Vacina contra a Covid-19 vai modificar o DNA das pessoas e nos transformar em seres geneticamente modificados #boato

Boato – Vacina de mRNA contra Covid-19 modifica o DNA humano permanentemente. Bill Gates está por trás disso em um plano maligno.

Eu juro que ainda tenho fé na humanidade e espero sempre o melhor dos outros. Mas essa pandemia, infelizmente, tem mostrado exatamente o contrário, especialmente no que diz respeito às fake news. Todo dia nos deparamos com uma história mais absurda que a outra. E mesmo dando o nosso melhor e tentando levar a melhor explicação aos nossos leitores, uma história ainda mais desprovida de sensatez aparece no dia seguinte. É o caso de hoje.

Nos últimos dias, uma publicação tem feito sucesso nas redes sociais. De acordo com ela, a vacina contra a Covid-19 de mRNA seria capaz de alterar o nosso DNA. Com isso, a vacina RNA nos transformaria em seres geneticamente modificados. Segundo a publicação, o bilionário Bill Gates estaría por trás do plano maligno. Todo a história tem como base um vídeo de mais de 20 minutos que poucos seres humanos teriam disposição (ou coragem) de assistir até o fim. No vídeo, a mulher (identificada como dra. Carrie Madej) afirma que as vacinas poderiam transformar linhas de células humanas em propriedade patenteável. E tem mais! Ainda segundo ela, a vacina de mRNA teria a capacidade de fazer o organismo humano desenvolver novas infecções por Covid-19. Confira:

Confira o desmentido em vídeo:

Versão 1: “Bill Gates por meio das fundações e investimentos para indústrias farmacêuticas está propondo a vacina RNA nas pessoas, que “altera o nosso DNA” de forma permanente!!! É como introduzir um chip (nanotecnologia) em todos os seres humanos que controlará todas as informações humanas!!! Seríssimo… eu mesmo não vou tomar vacinas RNA!!!”.

Versão 2: “O GENOCIDA Bill Gates AFIRMA : Nossa vacina vai lhe dar uma febre e reescrever seu RNA. Dr. Carrie Madej, especialista em medicina interna, alerta que a vacina covid-19 não é nada parecida com as vacinas tradicionais e será um cavalo de Tróia para transformar linhas de células humanas em propriedade patenteável. As novas vacinas de mRNA contêm tecnologia de alteração de DNA que instrui as células humanas a produzir propriedades de um organismo infeccioso estranho. Nesse caso, a vacina insere instruções genéticas dos coronavírus nas células humanas, forçando os ribossomos de cada célula a criar proteínas spike causadoras de infecção “.

Vacina contra a Covid-19 vai modificar o DNA das pessoas e nos transformar em seres geneticamente modificados?

A informação causou um verdadeiro rebuliço nas redes sociais e deixou muita gente preocupada. Mas será que essa história de que a vacina contra a Covid-19 pode modificar o DNA das pessoas e nos transformar em seres geneticamente modificados é real? A resposta é um grande e sonoro NÃO!

Vamos aos detalhes! Para começo de história, a publicação apresenta diversas características de boatos, como o caráter vago, alarmista, alguns erros de português e a falta de fontes confiáveis (um vídeo aleatório da internet não pode, de forma alguma, ser considerado uma fonte confiável. Nessa situação, estudos científicos são primordiais para embasar qualquer afirmação).

Além disso, não é novidade para ninguém o triste histórico de informações falsas que tentam relacionar o bilionário Bill Gates com teorias conspiratórias sobre vacinas. Aqui no Boatos.org, nossa equipe já desmentiu inúmeras dessas histórias.

Bem, se isso não fosse suficiente, as pessoas que estão produzindo conteúdos sobre a história de hoje, de longe, não entendem nada de biologia ou química. Toda essa teoria da conspiração surgiu após o anúncio de que a vacina mRNA-1273, desenvolvida nos Estados Unidos, ter apresentado bons resultados. Eu sei, pode parecer um pouco complexo, mas vamos tentar explicar de uma forma bastante didática para que você perceba que essa história de que modificar o DNA humano com uma vacina não passa de um grande absurdo.

O que é o RNA e como ele funciona?

O RNA é um ácido ribonucleico e é formado por unidades que se chamam nucleotídeos. Os nucleotídeos são compostos por um fosfato, um açúcar e uma base nitrogenada. Existem três tipos básicos de RNA: o RNA ribossômico (rRNA), o RNA mensageiro (mRNA) e o RNA transportador (tRNA). Todos eles participam do processo de síntese proteica do nosso organismo. Esse processo é essencial para a manutenção e crescimento celular dentro do nosso corpo. O RNA se forma a partir do DNA, por um processo chamado transcrição, onde uma das fitas do DNA serve como molde para a produção do mRNA.

Tá, mas e o mRNA? Qual a função dele e como ele age?

Como vimos anteriormente, existem três tipos básicos de RNA. O mRNA, conhecido como RNA mensageiro, é um deles. Após a transcrição, o mRNA deixa o núcleo da célula (onde se encontra o DNA) e se dirige ao ribossomo, levando a mensagem (do DNA) para a correta síntese proteica. Ao chegar no ribossomo, a informação contida no mRNA é traduzida pelo tRNA (RNA transportador) por um processo chamado tradução. A partir daí, o processo de síntese de proteínas começa.

E essa tal vacina de mRNA?

Pois bem, existem inúmeros tipos de vacinas possíveis. A vacina do tipo mRNA é uma delas. No dia 15 de julho de 2020, a farmacêutica Moderna, dos Estados Unidos, publicou um artigo com resultados positivos sobre a vacina mRNA-1273, no The New England Journal of Medicine, um dos mais importantes periódicos científicos do mundo. A vacina foi desenvolvida a partir do gene que codifica a proteína Spike (utilizada pelo novo coronavírus para se ligar e entrar nas células humanas) do SARS-CoV-2. Após a identificação do gene, o mRNA do vírus foi isolado e envelopado por nanopartículas de gordura.

E como essa vacina funciona no nosso organismo?

Essa questão é facilmente respondida pelo canal de divulgação científica da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). A doutora e professora de imunologia da UFVJM, Leida Calegário, explica que as nanopartículas de gordura que carregam o mRNA do vírus se fundem facilmente com as membranas das nossas células. O mRNA do vírus, então, entra na célula e se dirigem aos nosso ribossomos. A partir daí, o mRNA do vírus induz os ribossomos a produzirem proteínas do tipo spike (comuns em vírus, mas não fabricadas pelo organismo humano). Dessa forma, as proteínas Spike são reconhecidas pelo sistema imunológico como algo fora do normal. Esse processo induz o sistema imunológico a produzir uma resposta imunológica, não só por meio de anticorpos, mas também por meio do LTCD8+ (um tipo de linfócito citotóxico que é capaz de destruir células onde ele identifique a presença de proteínas estranhas, como a Spike, levando à eliminação do vírus), induzindo à memória imunológica (quando o organismo sabe identificar o invasor e eliminá-lo). Entretanto, vale ressaltar que esse tipo de tecnologia é nova e nunca foi usada antes.

A partir daí, fica fácil entender que não é possível que a vacina induza novas infecções por Covid-19, uma vez que a vacina possui apenas o mRNA de uma proteína específica do vírus e não seu RNA completo. O mesmo vale para a teoria de alteração de DNA e “seres geneticamente modificados”. O DNA humano continua intacto. A mRNA do vírus, contido na vacina, vai atuar somente na tradução da informação, ou seja, no ribossomo e não no núcleo das nossas células (onde fica o DNA). O mRNA do vírus vai produzir uma proteína estranha para que o sistema imunológico gere uma resposta imune, aprenda a combater o “agente estranho” e memorize esse processo de “defesa” para repetir em novos ataques. Uma mutação a nível de DNA precisaria de muito mais, como uma exposição à altas doses de determinados tipos de radiação, por exemplo.

Vale destacar que a médica usada como fonte da informação, dra. Carrie Madej, já se envolveu no compartilhamento de outras fake news na internet. Ou seja, não é um caso isolado. Uma reportagem da BBC do Reino Unido ressaltou que a médica faz afirmações sem nenhuma evidência.

A história é tão absurda que não só foi desmentida no Brasil, como em diversos no mundo. Por exemplo, nos Estados Unidos. No Brasil, a informação foi desmentida aqui e aqui.

Em resumo: a história que diz que a vacina contra a Covid-19 vai modificar o DNA das pessoas e nos transformar em seres geneticamente modificados é falsa! A história não faz o menor sentido. Toda essa teoria maluca surgiu após o anúncio de uma vacina com tecnologia mRNA, que não é capaz de alterar o nosso DNA, mas pode ensinar o nosso organismo a combater o SARS-CoV-2 (novo coronavírus) por meio de uma proteína específica do vírus. É fato que quem escreveu os textos não sabem o básico de biologia ou química. É impossível que o RNA mensageiro presente na vacina cause danos ao nosso DNA e promova qualquer tipo de alteração genética. Ou seja, a história de hoje se trata de mais do mesmo (isto é, balela). Não compartilhe!

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164. 

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp http://bit.ly/2Faip9f
 – Lista no Telegram https://bit.ly/2VSlZwK

Confira também: 6 fake news sobre vacinas que circularam durante a pandemia

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)