Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Brasil > Não há qualquer prova de que agro esteja escondendo arroz para aumentar preços

Não há qualquer prova de que agro esteja escondendo arroz para aumentar preços

Agro está escondendo arroz para superfaturar preços, diz boato (Foto: Reprodução/Facebook)

Boato – O agro está escondendo arroz para superfaturar os preços, mas que Lula os deixou sem saída ao importar o produto.

Análise

Para além da questão do Rio Grande do Sul, o caso das enchentes no estado está gerando também impacto econômico. Um dos mais comentados é em relação ao preço do arroz.

Lá no início da crise, mensagens falsas apontavam que seria preciso “correr ao supermercados” para estocar arroz. Agora, há uma acusação contra o “agro” (nome designado para quem é produtor rural).

Vídeo: é falso que Sadia esteja dando prêmios para quem compartilhar no WhatsApp

Um vídeo de uma mulher acusa o agronegócio de “esconder safra” para “superfaturar o preço do arroz”. O argumento estaria em uma suposta relação “causa-consequência.

De acordo com a tese, o agro havia dito que “havia perdido a safra de arroz” e por isso o preço iria aumentar. Depois, Lula teria anunciado que iria importar arroz para vender a preços baixos. Por fim, o agro teria “revelado” que não precisa importar porque há safra. Com isso, há a “conclusão”. Leia algumas das mensagens que circulam online:

Versão 1: AGRO ESCONDE SAFRA pra SUPERFATURAR  ARROZ! Versão 2: O AGRO NÃO VALE NADA!! O AGRO É CRIMINOSO!! O AGRO É UM LIXO!!! Versão 3: AGRO ESCONDEU SAFRA para SUPERFATURAR arroz. Só não contava com a astúcia de Lula!

Checagem

Essa questão dos preços é muito sensível. Por isso, estamos aqui para realizar a checagem do conteúdo. Isso será feito respondendo a algumas perguntas. São elas: 1) É verdade que o agro escondeu arroz para superfaturar o seu preço? 2) O roteiro da teoria sobre o agro e o arroz escondido faz algum sentido? 3) O preço do arroz não vai subir graças as ações de Lula?

É verdade que o agro escondeu arroz para superfaturar o seu preço?

A acusação carece de provas. Ao analisar o conteúdo em questão, não encontramos qualquer elemento que aponte que o “agro” disse que iria faltar arroz no Brasil.

Na realidade, o que houve foi uma fake news que apontava que o arroz do Brasil iria “acabar por causa das enchentes do Rio Grande do Sul” e que seria preciso estocar o alimento. Não há qualquer indício de campanha do agro.

O roteiro da teoria sobre o agro e o arroz escondido faz algum sentido?

Não faz. Vamos recapitular cronologicamente: depois que as enchentes ocorreram, o assunto “arroz” veio à tona (até com a desinformação). A partir daí, federações de arroz passaram a ser consultadas. Já na época, foi dito que cerca de 10% da safra seria perdida e que haveria 18% da safra para ser colhida. Em nenhum momento, foi dito que toda a safra foi perdida.

Neste cenário, o governo anunciou a importação de arroz. E, sim, houve uma reação de federações de arrozeiros contra a importação. Ela, inclusive, foi seguida com a garantia de que não haveria “competição de produtos”. 

Não há, por exemplo, falas que apontam para subida de preços ou mesmo para perda total da safra por parte de agricultores.

O preço do arroz não vai subir graças as ações de Lula?

É difícil precisar. Talvez, se não houvesse o anúncio de importação de arroz, a população poderia seguir com a ideia errada de que deveríamos “estocar arroz”. Isso, sim, poderia fazer a procurar aumentar, a demanda diminuir e o preço subir.

Não podemos afirmar se o agro iria se utilizar das enchentes do Rio Grande do Sul para subir, sem nenhuma justificativa o preço do produto.

Conclusão

Boato sem comprovação 👎

Não há provas de que o agro disse que o preço do arroz não iria subir por causa das enchentes do Rio Grande do Sul, começou a esconder arroz e agora “voltou atrás”. Na nossa avaliação, a acusação entra como “boato sem comprovação”.

Ps: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo e-mail [email protected] e WhatsApp (link aqui: https://wa.me/556192755610).