Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Brasil > Laboratório da UFSM aponta que arroz do MST tem agrotóxicos #boato

Laboratório da UFSM aponta que arroz do MST tem agrotóxicos #boato

Laboratório da UFSM aponta que arroz do MST tem agrotóxicos, diz boato (Foto: Reprodução/Facebook)

Boato – Análise do laboratório da UFSM aponta que o arroz produzido pelo MST tem traços de agrotóxicos.

Quando falamos em fake news de cunho político, podemos dizer que elas não se limitam apenas a partidos e políticos. Movimentos como o MST também entram em fake news relacionadas à editoria. E na história de hoje estão falando sobre algo que “foi descoberto”.

Mensagens que estão circulando em redes sociais apontam que uma pesquisa do laboratório da UFSM descobriu “traços de agrotóxicos” no arroz que é cultivado pelo MST no Rio Grande do Sul. Isso seria a prova de que há fraude na venda do produto. Leia duas versões da história:

Versão 1: ARROZ FAKE !!! Sabe aquele marketing fake? Pois é! O MST garante que produz arroz sem agrotóxicos. Será mesmo verdade?  Análise em laboratório encontra traços de agrotóxicos no arroz produzido pelo MST, no Rio Grande do Sul. O MST desmente pela imprensa, mas não prova.

Vídeo: é falso que imagens mostram Lulinha agredindo a esposa

Versão 2: Embalado sob a marca “Terra Livre Agroecológica”, as informações sugerem ser um produto “integral e saudável, sendo livre de agrotóxico”. Sua produção, segundo o site terralivre.coop.br, se dá em Nova Santa Rita, Região Metropolitana de Porto Alegre. Já a sua comercialização é feita em estabelecimentos e feiras agroecológicas do Estado- inclusive na da Praça da Redenção, em Porto Alegre/RS.

Acontece que uma mostra desse arroz, produzido em Nova Santa Rita, foi parar no Laboratório de Análises de Resíduos de Pesticidas da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). O teste mostrou resíduos de defensivos agrícolas. […]

Laboratório da UFSM aponta que arroz do MST tem agrotóxicos?

A história não demorou a circular na internet. Porém, não é verdade que o laboratório da UFSM descobriu que haja agrotóxico no arroz que foi produzido pelo MST. A informação foi desmentida pelos próprios citados.

Para chegar à solução da história, tentamos buscar pela suposta pesquisa. Foi aí que descobrimos que, em documento oficial, a UFSM e o Ministério da Agricultura e Pecuária desmentiram a informação. Veja o que foi escrito pela UFSM:

Nota do Laboratório de Análises de Resíduos de Pesticidas diante de falsas acusações sobre análises realizadas O Laboratório de Análises de Resíduos e Pesticidas (LARP) da UFSM, reconhecido pelo INMETRO pela acreditação nº CRL 0627 – que confirma a eficiência do laboratório dentro de normas estabelecidas internacionalmente e garante que o mesmo atende requisitos de qualidade e segurança – vem a público esclarecer as notícias publicadas sobre recentes análises realizadas pelo laboratório.

O laboratório reitera que as amostras de arroz analisadas não contêm resíduos detectáveis de agrotóxicos, o que foi ratificado pelo Ofício Circular nº 04/2023 do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), que analisou o caso e confirmou a confiabilidade do LARP.

Considerando a gravidade das acusações e a repercussão negativa  à credibilidade do LARP e da UFSM, a instituição buscará a adequada reparação dos danos causados. Reiteramos que o Laboratório pauta suas ações na ciência, de forma técnica, científica e não ideológica, e que os ataques praticados demonstram uma postura leviana, sem embasamento e totalmente desprovida de suporte comprobatório.

O MST também se posicionou e pediu, inclusive, para que os conteúdos com a fake news fossem retirados da internet (algo que foi aceito pela Justiça). Veja nota do movimento sobre o assunto:

ARROZ ORGÂNICO E AGROECOLÓGICO Você sabia que o arroz Terra Livre do MST passou por diversos testes pelo Laboratório da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)? A certificação de que se trata de um alimento saudável e sem veneno é muito importante para o Movimento.

O laudo elaborado pela UFSM indicou que as amostras não estavam contaminadas com agrotóxicos e, portanto, não há qualquer dúvida sobre o caráter orgânico dos produtos da marca “Terra Livre Agroecológica”.

Resumindo: é falsa a informação que aponta que a UFSM descobriu que o arroz do MST vem com agrotóxico. A história foi desmentida por todos citados e até a Justiça já tirou as postagens falsas do ar.

Ps: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo siteFacebook e WhatsApp no telefone (61) 99458-8494.

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube https://bit.ly/3vZsrnd
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp https://bit.ly/3ounmCN
 – Lista no Telegram https://bit.ly/2VSlZwK
 – Siga-nos no TikTok https://bit.ly/3yPELWj
 – Siga-nos no Kwai http://bit.ly/3zGePPm
Marcações: