Epidemia de vaca louca no Brasil; não coma carne vermelha #boato

Boato – Não coma carne vermelha. Está acontecendo uma epidemia de vaca louca no Brasil. O governo tenta esconder, mas há sete casos no Rio.

Pode ter certeza que não faltam motivos para você parar de comer carne vermelha. Os argumentos você pode encontrar facilmente: algumas pessoas “jogam na cara da sociedade” os maus tratos que os animais sofrem. Outra explicam que o consumo indiscriminado de carne pode acarretar problemas de saúde. Há ainda quem se indigne com o preço da carne bovina.

Epidemia de vaca louca no Brasil; não coma carne vermelha, diz boato
Epidemia de vaca louca no Brasil; não coma carne vermelha, diz boato

Pois bem, um novo grupo se junta a esses três (pelo menos temporariamente). Áudios que circulam pelo WhatsApp apontam que um pesadelo voltou e está acatando no Brasil: o mal da vaca louca. De acordo com os alertas, o governo está escondendo que sete casos aconteceram em Niteroi. Para evitar a “epidemia”, as pessoas estão aconselhando todos a não comer carne vermelha. Leia a transcrição dos áudios:

Confira o desmentido em vídeo

1: Gente, bom dia. Deixa eu comentar uma coisa aqui que é importante. Só para compartilhar informação. Estou em contato com um amigo aqui que é residente e a esposa dele é médica. E ele tá comentando comigo que ele tá cortando a carne vermelha porque, segundo ele, está aparecendo diversos casos em Niteroi são sete casos. E alguns são do surto da vaca louca, aquele vírus. Coincidentemente, a prima da mulher dele, ele mora na Zona Sul, Niteroi, contraiu a doença em novembro. Em janeiro foi internada e agora acabou de descobrir que tem três meses de vida. Só nesse mesmo hospital tem sete pessoas internadas pelo mesmo motivo. Não tem cura, a probabilidade de morte é altíssima. E ele disse que no Rio de Janeiro há outros casos e que e governo tá pedindo para não falar nada porque pode afetar a exportação de carne do Brasil. Então, é só para avisar: não custa nada cortar a carne por um tempo. Já falei para minha mãe comer só peixe, frango e porco. Então, é só por um tempo.

2: Sônia. Eu vi no Google que em Niteroi tem alguns casos. Não tá confirmado que é vaca louca, mas é sim. Pela internet, G1, a Globo anunciou. Foi sim Soninha, eu já não sou muito chegada a carne vermelha. Agora que vou cortar mesmo por um tempo. Vou dar uma cortada mesmo. Mas é verídico sim. Eu já estava alerta para esta enfermidade que está surgindo agora.

3: Gente. Boa noite. Acredita neste áudio que eu mandei porque é verídico. Eu mandei para vocês espalhar aí porque o governo tá proibindo de ser divulgado para não pararem de consumir a carne. Mas eu não como mais carne vermelha não. Tem gente que já tá ruim mesmo. Tem três a seis meses de vida a pessoa. A pessoa tá ruim e eu conheço. E eles estão abafando o caso. Tem umas sete pessoas internadas pela mesma doença. Vocês acreditam no que eu disse. Cuidado com a carne. Não compra carne gente, por favor.

Epidemia de vaca louca está acontecendo no Brasil?

É claro que os tais áudios se espalharam pelo aplicativo e deixaram um monte de pessoas preocupadas. Mas será mesmo que está acontecendo uma epidemia de vaca louca no Brasil? A resposta é não. Vamos aos fatos.

A confusão começou quando, em janeiro deste ano, algumas pessoas foram internadas no Rio de Janeiro (em Niteroi) com a suspeita (atente-se para esta palavra) da doença de Creutzfeld-Jakob (DCJ) (atente-se para esta outra). Foram quatro (e não sete) pessoas no período de um ano.

Após a história viralizar na internet, uma matéria do Jornal Extra chamou a DCJ de “popularmente conhecida como Vaca Louca”. Depois disso, a matéria começou a ser replicada por outros veículos de mídia como “casos de vaca louca” (sem o “popularmente conhecido”). E aí que surgiram os áudios falando de “casos confirmados de vaca louca”.

Ponto 1: DCJ não é vaca louca

O grande problema (ou um deles) é que a DCJ não é necessariamente, “vaca louca”. A DCJ é, de fato, uma doença gravíssima e fatal. De acordo com o Ministério da Saúde, foram confirmados 170 casos da doença entre 2005 e 2013 no Brasil. A vaca louca é conhecida como uma das variantes da doença de Creutzfeld-Jakob (vDCJ).

A “doença da vaca louca” só é diagnosticada quando a pessoa adquire a DCJ após consumir carne bovina contaminada com Encefalite Espongiforme Bovina. Essa é apenas uma das quatro formas de se adquirir DCJ. Detalhe: nunca ocorreram casos de vDCJ no Brasil.

Ponto 2: casos suspeitos não são casos confirmados

Precisamos explicar mais uma coisa. À época da divulgação da informação, a própria Prefeitura de Niterói explicou que os casos suspeitos de DCJ não não tinham relação alguma com o consumo de carne. Ou seja, ainda há chance de ser DCJ, mas não vDCJ (a vaca louca).

Ponto 3: por que o governo esconderia?

Não faz muito sentido um governo esconder uma enfermidade para ganhar dinheiro com exportação. Primeiro, porque quem ganha são as pessoas que vendem a carne. Segundo, porque no caso de uma epidemia quem teria o prejuízo seria o próprio governo. Não só moral (por deixar a doença se alastrar) como também financeiro (com internações no SUS).

Ponto 4: epidemia não é tão fácil assim de acontecer

Outro ponto: no meio do telefone sem fio começaram a falar em epidemia ou surto. Mesmo que os casos de Niterói fossem de “vaca louca” (o que tudo aponta não ser), não caracterizaria um surto ou uma epidemia. Leia uma explicação desta matéria do UOL de 2015 (sim, esse que voz falar fez a matéria):

Surto: acontece quando há o aumento repentino do número de casos de uma doença em uma região específica. Para ser considerado surto, o aumento de casos deve ser maior do que o esperado pelas autoridades.

 Epidemia: a epidemia se caracteriza quando um surto acontece em diversas regiões. Uma epidemia a nível municipal acontece quando diversos bairros apresentam uma doença, a epidemia a nível estadual acontece quando diversas cidades têm casos e a epidemia nacional acontece quando há casos em diversas regiões do país.

Ponto 5: não confiem em áudios do WhatsApp

Por fim, explicamos já um montão de vezes que áudios no WhatsApp não são a fonte mais confiável de informações. Se, de fato, casos de vaca louca tivessem sido confirmados no Brasil, os áudios não seriam a principal fonte da informação. A cobertura da mídia seria bem intensa.

Como a explicação foi rebuscada, vamos recapitular:

  • Há casos suspeitos da doença de Creutzfeld-Jakob (DCJ) em Niterói.
  • DCJ não significa doença da vaca louca.
  • A doença de Creutzfeld-Jakob é rara. Mesmo assim, há alguns casos no Brasil.
  • Nunca houve casos de vaca louca (vDCJ) no Brasil.
  • Nem se os casos de Niterói fossem reais, poderíamos falar em surto ou epidemia.
  • Não faz sentido o governo abafar o caso
  • Não acredite tão facilmente em áudios do WhatsApp.

Resumindo: a história que aponta que há casos de vaca louca no Brasil e é aconselhável não comer carne vermelha é fruto de um tremendo telefone sem fio que teve uma pequena colaboração da mídia e uma grande colaboração do WhatsApp. Como dito no início do texto, motivos para você “cortar” a carne vermelha você tem de sobra. Não precisa basear a sua decisão em um boato.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de Helena Rocha Graell, Daniel Bertolino, Marcia Pereira e diversos leitores pelo WhatsApp. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook ou WhatsApp no telefone (61) 99331-6821.

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)