Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Religião > Cultos evangélicos em presídios não foram proibidos pela Resolução 34 do CNPCP

Cultos evangélicos em presídios não foram proibidos pela Resolução 34 do CNPCP

Governo Lula proibiu cultos evangélicos em presídios com Resolução 34 do CNPCP, diz boato (Foto: Reprodução/X)

Boato – Por meio da Resolução 34 do CNPCP, governo Lula vai proibir a celebração de cultos evangélicos em presídios

Análise

A liberdade religiosa é um direito garantido pela Constituição Federal do Brasil. O inciso VI, do artigo 5º, estipula que a liberdade de crença e de consciência é um direito inviolável a todos os cidadãos brasileiros.

Mas de acordo com uma história que está sendo compartilhada nas redes sociais, o governo Lula proibiu os cultos evangélicos em presídios. Segundo a publicação, isso teria acontecido por meio da Resolução 34 do CNPCP. Em algumas versões da história, internautas também estão afirmando que a Resolução 34 vai proibir o culto em igrejas. Confira:

Versão 1: “É claro que o demônio pinguço não vai querer cultos em presídios! O Barba não quer perder eleitores!!”. Versão 2: “Lula proibiu que os evangélicos façam cultos nos presídios porque isso poderia fazer proselitismo religioso [conversão]. Evangélicos dizem que Lula traiu a bancada da bíblia. Porém, ao andar com o PT, a bancada da bíblia trai os fiéis. Comunista não se dá com religioso”.

Vídeo: é falso que Lula parou doações em Lajeado e Encantado destruiu donativos

Checagem

Resolvemos investigar essa história um pouco mais a fundo e, agora, vamos explicar, passo a passo, os motivos para você não acreditar nela. As perguntas que serão respondidas são as seguintes: 1) Qual é a resolução citada na mensagem sobre cultos em presídios e o que ela diz? 2) O governo proibiu cultos evangélicos em presídios? 3) A decisão do governo serve para acabar com as igrejas e a religião no Brasil?

Qual é a resolução citada na mensagem sobre cultos em presídios e o que ela diz?

A resolução citada na história é a Resolução 34, do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (PNPCP). A resolução foi publicada no dia 24 de abril de 2024 e define as diretrizes e recomendações sobre à assistência sócio-espiritual e à liberdade religiosa das pessoas que se encontram privadas de liberdade. O objetivo da resolução é garantir a inviolabilidade da liberdade de consciência e de crença, assegurada pela Constituição Federal.

A resolução visa garantir o livre exercício de cultos religiosos, além da prestação de assistência religiosa nos espaços de privação de liberdade, como os presídios. O texto explica que todas as pessoas privadas de liberdade possuem “direito à mudança de religião, consciência ou filosofia a qualquer tempo”. Além disso, a resolução também busca garantir a igualdade de condições para diferentes cultos religiosos nesses espaços.

O governo proibiu cultos evangélicos em presídios?

Não. O próprio governo desmentiu a informação. De acordo com o presidente do CNPCP, Douglas de Melo, o órgão realizou duas audiências públicas, uma em São Paulo e outra em Brasília, para discutir sobre a nova resolução. Segundo Melo, nenhuma organização religiosa que participou das audiências públicas se opôs ao combate ao proselitismo religioso (quando pessoas tentam convencer determinados grupos a seguirem uma ideia ou religião).

O presidente do CNPCP também destacou que a Resolução 34 segue as premissas da Constituição Federal e de outras diretrizes internacionais sobre o tema. Para Melo, a Resolução 34 é uma forma de garantir direitos iguais para qualquer manifestação religiosa.

A decisão do governo serve para acabar com as igrejas e a religião no Brasil?

Definitivamente não. A Resolução 34 do CNPCP não quer acabar com a manifestação de nenhuma religião em presídios. Na verdade, o texto quer garantir a livre manifestação de qualquer religião nesses locais. A Resolução 34 visa impedir que pessoas privadas de liberdade sejam coagidas a entrarem em determinadas religiões em troca de benefícios, assegurando suas liberdades pessoais. A Pastoral Carcerária Nacional, ligada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), se manifestou a favor da Resolução 34, ressaltando sua importância para garantir a liberdade individual e coletiva das pessoas privadas de liberdade.

Conclusão

Fake news ❌

Os cultos evangélicos em presídios não foram proibidos pelo governo Lula, através da Resolução 34 do CNPCP. A Resolução 34 foi elaborada para garantir a liberdade de consciência e crença de pessoas privadas de liberdade e para combater o proselitismo religioso (quando pessoas tentam convencer determinados grupos a seguirem ideias ou uma religião específica) em troca de benefícios.

O texto tem como objetivo garantir que todas as manifestações religiosas sejam respeitadas e tenham espaço para culto dentro dos presídios. Em nenhum momento, o texto fala sobre a proibição de cultos evangélicos em presídios.

Ps: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo e-mail [email protected] e WhatsApp (link aqui: https://wa.me/556192755610).