Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Saúde > Não há provas de que vacinas e medicamentos estejam em falta no Rio Grande do Sul

Não há provas de que vacinas e medicamentos estejam em falta no Rio Grande do Sul

Faltam vacinas e remédios no Rio Grande do Sul após enchentes, diz boato (Foto: Reprodução/X)

Boato – Rio Grande do Sul registra falta de vacinas e medicamentos após enchentes

Análise

Os números da destruição causada pelas enchentes no Rio Grande do Sul segue crescendo. Para piorar, agora há a preocupação com vacinas e medicamentos.

De acordo com uma história que está sendo compartilhada nas redes sociais, vacinas e medicamentos estão em falta no Rio Grande do Sul após as enchentes. Segundo as publicações, vacinas antitetânicas, antirrábicas e contra leptospirose estão em falta no estado. Ainda segundo as publicações, diversos medicamentos também já não estão mais disponíveis. Confira:

Vídeo: é falso que Lula parou doações em Lajeado e Encantado destruiu donativos

Versão 1: “Hoje uma amiga me ligou e disse que estão faltando vacinas antitetânica e leptospirose, muitos voluntários estão doentes, já não sabem mais o que fazer. Que Deus tenha misericórdia do povo gaúchos!”. Versão 2: “URGENTE “vacinas antirrábica e antitetânica. Já estou olhando com o governo do @RomeuZema. Mas postando aqui pra outros governos verem e ajudarem. Quem ajudar primeiro, melhor!”. Versão 3: “URGENTE!!!! ESTÃO PRECISANDO DE MEDICAMENTOS E VACINA ANTITETÂNICA !!!”.

Checagem

A partir daí, investigamos um pouco mais sobre o assunto e vamos te contar, passo a passo, se essa história é real ou não. Os passo são os seguintes: 1) Estão faltando vacinas e medicamentos no Rio Grande do Sul? 2) Há risco que haja algum desabastecimento de vacinas ou medicamentos no Rio Grande do Sul? 3) Quem deve se vacinar no estado?

Estão faltando vacinas e medicamentos no Rio Grande do Sul?

Faz alguns dias que essa história está sendo usada de forma política. Porém, não existem evidências de que isso realmente esteja acontecendo. O próprio Ministério da Saúde, por meio da ministra Nísia Trindade, explicou que o Rio Grande do Sul não tem falta de vacinas ou medicamentos. A ministra ainda destacou que essa história visa apenas espalhar o medo e o pânico. Leia o que ela escreveu:

Não há desabastecimento de vacina ao estado do Rio Grande do Sul. Fakenews seguem tentando promover caos, como se não bastasse a tragédia que a população gaúcha está vivendo. Repusemos as doses, desde 5/5, contra uma série de doenças, como hepatites A e B, tétano e raiva. Enviamos ao estado um reforço de 200 mil doses contra tétano, difteria, hepatites A e B, coqueluche, meningite, rotavírus, sarampo, caxumba, rubéola, raiva e picadas de animais. Já estavam previstas novas 926 mil vacinas, e enviaremos mais 105 mil doses emergenciais, que chegam na segunda-feira (13/05). 

Além dos estoques das vacinas perdidas nas enchentes, estamos repondo a rede de refrigeração. 200 caixas térmicas de alta qualidade e 4.800 bobinas de resfriamento estão sendo enviadas para o armazenamento correto dos imunizantes.  Todas as nossas forças tinham que estar focadas apenas no socorro às pessoas. As fakenews, infelizmente, são parte da destruição contra a qual temos que trabalhar. Peço a todas e todos para estarmos muito atentos neste momento e não compartilharmos falsas informações.

Há risco que haja algum desabastecimento de vacinas ou medicamentos no Rio Grande do Sul?

O site de checagem Estadão Verifica fez uma análise sobre o assunto. A página de fact-checking entrou em contato com a Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul. Por meio de uma nota, a Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul informou que podem haver casos de faltas pontuais, devido à situação de calamidade pública e a inundação de centros de saúde. Ou seja: de acordo com autoridades em saúde, não há risco de desabastecimento.

Quem deve se vacinar no estado?

A Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm) divulgou, no dia 14 de maio de 2024, as orientações para a vacinação das pessoas afetadas pelas enchentes no Rio Grande do Sul. Segundo a SBIm, a população atingida pelas enchentes devem se vacinar com os imunizantes contra a Covid-19, a influenza, com a tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), hepatite (A e B), tétano e raiva (em caso de acidentes envolvendo animais).

Já as equipes de resgate e voluntários devem se vacinar contra a Covid-19, influenza, hepatite (A e B), tétano, febre tifoide e raiva. A Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul também emitiu um comunicado, informando que toda a população que está em abrigos deve se vacinar contra a gripe. A vacinação deve ser finalizada até o dia 20 de maio.

Conclusão

Boato sem comprovação 👎

Não há provas de que vacinas e medicamentos estejam em falta no Rio Grande do Sul após as enchentes. A história está sendo usada com fins políticos, mas não existem evidências de que isso realmente esteja acontecendo. As autoridades de saúde apontam que pode haver falta pontual de vacinas, mas não desabastecimento. Por fim, não há qualquer notícia sobre o assunto em veículos de comunicação confiáveis.

Ps: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo e-mail [email protected] e WhatsApp (link aqui: https://wa.me/556192755610).