Seita satânica e bruxas estão dando balas e doces envenenados para crianças #boato

Boato – Seitas satânicas e bruxas estão distribuindo doces, balas, refrigerantes e brigadeiros envenenados com chumbinho para crianças. Não aceite de forma alguma.

Sabe quando diversos acontecimentos formam o “terreno perfeito” para uma notícia falsa se espalhar? Se você não sabe, hoje temos um bom exemplo para dar a vocês. Na fórmula, temos uma tradição popular, um caso de polícia, intolerância religiosa e uma velha lenda urbana.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org
Siga o Boatos.org no Twitter:

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Receba as nossas atualizações no grupo do WhatsApp (só postagens do administrador, não se preocupem): http://bit.ly/2r1oZdp

Confira o nosso Instagram:

Instagram

Como muitas pessoas sabem, o dia 31 de outubro é o chamado “Dia das Bruxas”. Muitas pessoas (principalmente de religiões cristãs mais ortodoxas) torcem o nariz só de ouvirem falar o nome “bruxa”. Por isso, não nutrem simpatia por uma tradição de outubro: a distribuição de doces na brincadeira “travessuras e gostosuras” (também tradicional no Dia de Cosme e Damião).

Junte isso a uma denúncia no Rio de Janeiro relacionada à morte de uma menina de 14 anos que, de acordo com informações preliminares (vocês já verão que não é bem assim) teria morrido após “ganhar uma bala com chumbinho no trem” e uma lenda urbana: de que há “um velho” que sai entregando balas envenenadas para matar criancinhas.

Tudo isso resultou no “sucesso” de dois áudios que viralizaram no WhatsApp. Via de regra, eles apontam que há uma seita satânica e bruxas que estão querendo matar crianças com doces envenenados com chumbinho, que há já muitos casos (inclusive no hospital Getúlio Vargas), que não é para aceitar nada de ninguém e, claro, compartilhar o áudio. Escute os áudios e leia as transcrições:

Confira o desmentido em vídeo

Áudio 1: Minha amiga Márcia Rebeca, a paz, boa tarde. Deixa eu falar um negócio pra você meu amor: repassa pra quem você puder tá? Eu estou morando aqui no Rio de Janeiro, como você sabe, e já tá tendo muitos casos aqui. Tá um tão desespero do inferno, tá? Estão envenenando crianças! Tá tendo uma seita satânica e monte de bruxas espalhadas pelo país, não é só no Rio de Janeiro, tá? É pelo país.

Estão dando muito doces envenenados para as crianças. Criança de qualquer idade! Já tem um caso aqui mais próximo da minha casa, tá? De um menino tá lá no Getúlio Vargas. Já tem quatro crianças de uma só família internados também. Então, já tem uma menina aqui, ó. Em São Paulo, São Paulo não, perdão, aqui em Bonsucesso. Já vai ser enterrada daqui a pouco. Comeu doce com chumbinho. Tudo que as pessoas estão dando na rua.

Então repasse pra quem você puder meu amor, repasse pra quem você puder. Pras criança, cês não aceitarem doce, bala, pirulito, refrigerante, pipoca… Mesmo que esteja fechado, mas o doce tá lacrado… não importa! Não aceita porque é uma seita satânica. Estão colocando, pó de chumbinho dentro dos doces, dentro dos refrigerantes, suco… seja que for.

Estão entregando na mão das crianças e as crianças estão comendo, bebendo, estão morrendo. Então avisa aí tá a quem você puder, por favor, a não aceitar nada de ninguém, de ninguém. Ah mas é… não importa, não aceita. Nós já estamos nos últimos dias. A palavra de Deus tá se cumprindo que as crianças irão sofrer e já começou.

Então, se nós pudermos evitar, se nós pudermos avisar nós estamos fazendo a nossa parte. Avise, por favor, quem você puder. Envia esse áudio pra todo mundo. Não aceita de ninguém. Avisa seus sobrinhos, seus netos, seus vizinhos, as crianças da sua igreja. Nós já trabalhamos com criança nós sabemos como que crianças são com doces, né?

Tô trabalhando com criança aqui no Rio, você continua trabalhando com criança em São Gonçalo. Então onde você for, você avisa por favor. Envie esses áudios tá envie áudio e deixa o pessoal avisado. As mães, os pais, os tios, seus vizinhos, pastores pra não deixar as crianças pegarem o doce da mão de ninguém. Nem doce, nem nada. Nem nada que seja, mesmo que esteja lacrado, não pega, não come, não beba tá porque estão comendo, estão morrendo.

Versão 2: Gente, boa noite. Olha só! Eu tô aqui no Getúlio Vargas. Muita criança chegando aqui, muita criança sobre a história do doce. Realmente é verdade! É verdade! Tão dando doce pras crianças com veneno. Muita criança, breve, breve, vai passar no repórter, com certeza, porque tá chegando muita criança. É muita criança. Vai passar no repórter, com certeza, sobre isso porque as crianças tão indo direto pra UTI.

Gente cuidado com as crianças! A gente entendeu, nada, nada, e aí umas criança que chegaram aqui não foi bala. Foi brigadeiro, entendeu? Então não é só embala. Também é doce, brigadeiro também entendeu? Então, não aceitem nada. Gente, não aceitem nada de ninguém, não peguem nada de ninguém. Pode ser qualquer coisa, qualquer tipo de alimento, não aceitem porque realmente é verdade e eu tô aqui.

Acabou chegando aqui, ó, é uma vizinha minha com os quatro filho dela, os quatro filhos, quatro neto delas quatro neto dela. Joana. Quem conhece aí, Joana, os quatro netos dela também tão lá pelo brigadeiro, pelos brigadeiro que comeu gente. Cuidado mesmo, é sério.

Seita satânica e bruxas estão dando balas e doces envenenados para crianças em todo país?

Realmente, seria um anúncio catastrófico. Mas, apesar de toda tempestade “perfeita” descrita no cenário, temos uma coisa para lhes falar: a história que aponta que bruxas e uma seita satânica estão querendo matar crianças envenenadas é falsa. Calma ai que a gente explica tudo para vocês.

Antes de falar do caso em si, precisamos alertar para o perigo de compartilhar um áudio como esse de falsa imputação de crime. Imagine só se a tal história cresce e, de repente (bate na madeira), começam a compartilhar uma imagem de alguém como se fosse a “pessoa” que está envenenando as crianças Brasil afora? Poderíamos ter mais um caso bárbaro de linchamento. Agora, imagine se essa pessoa fosse você ou alguém que você ama? Dói, não dói?

Dito isso, vamos ao básico. Ao analisar o áudio, temos, de cara, todas as características de fake news. As mensagens (como “bom áudio” do ZapZap) são vagas (não dizem o nome de quem morreu, quando, nome da seita, das bruxas etc), alarmistas (não precisa nem desenhar porque), com erros de português, têm pedido de compartilhamento (em uma das versões há MUITOS pedidos de compartilhamento) e não citam fontes confiáveis. Para além disso, há alguns atos falhos (que denunciam a mentira) como, por exemplo, confundir São Paulo com Bonsucesso ou mãe com avó nos áudios.

Sem muitas informações, fomos seguindo os rastros deixados pela história. Temos exatamente dois: uma denúncia bombástica de casos sistemáticos de envenenamentos e as imagens de balas que seriam as utilizadas pelas bruxas e satanistas.

As fotos em questão são desse caso em Minas Gerais. Detalhe: o caso tem mais de dois anos e suscitou um boato de “envenenamentos sistemáticos” por causa “da Baleia Azul” (algo que foi desmentido pelo Boatos.org em duas oportunidades: aqui e aqui). Ou seja: nada tem a ver com a denúncia que está se espalhando por aí.

Ao buscar pelos casos (inclusive com referências ao hospital Getúlio Vargas), nada encontramos. Não há nenhum caso de “quatro irmãos envenenados” e nem todos os outros casos apresentados por aí. Obviamente, o “repórter” tá teria dado essa informação.

Só isso já serviria para classificar o áudio como fake news. Mas, como “cereja do bolo”, temos o caso que foi estopim para toda a fake news: a morte da menina de 14 anos no Rio de Janeiro. Apesar de, inicialmente, a família ter falado que ela morreu após comer uma bala envenenada no trem, a Polícia Civil do Rio de Janeiro, após uma investigação preliminar, disse que ela não morreu por consumir um doce recebido por terceiros.

De acordo com essa matéria do UOL, Lorrana Madalena da Luz Manoel morreu envenenada com chumbinho. Porém, as câmeras de segurança do circuito interno do trem que ela tomou antes de morrer não mostram ela consumindo nenhum alimento. As imagens também não mostram ela recebendo nada de ninguém. Com isso, temos um total de ZERO casos confirmados de mortes por causa da distribuição de doces.

Resumindo: apesar de todo alarde apresentando nos áudios que viralizaram por aí, a história que aponta que há uma seita satânica e bruxas distribuindo doces envenenados para crianças é falsa. É claro que todo cuidado é pouco com o que recebemos e até podem existir casos isolados (como o de Minas Gerais em 2017), mas achar que há uma grande conspiração para isso é, digamos, um pouquinho demais.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164.

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp http://bit.ly/31veiMZ

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)