Padre comete racismo se nega a colocar hóstia na boca de mulher negra #boato

Boato – Vídeo mostra padre se negando a colocar a hóstia na boca de uma mulher negra durante comunhão em missa. Ele cometeu racismo!

É fato que o preconceito é um problema sério. Diariamente, nos deparamos com exemplos de desrespeito a grupos considerados como “minorias”. E, de acordo com um vídeo que circula na internet, mais uma cena do tipo foi flagrada durante uma missa. E o autor do ato de racismo foi um padre.

As imagens (de uma missa televisionada) mostram um padre dando uma hóstia na boca de uma mulher branca. Em seguida, ele entrega outra hóstia nas mãos de uma mulher negra. Em seguida, ele dá a hóstia nas mãos de outra mulher branca. Ao final, o vídeo mostra o padre lavando as mãos.

Bastou a filmagem começar a circular para que as pessoas demonstrassem toda a indignação com o padre. Junto com o vídeo, algumas mensagens circularam na internet. “É impossível ver esse Vídeo e não se incomodar!”, diz uma mensagem. “Uma nova série sobre o fã clube que detesta negros…”, aponta outra. Leia outra versão da história que circula online e assista ao vídeo:

Ter amor á Cristo, ser religioso, acha mesmo que isso inibe racismo? Estamos tão cognitivamente confusos que não percebemos que estamos vivendo lado a lado com os verdadeiros demônios nessa terra. Essa integração que contemplamos e o mesmo que entrar numa casa em chamas.

Padre foi racista e se negou a colocar hóstia na boca de mulher negra?

As tais imagens geraram muitas visualizações na internet (racismo rende cliques). Uma versão do vídeo teve mais de 7 milhões de visualizações. Outra teve 3 milhões. Mas será possível “crucificar” o padre só pelo vídeo? A resposta é não. Para você entender tudo, vamos aos fatos.

Para começar, a mensagem que acompanha o vídeo (que, por sinal, foi cirurgicamente cortado e tirado de um contexto que sequer sabemos qual é) não ajuda em nada para sabermos se houve racismo. A mensagem faz o “elementar” em casos de boatos online: dá pouca informação, tem muita opinião para por “lenha na fogueira” e não aponta de onde veio. Ou seja: é vaga, alarmista e não cita fontes confiáveis.

Tentamos buscar pela origem do vídeo com muitas dúvidas na cabeça. Não conseguimos descobrir a real origem do vídeo, mas descobrimos que ele não foi gravado no Brasil. Inclusive, a “tese” de racismo surgiu em espanhol e teve nada menos do que 11 milhões de visualizações. E foi na repercussão do vídeo que descobrimos a verdade.

Alguns comentários em espanhol apontam que há um rito na hora da comunhão. O padre pode colocar a hóstia diretamente na boca do fiel ou entregar nas mãos. Para tanto, há um sinal para quem não deseja a hóstia na boca (pode incomodar, né?): as mãos estendidas. A tese é confirmada neste site. Leia trecho do que é explicado:

Dependendo da igreja e da sua preferência, a hóstia é colocada na boca ou entregue nas mãos do fiel. No ritual tradicional, ela é colocada na boca dele. Abra a boca e estique a língua para que a hóstia não caia uma vez que seja colocada. Feche a boca e deixe a hóstia dissolver-se em sua língua enquanto você medita sobre o Sacrifício. Para que a hóstia seja entregue nas suas mãos, estenda-as, colocando a esquerda sobre a direita. Não tome a hóstia das mãos do padre; deixe que ele a ponha em sua mão. Quando entregar a hóstia, o padre dirá: “O Corpo de Cristo”. Ao que você deve responder: “Amém”.

Se olharmos o vídeo mais uma vez, podemos perceber que a senhora negra chega com as mãos estendidas. As outras senhoras entram com as mãos recolhidas. É fato que a senhora negra abre a boca, mas você pode perceber que o padre já ia com a hóstia em direção às mãos dela. E, como aponta o rito, mão esticada é hóstia nas mãos.

Tem mais uma questão que vai para além disso tudo: é difícil (e os textos que circulam online não explicam) entender por que um padre iria “atacar” alguém dando uma hóstia nas mãos em vez de ser na boca. Na Igreja Católica (e essa fala do papa Francisco comprova) não existe hierarquia de qual forma de receber a comunhão é a “melhor”. Se, de fato, ele quisesse ser racista, sequer deixaria negros entrarem na igreja.

Resumindo: com o que temos (e o que não temos) e sabendo dos ritos da Igreja Católica, podemos chegar à conclusão de que a história que aponta que um padre cometeu racismo e se negou a colocar a hóstia na boca de uma mulher negra é falsa. O que rolou foi uma confusão na hora da entrega da hóstia (aliás, quem nunca?) e não há nada que prove o contrário disso.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164.

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)