7 boatos sobre Zika, dengue, microcefalia e aedes aegypti

By | 10/02/2016

O assunto Zika vírus tem gerado diversas dúvidas e boatos na internet. O Boatos.org separou sete deles e explica para você. #compartilhe a #verdade

Desde que os casos de microcefalia começaram a aparecer e foram ligados ao Zika vírus, todos passaram a olhar para o assunto com mais seriedade. Apesar de uma morte ser praticamente impossível em consequência da doença, criou-se uma atmosfera de pânico sobre o assunto. E aí os boatos começaram a surgir. Confira sete deles.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org

Aedes aegypti modificado é causa do Zika vírus, diz boato

Aedes aegypti modificado é causa do Zika vírus, diz boato

1) Microcefalia foi causada por vacina vencida de rubéola

Qual é a chance de um vídeo de uma pessoa falando com gírias e com fumaça de cigarro indo para a câmera influenciar muitas pessoas? Zero? Pelo jeito não. Após um vídeo com a descrição acima “denunciar” que a microcefalia foi causa por um lote de vacinas vencidas de rubéola, o boato ganhou a web.

Porém, a história é falsa. Além de todas as faltas de provas da acusação, a tese cai quando percebemos que a microcefalia se espalhou por diversas regiões e não apenas “onde o lote vencido foi usado” (Pernambuco). Clique e leia mais sobre a história.

2) Professor PhD denuncia vacina para gestantes como causa da microcefalia

Esta é uma versão “cult” do boato. Uma denúncia feita por um PhD em física aponta que um lote de vacinas causou a microcefalia em Recife. Porém, a tese cai pelo mesmo motivo da anterior: a história leva em conta que a microcefalia só aconteceu em uma região. Além disso, no que um professor (mesmo que com PhD) de física teria para falar de doenças? Clique aqui e leia mais sobre a história.

3) Zika vírus surgiu com mosquitos transgênicos para combater a dengue

Essa história concorda que o Zika causou a microcefalia, porém aponta para um caminho novo no surgimento da doença. O texto fala que a doença surgiu de mosquitos transgênicos que foram soltos na natureza para combater a dengue. Além do motivo geográfico citado no caso anterior, a tese não se sustenta por causa da natureza do vírus (RNA e não DNA) e pela quantidade de tetracilina na natureza. Clique e leia mais sobre a história.

4) Zika vírus está sendo usado para controle populacional

Mais uma versão da origem do vírus. Ela aponta que os Rockefeller (família considerada a mais poderosa do mundo) espalharam o Zika para controlar a população mundial. A história se baseia no fato da família ter a patente do vírus (usado para pesquisas). Porém, também não se sustenta. Para começar, a história usa premissas de mosquitos transgênicos e vacinas. Além disso, fala como se o Zika nunca tivesse atingido a população. Clique e leia mais sobre a história.

5) Zika pode causar danos em crianças já nascidas

Outra história que circula na web fala que o Zika pode causar problemas congênitos em crianças com até sete anos de idade. Já não bastasse a atmosfera de pânico criada sobre o Zika, aparece esta tese. Porém, nenhum caso que atestasse isso foi comprovada. Vale lembrar que a fonte desta história foi um áudio do WhatsApp. Então já viu, né? Clique e entenda mais sobre a história.

6 – Bandidos usam colete agente de combate à dengue

Esta história já é velha, mas sempre volta quando tem campanha contra o aedes aegypti. Um texto aponta que bandidos roubaram o colete de agentes de combate à dengue. Porém, a história é uma lenda urbana. Vale lembrar que este boato atrapalha um tanto o serviço de agentes de combate ao mosquito. Clique e entenda mais sobre a história.

7 –  Inseto assassina espalha vírus mortal

Este também não tem relação direta com o aedes, mas se aproveitou do medo da população em relação ao mosquito. Tem circulado na internet a imagem de um inseto que seria mortal. Apenas tocar nele já mataria a pessoa. Porém, o animal da foto não passa de uma barata d’água e a imagem de pele furada é uma imagem de Photoshop. Clique e entenda mais sobre a história.

2 thoughts on “7 boatos sobre Zika, dengue, microcefalia e aedes aegypti

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *