General Pujol grava áudio pedindo para que povo vá às ruas a favor da intervenção militar #boato

Boato – Em áudio que circulou pelo WhatsApp, o comandante das Forças Armadas do Brasil, general Edson Leal Pujol, pediu para que o povo vá às ruas pedir intervenção militar.

Se você achava que as pessoas que são favoráveis a uma intervenção militar no Brasil iriam sossegar com a eleição de Bolsonaro, estava enganado. Mesmo com um político que tem prestígio com a classe militar no poder, o clamor de uma minoria barulhenta continua. E a prova disso está na história que vamos desmentir hoje.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org
Siga o Boatos.org no Twitter:

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Receba as nossas atualizações no grupo do WhatsApp (só postagens do administrador, não se preocupem): http://bit.ly/2r1oZdp

Confira o nosso Instagram:

Instagram

De acordo com mensagens e áudios que estão viralizando no WhatsApp, o comandante do Exército Brasileiro, general Edson Leal Pujol, entrou na lista pelo clamor em relação a uma intervenção militar. Ele teria falado, em áudios, que o povo precisa ir às ruas para que uma intervenção militar seja colocada em prática. Encontramos duas versões de falas atribuídas ao general Pujol. Escute e Leia a mensagem que circula online:

Mensagem: *Está Logo Abaixo Na Foto e Num Áudio o número 1 do Exército Brasileiro, o General Edson Leal Pujol, COMANDANTE GERAL, DAS FORÇAS ARMADAS*

Transcrição: Saindo de brasília agora de volta pra casa.  Vocês acompanharam as fotos minha na festa do Selva, onde tava a cúpula do Exército Brasileiro, mandei foto aqui de coronéis. Mandei foto do general Paulo Sérgio, que é o comandante do Núcleo do Norte e mandei comandante do comandante das Forças Armadas, que é o Pujol.

O Paulo Sérgio falou pra nós abertamente. Estiveram em reunião de segunda a sexta aqui em Brasília os quinze generais quatro estrelas que manda no país e o Paulo Sérgio falou bem claro pra nós, ele abriu dizendo: ou o povo vai pra rua ou o Exército não tem o que fazer. O Exército vai agir, tá preparado pra agir, mas tem que ter massa na rua. Tem que dar dois, três milhões de pessoas em São Paulo, as cidades do brasil tem que dar uma movimentação enorme, senão o exército não tem como ir pra rua, não tem como fazer nada

Eles vão fazer se for um pedido da população como foi em 64 quando 800 mil pessoas se reuniram em São Paulo em 64 e pediram intervenção militar. A intervenção militar tá pronta pra ser feita, mas se o povo não acordar, não será feita e nós vamos ter que viver de novo um país na mão das esquerda, dos bandido. Então, sinceramente, de coração, peço pra cada um de vocês que tem grupo fazer o máximo que vocês puder pra levar o pessoal pra rua porque se não der massa dessa vez, o exército não vai intervir, isso é claro, o general falou com todas as letras, coisa que ele não podia nem falar, ele falou ou dá massa na rua o exército não pode fazer, não pode ir pra rua.

A Constituição não permite que, eles não vão fazer isso então não vão levar culpa depois de uma intervenção militar a nível mundial. É um recado que eu deixo pra todos vocês do grupo, pessoas que o estimo pessoas que sempre está presente na minha vida de uma forma ou outra. Que vocês acordem pra vida porque realmente ou nós fazemos isso ou nós vamos voltar ter um brasil na mão dos corruptos vagabundo bandido isso é sério eu tô falando.

General Pujol gravou um áudio pedindo para que o povo vá às ruas a favor da intervenção militar?

Muita gente compartilhou a informação por aí e, ainda por cima, convocou “o povo” a participar de manifestações pró-intervenção marcadas para o dia 3 de novembro. Só há um detalhe: o general Pujol não é o autor do áudio que circula online.

O primeiro ponto que nos leva a crer que a história é falsa está no histórico de declarações falsas pró-intervenção militar que são atribuídas a membros do Exército. Já desmentimos falas que seriam do general Walter Braga Netto, general Villas Bôas, Augusto Heleno e tantos outros. No enredo, a mesma coisa de hoje: um discurso bélico e a favor da ação dos militares.

Para além disso, encontramos algumas contradições entre os dois áudios atribuídos ao comandante do Exército Brasileiro. Além de o timbre da voz ser diferente nos dois casos, em um deles a pessoa diz que encontrou o general Pujol. Vamos raciocinar: se a pessoa disse que encontrou o general Pujol, não pode ser o próprio.

Com essas desconfianças, resolvemos ir atrás de qualquer fala recente do general Pujol sobre o assunto. Como era de se esperar, nada encontramos.  O mais próximo disso que encontramos foi uma fala de 2017. Detalhe: apesar de falar em manifestações, ele não falou em intervenção militar. Ao contrário: ele falou que a intervenção não é a solução.

Para encerrar a questão, entramos em contato com a assessoria de comunicação do Exército. De pronto, a resposta foi a que imaginávamos: as declarações não são do comandante. Leia a nota enviada ao Boatos.org:

Em atenção à sua solicitação formulada por meio de mensagem eletrônica de 30 de outubro de 2019, o Centro de Comunicação Social do Exército informa que a declaração, citada em seu pedido, não foi realizada pelo Senhor General de Exército Edson Leal Pujol, Comandante do Exército Brasileiro. Atenciosamente, CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DO EXÉRCITO EXÉRCITO BRASILEIRO

Resumindo: a história que aponta que o general Edson Leal Pujol gravou áudios falando em intervenção militar e povo nas ruas é falsa. Não passa de mais uma fake news que circula na internet relacionado ao assunto.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164.

Clique nos links “bit.ly” para acessar nossos perfis:

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp http://bit.ly/367fYQ2

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)