Foi descoberto quem é o vazador das conversas de Moro: é Diogo Castor de Mattos #boato

Boato – Finalmente foi descobriram quem é o vazador das conversas entre o ministro da Justiça Sérgio Moro e membros da Operação Lava Jato. É o procurador Diogo Castor de Mattos.

Passada exatamente uma semana da divulgação de conversas entre o atual ministro da Justiça (Sérgio Moro) e membros da força-tarefa da Lava Jato (como Deltan Dallagnol), o assunto ainda rende na internet. Em meio ao desejo de se saber como o site The Intercept conseguiu acesso às informações, teorias surgiram na internet.

Uma delas dava conta de que a hipótese ventilada pela Polícia Federal, de um ataque hacker, é furada. De acordo com mensagens que viralizaram online, a conversa foi, na realidade, vazada. O “textão” que tomou conta do WhatsApp e Facebook dá até um nome: o do procurador Diogo Castor de Mattos, ex-membro da força-tarefa.

Como a gente não vai colocar todo o texto aqui, vamos resumir. Primeiro, o texto acusa nominalmente Diogo Castor de Mattos e fala que “tudo já foi descoberto”. A partir daí, o texto lista que Mattos teria “extorquido os acusados”, iria tomar uma “prensa de Dallagnol” e que o vazamento foi uma forma de tirar o holofote dele (e mandar para o Moro e Dallagnol) ou uma vingança por ele ter sido afastado. No final, o texto diz que “Moro inventou o hacker”. Leia trechos:

DESCOBERTO O VAZADOR DA LAVA JATO: *DIOGO CASTOR DE MATTOS* Segundo fonte que não quis se identificar, o procurador Diogo Castor de Mattos teria vazado as mensagens de Deltan e Moro para se safar de uma “prensa” que Dallagnol estaria armando para o escritório de seus irmãos Analice e Rodrigo Castor de Mattos. Rodrigo atuava em conjunto com o irmão para extorquir os acusados da lava jato, utilizando o expediente das “delações premiadas” para faturar alto em cima de dinheiro oriundo de corrupção. […]

Diogo era um os procuradores de confiança de Deltan Dallagnol, recebendo informações privilegiadas e com acesso a decisões antecipadas de Moro, repassava as informações para o irmão chantagear e extorquir os acusados que seu escritório defendia. A desfaçatez foi tão grande que que STF pediu publicamente que pedir que a Procuradoria-Geral da República investigasse a relação entre os irmãos, sob alegação de corrupção na operação lava-jato. […]

Em março houve um atrito muito forte entre Diogo e a Advogada Anna Carolina Noronha, filha do presidente do STJ João Otavio Noronha, que passaram a denunciar publicamente as irregularidades praticadas pela família Castor de Mattos. Ao que tudo indica, ao manchar a reputação da operação lava-jato Diogo e Rodrigo teriam sido pressionados e ameaçados por outros procuradores da operação e, copiaram todas as mensagens do grupo como forma de se proteger caso fossem “fritados” publicamente por seus pares da Lava-Jato. […]

Após discussão com Dallagnol, que o teria acusdo de ser o responsável pela acordo da fundação ter sido negado pelo STF, Diogo estaria acuado, ansioso e preocupado com o que poderia acontecer com ele e seus irmãos. Com medo de serem desmascarados e descartados, os irmãos teriam facilitado o arquivo para o intercept publicar, dessa forma os holofotes sairiam de cima deles diretamente para as cabeças de Moro e Dallagnol.

Outra possível motivação é que Diogo teria sido obrigado a pedir seu afastamento da operação contra sua vontade e agora estaria vazando as mensagens como forma de retaliação. Caso não pedisse o afastamente ele teria sido fritado junto com o irmão. A coincidência de datas é bastante sugestiva, Diogo pede afastamento em abril e poucas semanas depois o Intercept recebe um gigantesco vazamento que veio a luz. […]

Enquanto Moro tenta criar uma cortina de fumaça sobre um hacker que nunca existiu, internamente começa uma nova “caça as bruxas” dentro da lava-jato, onde todos começam a desconfiar uns dos outros numa avalanche que ninguém sabe onde vai terminar. Até o momento o vazamento prejudicou somente as principais figuras da operação, porém não vazou nenhuma mensagem dos irmãos Diogo e Rodrigo, justamente os que faziam o “serviço sujo” através das delações premiadas e eram o “elo frágil” que já estava prestes a ser fritado.

Foi descoberto quem é o vazador das conversas de Moro? É Diogo Castor de Mattos?

É claro que o enredo, digno de uma boa trama policial, viralizou na internet e, inclusive, se utilizou de outros links para “comprovar” os fatos (tem gente que sabe fazer fake news convincente). Mas será mesmo que a história é real? A resposta é não. Vamos aos fatos.

Apesar da “tentativa de caprichar na teoria” (citando fontes confiáveis, por exemplo), uma análise mais aprofundada encontra alguns “furos”. Além dos que estão nas características do texto (alarmista e com erros de português), há um detalhe importante: em momento algum os links apresentados apontam que Diogo Castor de Mattos vazou as conversas de Moro.

Um dos links, do Conjur, fala que o Conselho Nacional do Ministério Público abriu uma “reclamação disciplinar” contra Diogo Castor de Mattos, mas não fala sobre o vazamento. A matéria da Folha fala que a PGR se posicionou contra a abertura de uma fundação que a Lava Jato abriria e seque cita Mattos. A matéria da A Pública também não cita fala sobre os vazamentos, assim como todas as outras.

Outro detalhe que enfraquece a tese está no fato de que a acusação (grave, por sinal) contra Diogo Castor de Mattos só aparece na internet em redes sociais e blogs com viés político ou de fake news. Não consta em nenhuma fonte confiável. Mais do que isso, há matérias, como essa do UOL, que desmentem a acusação e apontam para informações erradas como a do motivo do afastamento do procurador.

Por fim, a própria força-tarefa da Lava Jato apontou que a mensagem que circula online é falsa. Por meio de uma nota, ela classificou a informação como “fake news”. Vale dizer que a própria Lava Jato é uma das interessadas em descobrir como se deu o vazamento das conversas. Leia o que foi dito:

Trata-se de fake news o conteúdo que vem sendo compartilhado por meio de grupos de whatsapp e publicados em alguns blogs que mencionam a atuação do procurador da República Diogo Castor de Mattos como suposto autor de hackeamento de mensagens atribuídas à força-tarefa Lava Jato em Curitiba.

Tais imputações são absurdas e caluniosas, e estão sendo feitas com base em reportagens antigas contendo mentiras já devidamente rechaçadas anteriormente em notas divulgadas pela assessoria de comunicação do MPF/PR nos anos de 2017 e 2018.

Então é isso. A informação que aponta que “foi descoberto quem vazou a conversa entre Moro e Dallagnol” é falsa. Qualquer acusação que não seja embasada pelas investigações, ainda mais veementes como a da mensagem, é leviana. Cabe a nós não sair compartilhando tudo que viraliza por aí e esperar as conclusões para o caso.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164.

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet