Feijão está caro por causa de doação para Cuba #boato

Boato – Dilma doou 650 toneladas de feijão para Cuba e preço disparou. Está explicada a inflação do produto no Brasil.

Houve um tempo em que o tomate era o vilão da cesta básica brasileira. Porém, os tempos mudaram e agora a música do filme Psicose começa a tocar mentalmente na nossa cabeça quando nos aproximamos das prateleiras de feijão em uma gôndola do supermercado. O preço está tão alto que já há pessoas elegendo vilões para a inflação do produto em 2016.

Feijão está caro por causa de doação para Cuba, diz boato
Feijão está caro por causa de doação para Cuba, diz boato

Um texto que circula pela internet aponta que o preço do feijão está alto no Brasil por causa de uma doação feita pela presidente afastada Dilma Rousseff a Cuba em 2015. Leia um texto que faz a relação entre a doação e o preço:

DILMA DOOU NOSSOS ESTOQUES REGULADORES DE ARROZ E FEIJÃO À CUBA NO FINAL DO ANO E A MÍDIA ESCONDEU ISSO DO POVO, A QUEBRA DA NAS LAVOURAS JÁ TROUXE O DESABASTECIMENTO. MILHÕES DE FAMÍLIAS ESTÃO DESEMPREGADAS E O CENÁRIO QUE SE APONTA NOS LEVA AO MESMO CAMINHO DA VENEZUELA: A FOME.

Sabe porque o feijão está caro? Dilma doou 625 ton do estoque regulador do produto para Cuba

Feijão está caro por causa de doação para Cuba?

Não precisou muito para diversos vídeos “patriotas” brotarem no Facebook e Youtube para denunciar o motivo da alta do preço do feijão. Mas será mesmo que o produto está caro por causa da doação de Dilma para Cuba? A resposta é não. Vamos aos fatos.

É fato que aconteceu a doação (isso também era uma dúvida recorrente que leitores chegaram do Boatos.org). De acordo com o site da Conab, a doação fazia parte do Programa de Doação Humanitária de Alimentos do Brasil à República de Cuba. Porém e por mais que não possa parecer, as 625 toneladas não significam quase nada em termos da nossa produção nacional.

Em 2015, época em que a doação foi feita, o estoque de feijão do país era de 303 mil toneladas (confira a página 150 deste relatório). A doação foi de 0,19% do estoque nacional. Em 2016, o estoque baixou para 103,2 mil toneladas. Você acha que as 625 toneladas fariam o preço baixar? O impacto seria sentido se fossem doadas 200 mil toneladas. Valor “um pouquinho” maior do que o doado.

Mas se não foram as doações para Cuba que fizeram o estoque baixar, o que foi a razão? O tempo. De acordo com esta matéria do site o Estado de Minas, a queda da produção se deu por causa de fenômenos climáticos como o El Niño que, afetou a produção no Rio Grande do Sul. Bahia e Minas Gerais também passaram por estiagens que prejudicaram a produção.

Feijão está caro por causa de Temer? Também não

Outra tese que está aparecendo na internet é a de que o preço do feijão disparou por causa da entrada de Michel Temer como presidente interino. Uma imagem comparando o preço do feijão no período Dilma e Temer circula online. Só para deixar bem claro: assim como Dilma não foi culpada pela alta do feijão por causa de doações para Cuba, Temer também está livre dessa. Como dito antes, a safra foi prejudicada pelo clima. E, por enquanto, o presidente não tem modos de “fazer chover”.

Resumindo: a alta do feijão no mercado não se deu nem por causa da doação de 650 toneladas para Cuba tampouco por causa da entrada de Michel Temer como presidente interino. Tudo que estiver online sobre essas teses não passa de boato.

PS: este artigo foi uma sugestão dos leitores Rodrigo Guedes Coelho e Christina Miranda. Se você quiser sugerir um tema para o Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site ou pelo Facebook.

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)