Suzane Richthofen preside Comissão da Câmara

A escolha do deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) para presidir a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara deu margem a boatos envolvendo a nomeação de outros nomes para “cuidar” se assuntos de importância nacional. Entre as histórias que mais se espalharam nas internet estão a nomeação de Fernandinho Beira-Mar para a Comissão de Meio Ambiente e de Suzane Richthofen para a Comissão de Seguridade Social e Família.

O boato começou com o site de notícias falsas Diário Pernambucano (não confunda com o jornal Diário de Pernambuco), que em abril (dias após a escolha de Feliciano para a CDHM) publicou a nota contando que Suzane Richthofen havia conseguido liberdade condicional do presídio de Tremembé (SP), havia sido filiada “compulsoriamente” aos PSC (partido de Feliciano) e conseguido a presidência da comissão na Câmara.

Apesar da história absurda sobre Suzane Richthofen, muitas pessoas acreditaram no (ou quiseram espalhar o) boato e compartilharam a notícia em redes sociais. Em três meses, a notícia do Diário Pernambucano registra 118 mil compartilhamentos.

Simples fatos desmentem a história de Suzane Richthofen na Comissão

Confira também: Janja tirou foto com traficante? Saiba a verdade aqui!

Clique e siga o Boatos.org no YouTube

Dois fatos utilizados na notícia publicada são verdadeiros. Suzane realmente está presa em Tremembé (SP), virou pastora evangélica na prisão (de acordo com informações da Rede Globo) e a Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara existe.

Por outro lado, o habeas corpus pedido por ela foi negado no início desse ano. Mas mesmo que isso tivesse acontecido, ela não poderia ser filiada compulsoriamente a nenhum partido, tampouco ser indicada para dirigir uma comissão no Congresso. As comissões da Câmara e Senado são compostas e dirigidas por parlamentares. Por fim, um presidente de comissão não pode indicar cargos para outra comissão.

Sendo assim, a forma mais simples de Suzane Richthofen chegar à presidência da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara seria terminando de cumprir a pena na prisão de 39 anos (o que aconteceria em 2045), esperar oito anos (prazo da Lei da Ficha Limpa), se candidatando a deputada em 2054 e, com acordos políticos, chegar à presidência da Comissão em 2055, com nada menos do que 72 anos.

Confira a mensagem que é compartilhada em redes sociais

Suzane Richthofen, personalidade brasileira que adquiriu seu status após decidir assassinar os próprios pais, parece ter dado outro rumo à sua existência. Presa desde 2002 em regime fechado na Penitenciária Santa Maria Eufrásia Pelletier, em Tremembé (SP), Suzane acaba de se tornar pastora evangélica. Além do mais, devido à sua conduta impecável, logrou, junto à Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), mudar o regime de fechado para semiaberto, quando é possível deixar o presídio durante o dia para trabalhar. E, de fato, conseguiu um trabalho junto a outros criminosos que laboram poucas horas por dia. Devido à intercessão do Deputado Marco Feliciano, Suzane foi compulsoriamente filiada ao PSC (Partido Social Cristão) e, de quebra, foi nomeada para a presidência da CSSF (Comissão de Seguridade Social e Família), mais uma entre as controversas Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados.  

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet