Boato: médica cubana faz diagnóstico de virose bacteriana no Amapá

Médica cubana teria dado diagnóstico de virose bacteriana, diz boato
Médica cubana teria dado diagnóstico de virose bacteriana, diz boato

Boato – A médica cubana Annelie Reguera Cuellar teria diagnosticado um paciente com “virose bacteriana”. Imagem de atestado médico se espalhou por redes sociais.

Mais uma vez, um atendimento considerado polêmico por parte de médicos cubanos acaba indo parar na internet. Desta vez, a acusação é de que uma médica cubana que atende na cidade amapaense de Calçoene teria diagnosticado um paciente com “virose bacteriana’.

A informação acabou sendo divulgada no site Perito.med.br, que constantemente publica informações contra médicos cubanos. De acordo com a imagem da mensagem, o atendimento da médica Annelie Reguera Cuellar teria acontecido no dia 22 de abril e a pessoa teria sido pegado quatro dias de atestado por causa da doença. Veja a imagem e leia a mensagem:

CUBANADAS IMBECIS – A VIROSE “BACTERIANA”

Não preciso falar nada, apenas vejam o “atestado” da “médica”. São esses os melhores médicos do mundo, Padilha? São esses os mais preparados, Dilma?

A pedidos: Colegas pedem para explicar o erro aos leigos. É simples, apesar da maioria dos leigos já terem descoberto: Vírus e Bactérias não são a mesma coisa. São formas de vida completamente distintas, apesar de ambas terem poder infeccioso sobre outros organismos mais complexos, como o nosso. O termo “virose”, já batido, é uma forma simplista de se referir a um estado de doença causado por vírus, com sinais e sintomas clássicos que podem ou não também estar presentes em doenças bacterianas. Devido à enorme dificuldade em, na prática, se distinguir na fase aguda da doença o tipo de vírus causador, o termo “virose” ganhou fama e foi banalizado ao longo dos anos. Já as doenças bacterianas costumam ter alguns sinais próprios e são mais fáceis de se identificar laboratorialmente. Portanto, escrever “virose bacteriana” é uma contradição em termos. Só usaria tal termo quem nunca frequentou de fato uma Escola Médica. Essa é a denúncia – a pessoa que escreveu isso não é médica nem aqui nem na China.  

Em termos de explicação, o site está correto. Realmente, é impossível uma pessoa ter uma virose bacteriana. Mas será realmente que a médica cubana escreveu isso no receituário médico?

Tentamos procurar na internet algo sobre o assunto e sobre a médica. De fato, a médica citada no atestado médico trabalha em Calçoene e faz parte do Programa Mais Médicos. Ligamos na Prefeitura da cidade e conversamos com a Secretaria de Saúde. De acordo com informações que nos foram repassadas, o atestado realmente existiu. Mas ainda está sendo averiguado se o documento não foi fraudado.

É aí que está o furo da bala. Em uma análise da parte em que a palavra “virose bacteriana” foi escrita, nota-se, primeiramente, que a cor da caneta não é a mesma do receituário médico. Além disso, é possível perceber diferenças na grafia das letras “T”, “A”, “I” e, principalmente, a letra “S”. Fica claro que não foi a mesma pessoa que escreveu os trechos das palavras “Quatro Dias” e “Virose Bacteriana”. E a própria Secretaria de Saúde aponta que o caso é estranho.

Além disso, não é incomum aparecer casos falsos de erros médicos no Perito.med.br. Aqui no Boatos.org já desmentimos a história da médica cubana que foi obrigada a abortar pelo governo do Brasil. Sendo assim, até que se prove que realmente foi a médica cubana que escreveu “Virose Bacteriana” no documento, tudo não passa de um boato. Ainda mais em se tratando da fonte da notícia.

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)