Médico que operou Bolsonaro publica texto sobre ausência dele em debates #boato

Boato – João Batista Marchesini, médico que operou Bolsonaro, defende decisão de candidato não comparecer aos debates e cita bolsa de colostomia em texto.

O resultado do primeiro turno das eleições presidenciais no Brasil deixou os ânimos dos brasileiros bastante exaltados. E, bem, o resultado também prometeu muita repercussão no segundo turno, especialmente por conta dos debates entre Jair Bolsonaro (candidato do PSL) e Fernando Haddad (candidato do PT).

Mas, se você estava esperando pelo início dos debates entre os presidenciáveis, terá que esperar mais um pouco. Isso porque os debates foram cancelados devido a uma orientação médica para Bolsonaro não realizar grandes esforços devido a facada sofrida em 6 de setembro.

A notícia, claro, fez com que muita gente começasse a questionar a real condição de saúde do candidato (algo que não pretendemos discutir isso aqui, afinal, ele deve saber de sua saúde mais do que ninguém). E, segundo publicações que estão circulando na internet, o fato fez com que até o médico de Bolsonaro saísse em sua defesa em um “textão”. Confira:

Olhem o que diz o médico que operou Bolsonaro: compartilhando: “Como médico e como cristão condoído pelo sofrimento de Jair Messias Bolsonaro gostaria de esclarecer alguns pontos que foram esquecidos nestes últimos dias. Há um mês Jair sofreu um grave ferimento por arma branca que custou-lhe uma severa hemorragia interna, contaminação peritoneal com fezes devido lesão de seus intestinos delgado e grosso e consequente peritonite fecal. Foi realizada uma colostomia temporária que aguarda alguns poucos meses para ser fechada. No seu pós-operatório imediato teve uma deiscência de sutura bloqueada com oclusão intestinal. Foi novamente operado. Agora se recupera graças aos seus excelentes profissionais e ao bom Deus.

Neste período tem sido vitima de impropérios e acusações tais como: o ferimento não teve gravidade, não compareceu a debates com atestado médico falso, amarelou entre outros adjetivos. Qualquer trabalhador afastado de suas atividades pelo SUS por tais lesões gozaria de afastamento de suas funções por dois ou três meses. Bolsonaro completa agora o seu primeiro mês do trauma, ainda não completou um mês de sua última cirurgia. Para esclarecer ao leitor leigo, seu estado geral ainda é muito precário o que pode ser visto na sua última entrevista em seu domicílio. A colostomia que é uma saída artificial de gases e fezes em uma bolsa plástica é muito inconveniente. Fezes e gases saem independente da vontade o paciente. Os gases fazem ruídos altos, audíveis no ambiente que está o paciente e as fezes, exalam um odor desagradável que pode ser sentido por quem está próximo.

O constrangimento de um colostomisado é muito grande. Imaginem num ambiente como os Estúdios da Globo e com um público de milhões de expectadores. Acredito que ninguém gostaria de se expor desta maneira. Acho injusto chama-lo de covarde, que correu do debate, que amarelou, que usou atestado frio, etc. etc. Ignorância extrema e falta de caridade cristã. Fico revoltado com tanta sujeira. Por favor respeitem um ser humano independente de suas convicções políticas.” João Batista Marchesini, CRM/Pr.1551. 

Médico que operou Bolsonaro publicou texto em defesa de candidato do PSL?

A carta, é claro, viralizou nas redes sociais e deixou muitas pessoas em choque (e inclusive começou a ser usada como respaldo para aqueles que defendem a não participação de Bolsonaro nos debates). Mas será que o médico de Jair Bolsonaro foi realmente quem escreveu a carta? A resposta é não. Vamos aos fatos.

De fato, existe uma orientação médica para que Bolsonaro não participe dos primeiros debates, uma vez que sua condição de saúde ainda inspira cuidados. A previsão inicial é de que ele não compareça a 5 dos 7 debates marcados. E, assim como citado no texto, Bolsonaro também está usando uma bolsa de colostomia. Porém, a carta não é do “médico que operou Bolsonaro”.

Em Juiz de Fora (MG), a equipe responsável pela cirurgia de emergência de Bolsonaro contou com a participação dos médicos Luiz Henrique Borsato (da Santa Casa de Juiz de Fora), Eduardo Borato (Santa Casa de Juiz de Fora), Filomena Galas (do hospital Sírio Libanês), Juliano Pinheiro de Almeida (Sírio Libanês) e Ludmilla Abraão Hajjar (Sírio Libanês). Já no hospital Albert Einstein, a cirurgia foi realizada pelos médicos Antônio Luiz Macedo e Leandro Echenique. O nome de Marchesini não consta em nenhum dos boletins médicos.

Investigamos mais um pouco e descobrimos que Marchesini é, de fato, médico e também o autor do texto. Entretanto, o próprio negou que tenha operado Bolsonaro, como é possível ver nessa matéria publicada no site Yahoo!.

À reportagem, o médico confirmou que escreveu o texto, que mandou para um grupo de amigos. Diferentemente do que foi dito no início da mensagem, Marchesini não operou Bolsonaro. “Não sei quem incluiu isso na mensagem. Não conheço, nem nunca estive com o candidato”, afirma o médico, que diz ser eleitor de Bolsonaro. “Escreveria o mesmo texto se o candidato esfaqueado fosse o Lula”.

Por fim, vale destacar mais um detalhe. A pessoa que aparece nas imagens em algumas versões do boato sequer é João Batista Marchesini. A imagem é do filho dele, o também médico Caetano Marchesini. Ou seja, nem nisso a pessoa que espalhou o texto acertou.

Em resumo: a história que diz que o médico que operou Bolsonaro publicou uma carta em defesa ao candidato é falsa. João Marchesini é, de fato, médico e o autor da carta, mas não fez parte de nenhuma das equipes que operou o candidato. Além disso, o próprio médico deixou claro que publicaria o texto independentemente do candidato ferido. Ou seja, #boato. Até a próxima!

PS: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema para o Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, no Facebook e WhatsApp no telefone (61) 991779164

Compartilhe este artigo:

11 comentários em “Médico que operou Bolsonaro publica texto sobre ausência dele em debates #boato

  • 16/10/2018 em 23:31
    Permalink

    E só ver o CRM do médico para saber q ele não operou pois é do Paraná.
    Matéria muito tendenciosa.

    Resposta
  • 16/10/2018 em 09:11
    Permalink

    Ou seja: Nao eh boato, eh verdade. O medico escreveu isso mesmo em relacao ao Bolsonaro. Simples.

    Resposta
  • 14/10/2018 em 10:38
    Permalink

    Incrível como vcs do boato.org se revelaram neste post. Quando dizem que “cada um sabe de sua da saúde” de forma subliminar mostraram sua posição. Outra coisa é a afirmativa categórica de que o texto é boato, sendo que não, apenas houve uma inclusão de o médico nso fazia parte da equipe. No máximo vc deveriam colocar como uma retificação e não boato
    Aff pegue realmente os fakes patrocinados por Soros ou desmente que não são. Isto eu nso tenho visto.

    Resposta
  • 13/10/2018 em 21:38
    Permalink

    O médico da foto chama-se João Caetano Marchesini e não Giuseppe como publicado!

    Resposta
  • 13/10/2018 em 14:40
    Permalink

    O debate poderia ser feito por hangouts, com equipe médica, no hospital.
    Ele esta ativo na internet, só não tem propostas.
    O problema é não ter o que mostrar a não ser ódio. Esse é o problema do 17.

    Resposta
  • 13/10/2018 em 10:44
    Permalink

    Uma pequena correção: o médico da foto é filho do dr João Batista Marchesini, mas se chama JOÃO CAETANO MARCHESINI.

    Resposta
  • 13/10/2018 em 10:13
    Permalink

    Falsa é a forma como a notícia está sendo tratada.
    Onde foi dito que ele operou o paciente ?
    Incluir informação mentirosa para desacreditar o argumento é sórdido.

    Resposta
  • 13/10/2018 em 07:55
    Permalink

    Não entendi a conclusão do Boatos.
    É boato, mas o médico diz ser o autor da carta, retirando somente o fato de que ele não é cirurgião.

    Por fim, a carta é falsa ou não é?

    Resposta
  • 12/10/2018 em 23:09
    Permalink

    Pois Fake ou não, o parecer técnico de um colostomizado não muda em nada, é verídico e pelo amor se vc não aceita a ideologia dele é uma coisa e outra é vc enveredar por caminhos tortuosos!

    Resposta
  • 12/10/2018 em 22:00
    Permalink

    Conclusão do artigo é muito estranha:
    É verdade que o médico João Marchesini foi autor da carta – que é conteúdo da mensagem.
    É falso que ele tenha feito parte do grupo que o operou, informação provavelmente adicionado por quem divulgou a carta – que é o envoltório colocado na mensagem.

    O envoltório estar errado, anula o conteúdo? Esta classificação ser ou não boato é por demasiado extremista. Outras agências de verificação de fake news consideram uma terceira classificação: “em termos”, que caberia adequadamente neste caso.
    O conteúdo é verdadeiro, mas foi distribuido com atribuição e fotografia errada.

    Resposta
    • 13/10/2018 em 01:50
      Permalink

      Depois dessa reportagem, não vejo o site da mesma maneira… Não são tão imparciais quanto eu pensava.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)