Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Saúde > Anvisa alerta que vacinas causam insuficiência cardíaca e morte súbita (miocardite) e ataque cardíaco (periocardite) #boato

Anvisa alerta que vacinas causam insuficiência cardíaca e morte súbita (miocardite) e ataque cardíaco (periocardite) #boato

Anvisa alerta que vacinas causam morte súbita (miocardite) e ataque cardíaco (pericardite) depois de vacinar 180 milhões, diz boato (Foto: Reprodução/Facebook)

Boato – Só agora, a Anvisa resolveu alertar que as vacinas contra a Covid-19 causam insuficiência cardíaca e morte súbita (miocardite) e ataque cardíaco (periocardite).

A volta da campanha de vacinação (desta vez com o imunizante bivalente) tem feito com que informações falsas sobre imunizantes voltem a circular online. A última das histórias aponta para um suposto alerta da Anvisa sobre algo trágico.

Junto a um link de uma página da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, está circulando uma mensagem muito alarmista apontando que a Anvisa declarou que as vacinas causam insuficiência cardíaca e morte súbita (miocardite) e ataque cardíaco (periocardite). Leia o texto que circula online:

Primeiro ANVISA aprova a vacina. Agora adverte sobre os riscos: Anvisa alerta sobre os *riscos de miocardite e periocardite após tomar vacinas* com imunizantes *Miocardite: enfraquecimento do coração que leva a insuficiência cardíaca e morte súbita. Periocardite: ataque cardíaco. Entenderam agora porque aumentaram os casos de infartos e mortes por mal súbito de pessoas saudáveis que aconteceram neste ano?”

Anvisa adverte que vacinas causam insuficiência cardíaca e morte súbita (miocardite) e ataque cardíaco (periocardite)?

Vídeo: É falso que vacina da gripe tenha "vírus do câncer"

Uma mensagem alarmista como esta, sem dúvidas, iria viralizar com todas as forças na internet. Porém, é falsa a informação que aponta que a Anvisa fez a tal advertência sobre as vacinas causarem “morte súbita” e “ataque cardíaco”. Na realidade, o que houve foi uma distorção em relação a uma nota de 2021 da Anvisa.

Na época, o Boatos.org fez um desmentido sobre o texto, que deturpa o conteúdo da nota, deixa a entender que não devemos nos vacinar, que pegar a Covid-19 seria melhor desinforma sobre o significado de miocardite e pericardite (aliás, não é “periocardite” que se escreve). Leia:

O histórico recente de notícias falsas sobre o processo de vacinação já nos deixa alerta (deveria você também com o filtro mais do que ligado). Estamos em um momento no qual o movimento antivacinas (como apontamos aqui) vai tentar, com todas as forças, atacar as vacinas. A ação, criminosa e que beira a insanidade, não leva em conta que são as vacinas que estão fazendo com que a situação da pandemia apresente melhora.

Além disso, a mensagem tem algumas características de boatos online como o caráter alarmista e os erros de português. Como, ao contrário da maioria das fake news, a mensagem cita uma fonte confiável (um link do site do governo federal), foi mais fácil fazer a checagem.

De cara, o primeiro ponto cai por terra. O alerta em questão é de julho de 2021. Logo, não foi dado recentemente e tampouco depois de 180 milhões de pessoas (que estão seguras) se vacinarem. Vale só apontar que, infelizmente, ainda não temos 180 milhões de pessoas vacinadas. Até o momento, cerca de 160 milhões tomaram a primeira dose e 140 milhões estão com a imunização completa.

Mais importante do que isso é esclarecer que a mensagem que viralizou deturpa toda a nota da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Primeiro, porque os conceitos das doenças estão completamente errados.

Ao contrário do que apontam as mensagens, a miocardite não significa “enfraquecimento do coração que leva a insuficiência cardíaca e morte súbita” e a pericardite (escrita na mensagem erroneamente como periocardite) não significa “ataque cardíaco”. Veja o que diz a nota:

Miocardite é a inflamação do músculo cardíaco e pericardite é a inflamação do revestimento externo do coração. Em ambos os casos, o sistema imunológico causa uma inflamação em resposta a uma infecção ou algum outro fator. Os sintomas podem incluir dor no peito, falta de ar ou palpitações.

A gravidade dos casos pode variar. A maioria das pessoas que apresentou o evento após vacinação com imunizante contra a Covid-19 de RNAm nos Estados Unidos e procurou atendimento médico respondeu bem ao tratamento aplicado.

O site do Dr. Drauzio Varella aponta que a pericardite é a inflação de uma membrana que protege o coração que se dá após uma infecção viral. O site também aponta que, na maioria das vezes, o quadro tem regressão natural. Ou seja: não significa “enfraquecimento do coração que leva a insuficiência cardíaca e morte súbita”.

O site do Instituto Fleury aponta que a miocardite, por sua vez, é a inflamação do miocárdio. Também tende a ocorrer após uma infecção e pode ter regressão natural. Ou seja: não significa “ataque cardíaco”.

Vale apontar que a Anvisa deixa bem claro na nota que o alerta não muda a recomendação de que todas as pessoas que estão aptas a se vacinar se vacinem. “A Anvisa ressalta que mantém a recomendação de continuidade da vacinação com a vacina da Pfizer, dentro das indicações descritas em bula, uma vez que, até o momento, os benefícios superam os riscos”, diz a nota.

Preste atenção que eventos adversos como esses são raros em quem se vacina. A nota foi emitida apenas no intuido de orientar médicos. Aliás, se você ainda está com medo de se vacinar por medo de ter uma “morte súbita” ou um “ataque cardíaco”, saiba que pesquisas apontam que a chance de a pessoa ter problemas vasculares é muito maior em quem adquire a Covid-19 do que em quem se vacina. Ou seja: como aponta a própria Anvisa, os benefícios da vacinação são muito maiores do que os riscos.

Resumindo: é falsa a informação que aponta que a Anvisa apontou que as vacinas causam ataque cardíacos e que não devemos nos vacinar. A mensagem em questão deturpa uma nota da Agência Nacional de Vigilância Sanitária de 2021.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61) 9275-5610

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp https://bit.ly/41sX0QS
 – Lista no Telegram https://bit.ly/2VSlZwK
 – Siga-nos no TikTok https://bit.ly/3yPELWj
 – Siga-nos no Kwai https://bit.ly/3cUbEso