Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Saúde > Áudio que fala sobre Ômicron no litoral não é de bióloga e tem informações falsas sobre manchas na pele

Áudio que fala sobre Ômicron no litoral não é de bióloga e tem informações falsas sobre manchas na pele

Bióloga Mônica Travassos gravou áudio sobre Ômicron no Brasil que causa manchas na pele, diz boato (Foto: Reprodução/WhatsApp)

Boato – É real um áudio de bióloga Mônica Travassos sobre variante Ômicron no litoral do Brasil que é acompanhado de foto de pessoa com manchas nas costas.

  Análise

Está circulando, principalmente no WhatsApp, um vídeo de assustar. Ao fundo, está uma imagem estática de uma pessoa com mancha nas costas e uma narração de uma mulher que se identifica como Mônica Travassos (bióloga).

No áudio, a mulher teria alertado para a Ômicron, uma variante da Covid-19 que estaria entrando no Brasil pelo litoral. Ela aponta que seria uma variante mortal e dá recomendações para a pessoa não se infectar. Leia a transcrição do vídeo que está circulando online:

Confira o desmentido em vídeo:

Meu nome é Mônica Travassos, eu sou doutora em Biologia, formada, pós-graduada e doutorada em Biologia. Eu venho através desse áudio, que será rápido, dar uma notícia triste a vocês. Todos os estados brasileiros que fazem o litoral do país: São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Espírito Santo, todos os estados do Nordeste, Norte, né? Já estão confirmados casos da nova Ômicron que é a nova variante da Covid-19. É uma variante mortal e mata tanto quanto Covid-19 e ainda não temos vacina para ela. Parece até brincadeira, mas o nosso país já está cercado com casos de Ômicron e a tendência é que esse novo variante desça para o Centro-Oeste do país.

Vídeo: é falso que Lojas Francesas (Americanas) tenha jogado livros de Felipe Neto no lixo

Então, pessoal, fica a dica: quando você for ao banheiro, não abra as portas de banheiros de locais públicos com as mãos. Empurre as portas com os pés. Não abra torneiras com as mãos, use os cotovelos para fechar as torneiras ou abrir. Ao dar descarga, use o joelho, o pé ou o cotovelo. Se a descarga for antiga, daquelas de cordinha, você pega um pedaço de papel higiênico, né? Pegue na cordinha, dê descarga e saia do banheiro. Use máscara, se previna, use álcool 70% dentro do seu carro, em casa, tá bom? Se proteja, proteja sua família. Não fiquem aglomerados nas festas de final de ano que estão chegando. Pelo amor de Deus, gente. Evitem ficar próximos às pessoas que vocês amam, porque essa nova variante do Covid-19 é tão mortal quanto o Covid-19 e ainda não temos vacinas para ela, ou seja, o melhor remédio é a prevenção. Então, vamos nos manter distantes.

Acreditem, eu não estou aqui para fazer alarmes e nem colocar medo em ninguém. Tá bom? Divulguem esse áudio com todas as pessoas, em seus grupos de Facebook, Instagram, né? Até no Tik Tok, que é uma rede muito frequentada hoje em dia. Tá bom? Obrigada pela atenção. Bom dia”.

Checagem

Na parte da checagem do conteúdo, vamos responder às seguintes questões: 1) É fato que a variante Ômicron está chegando ao Brasil pelo litoral? 2) A mulher que está gravando o áudio é uma bióloga que se chama Mônica Travassos? 3) As manchas nas costas da pessoa que está no vídeo foram causadas pela variante Ômicron como aponta o áudio atribuído à Mônica Travassos?

É fato que a variante Ômicron está chegando ao Brasil pelo litoral?

Não é verdade. Qualquer pessoa que esteja minimamente por dentro do contexto da pandemia da Covid-19 sabe que a variante Ômicron é predominante no Brasil desde o final de 2021. Também sabe que ela não “chegou pelo litoral” (na realidade, as primeiras infecções se deram nas cidades com mais população e depois foram para cidades menores).

Mais infecciosa do que as anteriores, a Ômicron causou uma explosão de casos. Porém e ao contrário do que aponta a mulher do áudio, a Ômicron não é mais mortal do que as variantes anteriores (como a original, a Gama ou mesmo a Delta). Além disso, as dicas dadas por ela até podem ser válidas, mas não são as principais que deviam ser levadas para se evitar a Covid-19: 1) Se vacinar. 2) Evitar aglomerações e ambientes fechados. 3) Usar máscara em locais públicos.

A mulher que está gravando o áudio é uma bióloga que se chama Mônica Travassos?

Essa mesma história já havia circulado na internet antes da variante Ômicron chegar a ser predomitante no Brasil. Apontamos na época que não havia qualquer bióloga com este nome no cadastro nacional de biólogos. Relembre o que escrevemos: 

Em relação às informações questionáveis, temos a origem do áudio. Procuramos pelo nome de Mônica Travassos na base de dados do Cadastro Nacional de Biólogos, mas nada encontramos. O mesmo ocorreu quando buscamos o nome da mulher com a profissão e o título (bióloga e doutora). Encontramos uma professora de Biologia, na Paraíba, com o mesmo nome.

Mas ela não é “formada, pós-graduada e doutorada em Biologia”. Vale ressaltar que existe uma médica bastante famosa com o nome de Mônica Travassos, mas ela atua na área de mastologia e também não tem doutorado. Não há indícios de que a pessoa, tal como citada no áudio, existe.

As manchas nas costas da pessoa que está no vídeo foram causadas pela variante Ômicron como aponta o áudio atribuído à Mônica Travassos?

Também não. Essa é a “novidade” da versão de 2023 da história. A imagem, na realidade, foi retirada desta postagem de 2012 em um blog sobre dermatologia. Na realidade, as manchas teriam sido causadas, de acordo com a descrição, por um “eczema numular”. Na postagem, é alertado que se trata de uma hipótese clínica.

De qualquer forma, é possível cravar que a imagem nada tem a ver com a variante Ômicron da Covid-19. Ao contrário de outros vírus (como da dengue), manchas no corpo não é um dos sintomas.

Conclusão

Fake news ❌

É falso que uma bióloga chamada Mônica Travassos gravou um áudio falando sobre variante Ômicron. As informações contidas no áudio também são falsa.

Ps: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo e-mail [email protected] e WhatsApp (link aqui: https://wa.me/556192755610)