Dendeleão, livro citado por Sérgio Moro, foi lançado apenas em 1995 #boato

Boato – Sérgio Moro disse que foi alfabetizado pelo livro Dendeleão. Porém, ele foi lançado apenas em 1995, quando o ex-ministro tinha 22 anos. Ou seja: Moro mentiu na internet.

Para além das fake news, uma ação muito comum em tempos de eleições é a perseguição gratuita a algumas figuras. Neste sentido, os dois polos políticos do Brasil (petistas e bolsonaristas) se igualam. E, em alguns casos, para que a perseguição (mesmo que com picuinhas) se justifique, são utilizadas informações falsas. É o caso de hoje.

Tudo começou quando, no dia 18 de abril de 2022, o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro fez uma publicação no Twitter com uma homenagem ao livro Dendeleão (um clássico da literatura infantil). Na publicação, ele apontou que foi alfabetizado com a ajuda do livro.

Foi a partir daí que “jênios” começaram a apontar que o livro havia sido lançado no Brasil apenas quando Sérgio Moro já era adulto. Em uma versão, foi dito que a versão brasileira do livro era de 2002. Em outra, foi dito que era de 1995. Detalhe: naquele ano, Sérgio Moro já era um adulto. Ou seja: estavam o acusando de mentir sobre um livro infantil. Leia algumas das versões que circulam por aí:

Versão 1: A primeira edição de Dendeleão em português é de 95. No ano seguinte, em 96, ele foi aprovado no magistério.Sérgio Moro tinha 23 anos. A história mais linda de superação desse país Versão 2: Sergio Moro homenageou a mãe, Dona Odete, que o ajudou a aprender a ler. E mostrou o seu primeiro livro, Dendeleão, cuja primeira edição é de 1995. É isso mesmo, meus amigos! Moro aprendeu a ler um ano antes de ser aprovado no concurso para juiz. Puro cinismo!

Dendeleão, livro que Sérgio Moro disse que foi alfabetizado, foi lançado apenas em 1995?

Não demorou para a história se espalhar e começar a ser vendida como “verdade absoluta” entre grupos simpáticos a Lula (e que não nutrem simpatia por Sérgio Moro). Como há também bolsonaristas que não são, por assim dizer, “fãs do ex-ministro”, a história se espalhou entre estes grupos também. Pois bem: neste caso, todo mundo pode “dar as mãos” porque a história é falsa.

As mensagens que circulam online e a própria lógica já nos deixam desconfiados da veracidade da informação. Para começar, por que Sérgio Moro (ou qualquer pessoa) iria mentir sobre o “livro que leu” citando “Dendeleão”? Não bastasse isso, as mensagens que circulam online são, como “um bom boato”, alarmistas e não citam nenhuma fonte confiável.

A “fonte citada” é uma “busca do Google” com uma citação que o Dendelão, da Ediouro, foi lançado em 1995. Só tem um “detalhe” que foi ignorado: a edição em questão é a 5ª edição em português.

O livro foi lançado em inglês no ano de 1964, em inglês, por Don Freeman. Já na década de 1970 (quando Sérgio Moro era uma criança), referências podiam ser encontradas sobre a obra. Na página 473 do livro Resumo Bibliográfico da Biblioteca Nacional já consta a obra traduzida por Stella Leonardos e da Coleção Pingos de Ouro da Ed. de Ouro.

Esta publicação no Twitter mostra um trecho do livro Dicionário Crítico da Literatura Infantil/Juvenil Brasileira de 1982 que conta que, durante parte da carreira, Stella Leonardos traduziu obras infantis (inclusive Dendeleão) durante a década de 1970.

Resumindo: é falsa a informação que aponta que Sérgio Moro citou um livro como “da sua infância” uma obra lançada apenas em 1995. Dendeleão foi lançado no Brasil na década de 1970, quando o ex-ministro, de fato, era uma criança.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61) 99458-8494.

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp https://bit.ly/3uwu4ra
 – Lista no Telegram https://bit.ly/2VSlZwK
 – Siga-nos no TikTok https://bit.ly/3yPELWj
 – Siga-nos no Kwai https://bit.ly/3cUbEso

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet