos vivos em fazenda no Mato Grosso

É falso que MST tenha queimado porcos vivos em fazenda no Mato Grosso

MST queimou porcos vivos após invadir fazenda no Mato Grosso, diz boato (Foto: Reprodução/Facebook)

Boato – O MST queimou porcos vivos após invadir uma fazenda no Mato Grosso em 2024. Vídeo mostra tudo.

Análise

Um vídeo chocante está circulando com força entre perfis de pessoas que não nutrem simpatia pelo presidente Lula. Nas imagens (que não serão exibidas aqui), porcos estão em uma vala e uma retroescavadeira os incendeiam. Os animais são queimados vivos.

Junto ao vídeo, é dito que o ato teria sido feito pelo Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST). A ação teria ocorrido durante uma invasão de terras em uma fazendo no Mato Grosso. Leia uma das mensagens que acompanham o vídeo (que tem a legenda “Ação do MST no Mato Grosso):

Vídeo: é falso que assalto foi realizado com camiseta no retrovisor de carro

Ação do MST no Mato Grosso MST???? É ISSO MESMO???? ESCÓRIA ESCORIA ESCÓRIA MST NO MATOGROSSO DO SUL Invadiram as terras, expulsaram trabalhadores, destruíram lavouras, casas, e cometeram matança contra animais.

O que você acha disso ?…isso é agricultor sem terra ou são grupos terroristaaaas em eles parecem mas com o hamaaass que adoram queimar seres vivos pra ver o sofrimento são doentes mentais. Cades os fazendeiro e os agricultores porque não se unem pra acabar com esses movimentos mas é cada um por si.

temos que nos unir igual eles faz se juntam e vai pra vida dos mas fracos os coitado dos morador e cadê os defensores dos animais será que eles não assistem essas imagens sem falar nas plantações que eles passam as máquinas arrancando tudo ..a fome vai Bat0er na porta de todos.vamos denunciar isso é crime se fossem a direita fazendo isso ou o bossonaro fosse o presidente aí o pal estava quebrando cadê as autoridades ou não tem mas ninguém pra agirem emmm ficar à minha indignação e o meu repúdio porcos queimado vivo

Checagem

Em meio à fúria e indignação, vamos realizar a checagem do conteúdo respondendo às seguintes perguntas: 1) É verdade que o vídeo mostra uma ação do MST no Mato Grosso? 2) De onde é o vídeo dos porcos sendo queimados vivos? 3) Há notícia de que o MST queimou porcos no Mato Grosso em algum momento da história?

É verdade que o vídeo mostra uma ação do MST no Mato Grosso?

Não é verdade. Para começar, não há qualquer informação recente que aponte para a carnificina por parte do MST no Mato Grosso. Além disso, não tem muita lógica um movimento querer “queimar porcos” por ter ocupado uma fazenda.

Ao buscar mais detalhes do vídeo, descobrimos que ele não é de 2024 e, muito menos, foi gravado no Brasil ou tem qualquer relação com o MST.

De onde é o vídeo dos porcos sendo queimados vivos?

O vídeo é de 2018. Na época, a China decidiu incinerar porcos que estavam no país após a denúncia de que havia casos do vírus da febre suína africana.

Apesar de ter sido tratado como o protocolo de abate que cause menos riscos de disseminação da doença, grupos de defesa dos animais protestaram contra a prática. Na época, foi argumento que há métodos que cause menos sofrimento aos animais. 

Na época da pandemia, chegou a se espalhar a desinformação de que os animais haviam sido queimados por conta do Sars-Cov-2. Isso foi desmentido por sites em inglês como o The Quint. 

Há notícia de que o MST queimou porcos no Mato Grosso em algum momento da história?

Não. Na realidade, fake news de “crueldade com animais” são comuns na internet. Já desmentimos fake news sobre “tatus mortos para churrasco“, sobre “bois cortados com motosserra” e mortes de “vacas prenhas”. 

Conclusão

Fake news ❌

É falso que MST tenha queimado porcos vivos no Mato Grosso. Vídeo que está circulando na internet é de outra situação, na China, e nada tem a ver com o Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra.

Ps: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo e-mail [email protected] e WhatsApp (link aqui: https://wa.me/556192755610).