Vídeo mostra cristãos sendo mortos pelo governo de Angola #boato

Boato – Vídeo mostra mulheres e crianças sendo mortas em Angola. São cristãos que estão sendo perseguidos pelo governo do país. 

Nos últimos anos, a presença de igrejas pentecostais tem crescido em países de língua portuguesa na África. Com o discurso do “evangelho da prosperidade”, esse braço do cristianismo tem conquistado muitos fiéis.

Nestes países, o pentecostalismo divide espaço com a fé islâmica e outras religiões tradicionais. Mas, segundo publicações, parece que esse convívio não anda tão pacífico assim. De acordo com vídeos que andam circulando nas redes sociais, na Angola, o próprio governo está perseguindo cristãos, que estão sendo mortos.

A filmagem, que não vamos exibir aqui, mostram soldados capturando mulheres e crianças e, em seguida, as executando. De acordo com a mensagem que acompanha a história, tratam-se de integrantes do governo do país que estão colocando em prática o decreto que determina o fechamento de “igrejas ilegais”. Além disso, ainda segundo a história, igrejas foram fechadas e queimadas no país. Confira mensagens que circulam online:

Versão 1: “Está acontecendo nesse momento em Angola. Perseguição aos Cristão. Igrejas sendo fechadas e queimadas. Cristaos sendo assassinados. Vamos orar Igreja do Senhor.”. Versão 2: Os irmão de Angola, estão partindo para eternidade. 

Vídeo mostra cristãos sendo mortos pelo governo de Angola?

A história, é claro, viralizou e deixou muitos cristãos preocupados. Mas será que o governo angolano está mesmo perseguindo os cristãos e matando fiéis e será que o vídeo é mesmo de Angola? A resposta é não e a explicação você confere a seguir.

Antes de começar o desmentido, vamos fazer uma ressalva. De fato, o governo de Angola aprovou uma iniciativa para “fechar igrejas ilegais” no país. A intenção do governo é “normalizar o exercício da liberdade da religião, crença e culto”.  A lei em Angola prevê que, para se abrir uma confissão religiosa, é necessário 100 mil assinaturas em pelo menos 12 províncias. A norma atinge igrejas cristãs e de religiões.

Dito isso, estamos aqui para dizer que, independentemente da questão de haver um processo regulatório e se ele é justo ou não para os cristãos, o vídeo não foi feito na Angola. Para começo de história, a mensagem segue o roteiro básico de boatos online: é vaga, alarmista, possui erros de português e não cita fontes confiáveis. Só por isso já merecia uma segunda checagem.

Checamos e descobrimos que o vídeo foi feito em Camarões e não em Angola. Segundo uma reportagem da BBC, as imagens foram gravadas em Zelevet, região fronteiriça do país com a Nigéria, no ano de 2015. A origem do vídeo foi descoberta pela equipe da Africa Eye, um braço do serviço africano da BBC.

A equipe que identificou o local por meio da análise de imagens aponta que a mulher foi morta por ter sido identificada como integrante do grupo terrorista Boko Haram. Depois da publicação da reportagem, o governo de Camarões disse que julgará os acusados pelo crime.

Em resumo: a história que diz que um vídeo mostra cristãos sendo assassinados pelo governo de Angola é falsa. As imagens foram registradas em Camarões e nada têm a ver com a iniciativa do governo de Angola para “fechar igrejas ilegais”. Ou seja, #boato.

Em tempo: vale ressaltar que, há algum tempo, o mesmo vídeo foi utilizado em uma história sobre conflitos étnicos na região de Ambazonia (descrita como Ambadazonia). A história até chegou a estar no nosso radar, mas acabamos não fazendo.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164.

Compartilhe este artigo:

Um comentário em “Vídeo mostra cristãos sendo mortos pelo governo de Angola #boato

  • 15/11/2018 em 21:01
    Permalink

    Graças a Deus vivo em um pais que o acesso a religião é livre,me dá muita tristeza saber que ainda existe paises com restrições a liberdade religiosa. Deus tem misericórdia desse povo.

Fechado para comentários.

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)