Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Ciência > Assistir Big Brother deixa você mais burro, aponta boato

Assistir Big Brother deixa você mais burro, aponta boato

Assistir BBB deixa você burro, diz boato
Assistir BBB deixa você burro, diz boato

Boato – Estudo austríaco aponta que assistir Big Brother deixa a pessoa mais burra.

Um dos programas mais polêmicos da TV brasileira é o Big Brother Brasil. Realizado desde 2000 no país, o reality show chega sempre em janeiro mexendo com os fãs e com os críticos. E em 2015, uma história deixou mais animado quem não gosta do programa apresentado por Pedro Bial.

Publicada em sites (como, por exemplo, o Diário do Centro do Mundo), a notícia apontava para uma pesquisa feita pela Universidade de Lins, na Austría, que dizia que assistir Big Brother deixa a pessoa mais burra. Leia trecho do texto:

Assistir a um programa burro como o Big Brother deixa você mais burro — diz a Ciência

Vídeo: é falso que assalto foi realizado com camiseta no retrovisor de carro

Você não precisa ser muito esperto para saber que o Big Brother é um lixo. Entre as piores desculpas para assistir o programa, uma delas é que ele é “desestressante” e “inofensivo” (qualquer coisa com Pedro Bial declamando poema não pode ser descrita dessa maneira, mas vamos adiante). Bem, não é inofensivo. Ao contrário. É emburrecedor — cientificamente falando.

Um estudo conduzido por Markus Appel, professor associado da Universidade de Linz, na Áustria, concluiu que quando as pessoas não pensam criticamente sobre o que estão consumindo numa mídia correm o risco de “assimilar características mentais expostase”.

Em outras palavras, a estupidez de participantes e apresentadores de absurdos como o BBB é danosa à saúde, ainda que temporariamente.

Num experimento com 81 pessoas, Appel pediu a diferentes grupos que lessem um roteiro que contava o caso de Meier, um hooligan alcoólatra e intelectualmente debilitado. Metade recebeu a instrução de pensar de maneira diferente do protagonista, enquanto a outra metade não teve instrução nenhuma antes de ler.

Em seguida, todos fizeram um teste. O grupo que fez uma leitura crítica se saiu muito melhor — um processo que Appel considera ser responsável por manter longe do efeito contagioso da imbecilidade. Conhecimento geral não é o mesmo que QI, é claro. Mas os resultados, de acordo com Appel, “ajudam a reforçar a tese de que as pessoas são influenciadas de maneira sutil, mas significativamente, por produtos de baixa qualidade”.

Claro que o texto bem escrito e argumentado foi um prato cheio para os que odeiam o Big Brother deitar, rolar, criticar e compartilhar. Mas será verdade mesmo que a ciência disse que Big Brother deixa você mais burro ou foi só o autor do texto que disse isso? Se você falou a segunda alternativa, está certíssimo.

Primeiro, procuramos para saber no trabalho austríaco se havia alguma relação direta com o BBB. Como aponta o texto original, não há. Nas 25 páginas do trabalho, não há uma referência ao programa.

Além disso, o trabalho apresenta algumas coisas diferentes do texto do DCM. O estudo aponta que quem assiste a um programa com um personagem estúpido (haja juízo de valor para definir que todos que passam no BBB são estúpidos) ficar “mais burro”. Não tem nada a ver com leituras críticas.

Procurando por outros registros da matéria, encontramos um texto do Tecmundo que também compara o estudo ao Big Brother (é fácil bater em cachorro morto, hein). O site de tecnologia também faz isso com base no estudo que não diz nada de BBB.

Resumindo: tudo que foi colocado sobre o Big Brother e o estudo austríaco é uma ilação da imprensa brasileira, talvez para ganhar um clique a mais por saber que há muita “gente inteligente” que não vê o programa.

Enfim: você pode achar que Big Brother é um programa ruim (tem gente que acha que não), gostar dos artigos citados nesse texto, mas uma coisa é fato: em momento algum o estudo austríaco falou que quem assiste Big Brother fica burro. E isso torna a premissa de que a ciência chamou o telespectador do BBB de burro um boato.