Andreas Noack foi assassinado por descobrir grafeno nas vacinas contra Covid-19 #boato

Boato – O Dr. Andreas Noack foi assassinado pela polícia porque descobriu que as vacinas contra Covid-19 têm hidróxido de grafeno e são experimentais.

O que não tem faltado nos últimos tempos são teorias da conspiração falsas relacionadas à vacina contra a Covid-19. Muitas destas teorias não passam de informações falsas já refutadas com um “temperinho” a mais. É o caso da história de hoje, que usa um suposto “assassinato” para justificar mais um ataque contra vacinas.

De acordo com textos e vídeos que estão circulando em diversos idiomas na internet, o químico alemão Andreas Noack foi assassinado por “descobrir” que as vacinas contra a Covid-19 contém hidróxido de grafeno e que, por isso, seria um veneno para as pessoas (além de serem experimentais).

A tese é justificada por uma série de acontecimentos. O primeiro foi a denúncia do químico, em vídeo, de que as vacinas contém a tal substância. O segundo acontecimento foi uma invasão da polícia enquanto o químico fazia uma live antivacinas. O terceiro acontecimento foi um anúncio por conta da sua esposa de que ele teria morrido.

Essa sequência fez com que a seguinte teoria da conspiração fosse criado: por descobrir que as vacinas “experimentais” contra a Covid-19 têm hidróxido de grafeno, Andreas Noack foi preso e assassinado. Leia algumas das mensagens que circulam online:

Versão 1: ANDREAS NOACK, PhD EM QUÍMICA, É ASSASSINADO POR DIVULGAR INFORMAÇÕES EM VÍDEO SOBRE O HIDRÓXIDO DE GRAFENO NAS “VACINAS EXPERIMENTAIS” Versão 2: O médico Dr. Andreas Noack que foi quem identificou o hidroxido de grafeno na composição das vacinas e fez também os primeiros alertas sobre isto, foi assassinado. Assassinado pouco tempo após fazer estas declarações. Versão 3: O químico Dr. Andreas Noack explica os efeitos letais do GRAFENO, que segundo ele, está presente nas “VACINAS”. – Poucos dias depois desse vídeo, está sendo reportado que o Dr. Andreas Noack foi assassinado num “roubo” no dia 26/11/21 – a morte foi confirmada

Andreas Noack foi assassinado por descobrir grafeno nas vacinas contra Covid-19?

A teoria não demorou muito para se espalhar em todas as principais redes sociais em diversos idiomas. Porém, ao analisar com um pouco mais de atenção, é possível ver que a teoria que aponta que Andreas Noack foi assassinado por “descobrir grafeno” nas vacinas contra Covid-19 não procede.

O primeiro ponto que enfraquece a teoria está no fato de que o químico em questão não descobriu nada. Como aponta o site de checagem Lead Stories, as teses apresentadas por Andreas Noack não comprova que as vacinas têm grafeno.

Ao contrário, o “documento” apresentado por ele como a prova do elemento nas vacinas contra a Covid-19 é falso e já foi fruto de um desmentido do Boatos.org. Na ocasião, a Universidade de Almería (usada como fonte pelo químico alemão) desmentiu que haja grafeno nas vacinas. Isso já elimina a hipótese de que ele tenha “descoberto algo”. Na realidade, ele apenas reproduziu uma fake news.

O segundo ponto que enfraquece a tese é o que aponta que ele foi “preso” por conta do vídeo. É fato que uma live de Andreas Noack foi interrompida com a chegada da polícia. Porém, não é verdade que isso ocorreu por conta do conteúdo da live ou mesmo que o químico foi preso.

A própria polícia da Alemanha, depois que o rumor se espalhou, apontou que a operação não resultou em nenhuma prisão e não tinha relação com a live. O Ministério Público da Alemanha também apontou que não havia nenhuma investigação em curso contra o químico.

O terceiro ponto está na suposta morte. Houve, de fato, um anúncio de que ele havia morrido, por parte da sua esposa. Porém, como apontam estes dois sites de checagem (o Lead Stories, dos EUA, e o Bufale, da Itália), a esposa não fala, em nenhum momento, que ele foi assassinado. De acordo com ela, o marido morreu de ataque cardíaco. Vale apontar que em nenhum dos dois vídeos ela fala que ele foi assassinado.

Antes de terminar, é importante citar o “de sempre”. Todas as mensagens não são balizadas por fontes confiáveis (além de terem outras características de boatos como serem alarmistas e terem erros de português) e fazem parte de uma narrativa de que “as vacinas fazem mal” que já estão mais do que manjadas e já foram clarificadas como falsas.

Resumindo: a teoria que aponta que o químico alemão Andreas Noack foi preso e assassinado por ter “descoberto grafeno” nas vacinas é falsa. Ele não descobriu nada, não foi preso e, de acordo com a própria esposa, não foi assassinado.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61) 99458-8494.

Ps2: Confira a nossa nova seção “Oportunidades” clicando aqui. Na página, você pode acesso a promoções, descontos e sites que dão brindes.

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp https://bit.ly/3HIppbu
 – Lista no Telegram https://bit.ly/2VSlZwK
 – Siga-nos no TikTok https://bit.ly/3yPELWj
 – Siga-nos no Kwai https://bit.ly/3cUbEso

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet