Itália decidiu não prestar mais atendimento a idosos com mais de 80 anos que tiverem coronavírus #boato

Boato – Por causa do caos causado pelo novo coronavírus, a Itália decidiu parar de prestar atendimento a idosos com mais 80 anos que contraírem a Covid-19.

Hoje, a situação mais crítica relacionada ao novo coronavírus está na Itália. Nas últimas 24 horas (17/03/2020) 475 pessoas morreram no país europeu por causa da doença. O cenário de caos está fazendo com que os serviços de saúde fiquem saturados e que médicos possam ter que escolher quais pacientes devem ser entubados e utilizar respiradores artificiais em UTIs.

Em meio a esse cenário, uma informação chocante está começando a circular na internet: a de que a Itália decidiu não prestar mais atendimentos para idosos que tenham mais de 80 anos ou saúde comprometida. Leia a mensagem que circula online e se espalhou pelo Facebook e WhatsApp:

A Itália decidiu não prestar mais atendimento a quem tiver mais de 80 anos ou estiver com a saúde muito comprometida, simplesmente porque os números de infectados e pessoas em estado crítico não para de crescer e não há mais condições nos serviços de saúde. Serão deixados para morrer. https://www.telegraph.co.uk/news/2020/03/14/italians-80-will-left-die-country-overwhelmed-coronavirus/

Itália decidiu não prestar mais atendimento a pacientes com mais de 80 anos que tiverem coronavírus?

A informação caiu como uma bomba e deixou muita gente estarrecida, inclusive no Brasil. Mas será mesmo que a Itália decidiu não tratar mais os pacientes com mais de 80 anos? A resposta é não. Para você entender tudo, vamos aos fatos.

É claro que a situação na Itália é caótica e que, infelizmente, médicos terão, caso o sistema de saúde do país entre em colapso (o que pode acontecer), que escolher entre as pessoas que receberão ventilação mecânica e as que receberão cuidados paliativos. Porém, a mensagem que circula online está cheia de erros que são fruto de uma mistura de sensacionalismo com um telefone sem fio.

O que ocorreu é o seguinte: tudo começou com uma diretriz da Siaarti (Sociedade Italiana de Anestisia Analgesia Reanimação e Terapia Intensiva) sobre ética em relação a um cenário em que seria preciso escolher quais pacientes teriam acesso à respiração mecânica. E aí já derrubamos o primeiro ponto: o documento, por si só, trata a situação de maneira hipotética.

Ao contrário do que sugere o título do The Telegraph (linkado na mensagem e que em tradução livre é “Italianos com mais de 80 anos “serão deixados para morrer” no país oprimido pelo coronavírus”) ou a mensagem, não se trata de uma decisão que já foi tomada. Como citamos no parágrafo anterior (mas vamos repetir), a cartilha fala de uma situação hipotética em que o médico precisaria escolher quem colocar na UTI. Veja o que diz uma nota da Siaarti:

Queríamos nas Recomendações enfatizar que a aplicação dos critérios de racionamento é justificável somente APÓS que todos os esforços possíveis tenham sido feitos por todas as partes envolvidas para aumentar a disponibilidade de recursos disponíveis (neste caso, camas de terapia intensiva) e Após a avaliação da possibilidade de transferência de pacientes para centros de tratamento com maior disponibilidade de recursos.

Vale dizer que a própria matéria do The Telegraph desmente o título ao falar que se trata de uma “proposição de um documento e que fala se a busca dos leitos crescer”. Vale dizer, que no Reino Unido, este site apontou justamente isso ao desmentir a história e, de quebra, chamar o título do The Telegraph de sensacionalista.

O documento (que, por sinal, trata de uma sugestão e não uma regra) não usa a idade como único requisito para a decisão (na realidade, o principal requisito é utilizar os leitos para doentes com mais possibilidade de sobreviver. A idade poderia estar dentro deste critério) e não fala que quem não tiver acesso à UTI será “deixado para morrer”.

Como apontam diversas matérias da mídia italiana, mesmo se a ventilação mecânica deixar de ser utilizada, terapias alternativas ou paliativas devem ser adotadas. Esse site da Suíça, que aborda o assunto de forma mais responsável também fala em cuidados alternativos.

Vale dizer, antes de terminar, que o site norte-americano Snopes tratou do assunto. Assim como o Boatos.org, o site de fact-checking explicou que, apesar de o documento ser real, ele trata de um cenário hipotético e não há nada sobre deixar pessoas com mais de 80 anos.

Para passar a régua: a Itália está em uma situação caótica? Sim. Há um documento que fala, em uma situação de caos extremo que a idade pode ser um fator de escolha de internação em UTI? Sim. Isso já ocorreu ou está ocorrendo sistematicamente? Não, é uma situação hipotética. Os idosos serão deixados para morrer? Não. Se tiver leitos em UTI, eles serão tratados em UTI. Se não tiver, eles ainda passarão por por uma reclassificação e, se não forem tratados em UTI, continuarão sendo tratados de outra forma.

Resumindo: a história que aponta a Itália decidiu deixar os idosos com mais de 80 anos para morrer é falsa. Apesar de existir uma diretriz que fala em idade como um dos critérios para a escolha de quem colocar em uma UTI, trata-se de uma situação hipotética (em caso de falta de leitos) e que não se trata de “abandonar para morrer”.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61) 99177-9164. 

Confira a lista de todas as fake news sobre o novo coronavírus

Clique nos links “bit.ly” para acessar nossos perfis:

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp https://bit.ly/2WpysZT

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet