Uísque e mel ajudam a combater o novo coronavírus #boato

Boato – Um britânico fez uma descoberta incrível para combater o novo coronavirus. Em vez de tomar antibióticos, você deve consumir uísque e mel para se curar da doença. 

É fato. O mundo está maluco com o novo coronavírus. Desde que começaram a circular na internet informações sobre a doença, o que não tem faltado são fake news sobre o assunto. E cá estamos para falar de mais uma delas.

Por causa de uma declaração de um britânico que teve a doença, tem muita gente acreditando que a melhor forma de combater o coronavírus é bebendo uma mistura que lembra a “receita da vovó” (no caso, do vovô pinguço): uísque e mel.

Reportagens que surgiram em tablóides britânicos e se espalharam mundo afora (inclusive no Brasil) dão conta de que um homem deixou de tomar os “antibióticos recomendados” pelo médico chinês e se curou com a peculiar mistura. Leia uma das versões:

Atenção! Não acredite em cura milagrosa do novo coronavírus

Cuidado com a desinformação em relação coronavírus (confira 7 fake news no vídeo:

Uísque e mel: Esta foi a receita utilizada por um britânico para vencer o coronavírus Chama-se Connor Reed, tem 25 anos e é professor de inglês em Wuhan. Reed foi o primeiro britânico a contrair o coronavírus e diz ter vencido a doença… sem antibióticos. O docente decidiu ‘medicar-se’ com um uísque quente e mel, em vez dos antibióticos que os médicos o aconselhavam a tomar. […]

Connor, que vivia há três anos na China e em particular em Wuhan nos últimos seis meses, teve entretanto alta do Hospital Universitário de Wuhan. O professor afirma ainda, em declarações ao The Sun, que foi sugerido que tomasse o seu lugar no voo onde seguiram os repatriados de vários países, mas não quis assumindo: “Eu sou a prova de que o coronavírus pode ser vencido”.

Uísque e mel ajudam a combater o novo coronavírus?

É claro que muita gente leu a história e outras tantas já devem estar se preparando para a nova gripe. Mas será mesmo que foi o uísque e o mel que salvaram o homem? A resposta é não. Calma aí que a gente explica tudo para vocês.

Esse tipo de história (que, de quebra, foi comprada por muita gente) seria, no mundo da estatística, um exemplo de correlação espúria. Ou seja: há a criação de uma relação causa-consequência que não faz sentido.

Vale dizer que achamos alguns furos na história. O primeiro está no receituário descrito pelo britânico. É estranho que médicos tenham receitado antibióticos para o coronavírus. Antibióticos tratam bactérias e não vírus. O segundo furo está na tese de que o sujeito, em quarentena, tenha conseguido tomar uísque. Será que o hospital tinha serviço de quarto com bebidas alcoolicas?

Mesmo que o homem tenha se negado a tomar antibióticos e tenha saído enchendo a cara por aí, não dá para dizer que foi o uísque e mel curaram a doença. No caso específico do coronavírus, é importante citar que, em muitos casos, as pessoas se curam da doença sem ao menos apresentar sintomas. Com isso, temos uma tese: se o britânico em questão tomou uísque e mel e “sobreviveu ao coronavírus” é porque não foi atingido de forma mais grave pela doença.

Para jogar uma pá de cal na teoria do “novo remédio”, o Ministério da Saúde do Brasil desmentiu a tese de que uísque e mel curam o coronavírus. 

Uísque e mel contra coronavírus – É FAKE NEWS! Até o momento, não há nenhum medicamento específico, infusão, óleo essencial ou vacina que possa prevenir a infecção pelo coronavírus. As recomendações de prevenção feitas pelo Ministério da Saúde são:

Evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas Realizar lavagem frequente das mãos Utilizar lenço descartável para higiene nasal Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca Higienizar as mãos após tossir ou espirrar Não compartilhar objetos de uso pessoal Manter os ambientes bem ventilados Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.

Resumindo: mesmo que o relato do britânico em questão seja real (daremos o beneficio da dúvida para ele), não podemos falar que o uísque com mel seja a cura do novo coronavírus. Cura que, por enquanto, não existe.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61) 99177-9164. 

Clique nos links “bit.ly” para acessar nossos perfis:

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp http://bit.ly/2UyyDRF

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)