Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Política > Não há qualquer confirmação de que arroz importado pelo governo seja da Ásia e tenha agrotóxico proibido no Brasil

Não há qualquer confirmação de que arroz importado pelo governo seja da Ásia e tenha agrotóxico proibido no Brasil

Governo Lula vai comprar arroz da Ásia com agrotóxico proibido no Brasil, diz boato (Foto: Reprodução/Facebook)

Boato – O governo Lula vai comprar arroz da Ásia com um agrotóxico proibido no Brasil.

Análise

A questão da importação do arroz por parte do governo para baratear o preço do produto após a especulação decorrida das enchentes no Rio Grande do Sul tem gerado muitos ataques na internet.

A mais nova história seria uma denúncia sobre a “qualidade do arroz” que seria importado. Um vídeo de uma entrevista na CNN está sendo acompanhando de mensagens que apontam que o arroz que será importado é asiático e terá agrotóxicos proibidos no Brasil. Leia uma das versões:

Vídeo: é falso que Sadia esteja dando prêmios para quem compartilhar no WhatsApp

ESSE ARROZ ENVENENADO É SÓ PRA PTISTA…ASSIM ESSA RAÇA COME E PARA DE ENCHER O SACO DE QUEM TRABALHA E PRODUZ NESSE PAIS . BOICOTE AO JOIO DO PT . LULA compra arroz da Ásia com AGROTÓXICO proibido no Brasil.

Checagem

Para realizar a checagem do conteúdo, vamos responder a algumas perguntas. São elas: 1) Qual é o contexto do vídeo sobre a importação de arroz pelo Brasil? 2) Já está definido que o governo vai importar arroz da Ásia com agrotóxicos proibidos no Brasil? 3) Há alguma chance de o produto comprado ser da Ásia e produzido com agrotóxicos proibidos no Brasil?

Qual é o contexto do vídeo sobre a importação de arroz pelo Brasil?

O vídeo em questão é um corte de uma edição da CNN Brasil. Durante uma intervenção, um convidado ligado aos produtores de arroz do Rio Grande do Sul apontou que os arroz importado seria diferente do produzido aqui. Dentre as questões, ele disse que o produto seria mais barato, mas seria produzido com produtos proibidos no Brasil e em condições ambientais inadequadas. Não são dados mais detalhes sobre isso.

Já está definido que o governo vai importar arroz da Ásia com agrotóxicos proibidos no Brasil?

Em que pese a fala da pessoa (que é de um grupo que defende por motivos econômicos que o governo federal não importe arroz), há um ponto importante: não é possível cravar ainda como será o arroz comprado.

Não é possível confirmar que tipo de arroz será comprado pelo Brasil porque sequer há a confirmação do país de origem do produto. Muito menos há qualquer confirmação da forma que ele é produzido. Ou seja: pode ser que seja da Ásia (como, por exemplo, da Tailândia), mas pode ser que seja de um dos países do Mercosul.

Também não há indícios de que o arroz comprado tenha um preparo fora dos padrões sanitários do Brasil. Citando o exemplo da Tailândia, ele tem prioridade perante, por exemplo, o arroz de Taiwan, por conta da pequena quantidade de agrotóxicos.

Há alguma chance de o produto comprado ser da Ásia e produzido com agrotóxicos proibidos no Brasil?

É possível, pelo menos de acordo com especulações, que o arroz que será importado venha da Ásia. Porém, nada indica que o arroz tenha agrotóxicos proibidos no Brasil. Vale apontar que a empresa que vencer o pregão terá que enviar um produto que passará por testes de qualidade previsto no edital da Conab. Ou seja: o produto que será vendido passar por uma inspeção.

É importante citar que inspeções como estas constataram em 2019 que arroz com agrotóxicos proibidos estavam sendo cultivados no Rio Grande do Sul e que agrotóxicos utilizados no cultivo de arroz no Brasil poderiam causar doenças. 

Conclusão

Boato sem comprovação 👎

Apesar da preocupação repentina com meio ambiente e saúde por parte de quem está publicando a história, não há qualquer prova de que o arroz importado pelo governo será com agrotóxicos proibidos ou mesmo será da Ásia. Na nossa avaliação, boato sem comprovação.

Ps: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo e-mail [email protected] e WhatsApp (link aqui: https://wa.me/556192755610).