Filha (Lolita, de 26 anos) se casou com a mãe (Loreta, de 44 anos) na África do Sul #boato

Boato – Na África do Sul, a filha se casou com a própria mãe. Lolita (de 26 anos) afirmou que escolheu se casar com Loreta (44 anos) porque cresceu sem pai e a ama.

Muitas vezes, tabus da sociedade são pano de fundo para a criação de fake news na internet. Afinal, como sempre falamos, o caráter alarmista é um dos maiores combustíveis para uma notícia falsa se espalhar. É o caso do “causo” de hoje.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org

Siga o Boatos.org no Twitter:


Se inscreva no nosso canal no Youtube

 

Receba as nossas atualizações no grupo do WhatsApp (só postagens do administrador, não se preocupem): http://bit.ly/2Z5PgE0

Confira o nosso Instagram:

Instagram

Lista no Telegram
https://bit.ly/2VSlZwK

De acordo com mensagens que estão circulando na internet e são ilustradas por fotos de duas mulheres negras, uma filha resolveu se casar com a mãe na África do Sul. De acordo com a mensagem, Lolita, de 26 anos, se casou com Loreta. A mensagem aponta, ainda, que a filha disse que casou com a mãe porque cresceu sem pai e a mãe disse que aceitou o pedido porque a filha iria sair de casa no caso de uma negativa. Leia:

Será verdade!!! África do Sul: Filha se casa com a própria mãe. Lolita de 26 anos casa-se com a própria mãe Loreta 44 e justifica seu ato “Minha mãe está ao meu lado desde que nasci. Eu cresci sem ter pai. Eu amo muito minha mãe e ela é tudo que tenho. Não quero ficar longe dela, por isso escolhi casar com ela para que possamos viver juntos. Ela é jovem e sabe me fazer feliz na cama ”. Sua mãe Loreta: “Minha filha estava pronta para sair de casa se eu me recusasse a casar com ela, eu amo muito minha filha e faria qualquer coisa para fazê-la feliz.”

Filha (Lolita, de 26 anos) se casou com a mãe (Loreta, de 44 anos) na África do Sul?

A suposta notícia se espalhou com força em redes sociais (aqui no Brasil vimos muitos prints no WhatsApp e publicações no Facebook de países lusófonos). Apesar do sucesso da publicação (que também vimos em outros idiomas), a informação não procede.

A história é solucionada com três elementos. O primeiro deles está nas características do texto. Apesar de a mensagem “simular” uma notícia, faltam diversos elementos para chamarmos o texto de jornalístico. Vamos citar alguns: não há qualquer citação de sobrenome das personagens, referência de datas, de locais exatos do casamento e mesmo outros desdobramentos (como a opinião de um terceiro sobre o assunto).

Além do caráter vago e alarmista (já citados aqui), a mensagem tem outras características de boatos como ter erros de português e não citar nenhuma fonte confiável. Mais do que isso: ao buscarmos por fontes confiáveis sobre o assunto, nada encontramos. E aí chegamos ao “segundo elemento”. Pelo que vimos, a “história” surgiu em um site africano que sempre publica notícias falsas em 2016 (com o mesmo texto) e sem nenhuma referência que confirmasse a história.

Detalhe: em 2016, foi utilizada uma foto de outras duas mulheres para ilustrar o fake. E aí chegamos ao terceiro elemento. Nem a foto de 2016 tampouco a foto de hoje ilustra um casal de mãe e filha. A imagem de 2016 é de um casamento entre duas mulheres nos EUA e ilustrou até uma capa de revista voltada ao público negro LGBTQA. A de 2020 também é uma “imagem de ilustração” retirada do Pinterest.

Resumindo: a história que aponta que mãe e filha se casaram na África do Sul é falsa. Além de a história não estar em balizada em nenhuma fonte confiável, as imagens utilizadas na mensagem são de mulheres que não são mãe e filha.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164. 

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp http://bit.ly/2H2c3Iu
 – Lista no Telegram https://bit.ly/2VSlZwK

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet