Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Brasil > Exército não planejou enchentes no RS, porque licitação com funerária não tem relação com o caso

Exército não planejou enchentes no RS, porque licitação com funerária não tem relação com o caso

Exército contratou funerária para vítimas das enchentes do Rio Grande do Sul porque planejou tudo, diz boato (Foto: Reprodução/Facebook)

Boato – Exército fez licitação com funerária, em 2023, porque já planejava atingir o Rio Grande do Sul com enchentes

Análise

Apesar da baixa do nível dos rios, muitas cidades ainda seguem alagadas no Rio Grande do Sul. Em diversos municípios, a água já baixou e, agora, a população está fazendo o levantamento real do prejuízo. Para muitas pessoas, falta esperança e sobra desolação.

E de acordo com uma história que está sendo compartilhada nas redes sociais, o Exército brasileiro teria planejado as enchentes do Rio Grande do Sul. Segundo publicações, o Exército teria feito uma licitação com uma funerária, em 2023, contratando os serviços de preparação e translado de corpos. Confira:

Vídeo: é falso que Sadia esteja dando prêmios para quem compartilhar no WhatsApp

Versão 1: “Contrato. Número do processo. Pregão nº 7, de 2023. Contratante: Comando da 2ª Região Militar. Contratado: Funerária Nova Gerty Ltda. Objeto: serviço de preparação e translado de corpos e membros. É isso mesmo que você está ouvindo. O Exército já fez o pregão e já contratou uma funerária no total de R$ 1.055.855,00, com vigência de 30/10/2023 […]”. Versão 2: “ESSA TRAGÉDIA FOI PLANEJADA, PORQUE MOTIVO O EXÉRCITO TERIA UM CONTRATO DE 1 MILHÃO COM UMA FUNERÁRIA PARA RECOLHER CORPOS E MEMBROS, TÁ NO DIARIO OFICIAL”.

Versão 3:  “Um milhao a media de mil por pesso e igual mil mortos; este video mostra que esta contratação de funeraria pelo exercito esta lançada no diario oficilal; a pergunta que cem mil morto so este ano ou incui alguma coisa no ano passado tambem. Na ipotese de o trabalho funerario previso ter começado o ano passa dividiriamos essas mortes por dois; ficaria en 1000 mortes ano. Caso isso refire-se as calamidades o numeros do governo seria uma mentira total”.

Checagem

A partir daí, começamos a investigar um pouco mais sobre esse assunto e agora vamos te contar, em três etapas, os motivos para não acreditar nessa história: 1) Qual é o contexto do vídeo sobre pregão de funerária que está circulando na internet? 2) O Exército contratou funerária para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul? 3) O Exército planejou a tragédia das enchentes do Rio Grande do Sul?

Qual é o contexto do vídeo sobre pregão de funerária que está circulando na internet?

As imagens foram gravadas por um homem e o vídeo foi publicado em sua página do Tik Tok, em dezembro de 2023. Na realidade, trata-se de um post desinformativo. Na época, alguns teóricos da conspiração apontavam que a licitação com a funerária faria parte de um plano de um genocídio.

A história seguia a mesma narrativa que a fake news sobre os caixões da FEMA. Como já explicamos aqui no Boatos.org, essa história aponta que a Agência Federal de Gestão de Emergências dos Estados Unidos (FEMA) está comprando caixões, porque faz parte de um esquema para reduzir a população mundial. Assim como destacamos na época, essa história não passa de uma teoria da conspiração e nunca apresentou provas.

A licitação mostrada no vídeo é real. Porém, não tem nenhuma relação com “planos malignos” ou de genocídio. O serviço de fact-checking Checamos, da AFP, e o site de checagem Estadão Verifica desmentiram a história. De acordo com as duas páginas, o processo de licitação é previsto em lei e ocorre todos os anos. A contratação de funerária está amparada pelo Decreto 4.307/2002 e pela Lei 8.112/1990 e regulamentada pelas portarias 267/2020 e 372/2022.

O Exército contratou funerária para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul?

Não. Para começo de história, a publicação original sequer falava nisso. Se isso não bastasse, as pessoas beneficiadas pelo serviço da licitação estão bem definidas. De acordo com o contrato, o serviço de funerária é destinado a militares da ativa e seus dependentes, militares inativos, pensionistas, servidores civis e ex-combatentes que fazem parte da 2ª Região Militar.

Vale ressaltar que a 2ª Região Militar fica localizada em São Paulo e engloba todo o estado paulista. Por isso, o serviço contratado pela 2ª Região Militar não inclui o Rio Grande do Sul. Dessa forma, o serviço é oferecido somente às pessoas que têm alguma relação com a  2ª Região Militar e não à qualquer vítima de qualquer funerária.

O Exército planejou a tragédia das enchentes do Rio Grande do Sul?

Definitivamente não! Além da licitação com a funerária não ter nenhuma relação com o Rio Grande do Sul, toda essa história não tem pé, nem cabeça. O vídeo original se sustenta em uma teoria da conspiração que afirma que alguns grupos ao redor do mundo querem reduzir a população mundial.

Por isso, estão produzindo e distribuindo diversos caixões ao redor do mundo (ou firmando contratos com funerárias). Acontece que esse tipo de história circula desde os anos 1990, antes mesmo da internet existir. Mas até hoje, nenhum seguidor dessa teoria conspiratória apresentou provas de suas acusações.

Conclusão

Fake news ❌

Exército não fez licitação com funerária, porque planejou a tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul. A licitação é real, mas não tem nenhuma relação com o que está acontecendo no Rio Grande do Sul. Se isso não bastasse, o vídeo usado como prova é antigo, era falso antes e continua sendo falso agora.

Ps: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo e-mail [email protected] e WhatsApp (link aqui: https://wa.me/556192755610).