Apoiadores de Lula compraram camisetas do Bolsonaro e Brasil para tocar o terror nas ruas #boato

Boato – Print mostra Fernanda do PT dizendo que comprou camisetas do Bolsonaro para ela e outros petistas se passarem por bolsonaristas e xingar pessoas nas ruas.

O segundo turno das eleições de 2022 acontece no próximo dia 30 de outubro de 2022. E enquanto os candidatos ao governo estadual e à Presidência da República estão correndo contra o tempo para conquistar votos suficientes, muitos apoiadores fazem o mesmo nas redes sociais.

Entretanto, nem todos os apoios se valem de informações corretas. Nos últimos dias, registramos um boom de informações falsas circulando na internet. Elas variam entre ataques às urnas eletrônicas e perseguição aos candidatos, especialmente, aos da Presidência.

E de acordo com uma história que está sendo compartilhada nas redes sociais, os apoiadores de Lula teriam ido longe demais. Segundo uma publicação, apoiadores do ex-presidente, como Fernanda do PT, teriam comprado camisetas do presidente Jair Bolsonaro e do Brasil para causar confusão nas ruas. Ainda segundo a história, um print do WhatsApp provaria que Fernanda do PT estaria reunindo petistas para se passar por apoiadores de Bolsonaro e xingar pessoas nas ruas. Confira:

“Compramos camisas do Bolsonaro e do Brasil, bandeiras, e estamos tocando o terror na rua fingindo ser eleitores dele. Estamos xingando negro, mulherer e gay, distribuindo cartaz falando mal desd e com imagens de arma e símbolo do nazismo, escrito Bolsonaro. Isso vai repercutir e vai fazer o Bolsonaro não ganhar, tbm tem uma galera criando conta fake xingando nordestino, gay, etc., vai dar certo”.

Apoiadores de Lula (como a Fernanda do PT) compraram camisetas do Bolsonaro e Brasil para tocar o terror nas ruas?

A informação viralizou nas redes sociais, em especial, no Twitter e causou um verdadeiro burburinho na internet. Entretanto, essa história não é real. A explicação fica por conta da falta de provas e por detalhes no print.

Ao se deparar com a mensagem, logo de cara ficamos desconfiados. Isso porque ela apresenta as principais características de fake news da internet, como o caráter vago, extremamente alarmista, a falta de provas e a ausência de notícias sobre o assunto em veículos de comunicação confiáveis.

Além disso, esse tipo de informação falsa não é novidade por aqui. Em 2018, a equipe do Boatos.org desmentiu uma história que indicava que a esquerda iria colocar black blocs com camisetas de Bolsonaro para agredir mulheres na rua. Se isso não bastasse, o assunto não se tornou notícia em nenhum veículos de comunicação, o que é estranho, uma vez que um caso como esse seria um escândalo.

Ao procurar por mais informações sobre o assunto, nada encontramos. Apesar da acusação existir, ela carece de provas. E como já estamos cansados de lembrar por aqui, o ônus da prova é de quem acusa.

Criar um WhatsApp e colocar o nome “Fernanda do PT” ou qualquer outro é a coisa mais fácil de se fazer. O difícil é comprovar que as polêmicas mais recentes envolveram falsos bolsonaristas.  No dia 23 de setembro de 2022, por exemplo, uma jovem foi agredida com um pedaço de madeira, após ser flagrada, em um bar, conversando com suas amigas sobre Lula. O homem que cometeu a agressão se identificou como bolsonarista.

Outro caso de agressão contra mulheres e confusão generalizada ocorreu no dia 15 de outubro de 2022. Na oportunidade, três mulheres e um homem chegaram a um bar, em Goiânia (GO), com adesivos do ex-presidente Lula. Após isso, dois homens avistaram o grupo e começaram a arremessar mesas e deram um soco em uma das mulheres. De acordo com testemunhas, os dois homens começaram a gritar “Bolsonaro” antes da confusão.

E o que dizer do caso do pesquisador do Datafolha que foi agredido, no dia 20 de setembro de 2022, em Ariranha (SP). Na oportunidade, o homem que cometeu a agressão afirmava que o pesquisador “só pega Lula e vagabundo” e chegou a ameaçar o entrevistador com uma faca. Isso sem falar nos inúmeros ataques contra a imprensa e a padres e bispos. Todos com discursos de ordem, como “Bolsonaro”, “mito”, “comunista” etc. Basta acessar as redes sociais para ver que o coro e a ação foram endossados por bolsonaristas de verdade.

Em resumo: a história que diz que apoiadores de Lula, como a Fernanda do PT, teriam comprado camisetas do Bolsonaro e do Brasil para agredir pessoas na rua é falsa! A informação surgiu do nada e, mesmo sendo um escândalo, não apareceu em nenhuma notícia nos veículos de comunicação confiáveis. Além disso, a história não aponta nenhuma prova. Criar um WhatsApp com o nome “Fernanda do PT” é a coisa mais fácil de se fazer e não se enquadra como prova (ainda mais quando mostra o número). E apesar da história, os ataques mais recentes mostram que agressões e confusões estão sendo praticadas por bolsonaristas de verdade. Por fim, não existe qualquer prova de bolsonaristas falsos estariam cometendo crimes para sujar o nome de Bolsonaro. Ou seja, a história não passa de balela!

Ps: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo siteFacebook e WhatsApp no telefone (61) 99458-8494.

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp https://bit.ly/3sexfTk
 – Lista no Telegram https://bit.ly/2VSlZwK
 – Siga-nos no TikTok https://bit.ly/3yPELWj
 – Siga-nos no Kwai https://bit.ly/3cUbEso