Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Brasil > Nova droga Strawberry Quick está sendo distribuída em escolas #boato

Nova droga Strawberry Quick está sendo distribuída em escolas #boato

Boato – Strawberry Quick está sendo distribuído a crianças em escolas.

O envolvimento de adolescentes com drogas, infelizmente, é uma situação cada vez mais corriqueira na América Latina. Em 2015, a própria Organização dos Estados Americanos (OEA) alertou para o “alto nível” de uso de drogas entre os adolescentes nas Américas.

E se a existência das drogas mais comuns, como maconha, cocaína, ecstasy e LSD, já deixa muitos pais de cabelo em pé, as novas drogas, então, prometem trazer ainda mais pânico. E esse é o caso de uma droga que, de acordo com um texto que circula online, lembra uma bala de morango.

Segundo uma postagem que anda circulando nas redes sociais, a Strawberry Quick está sendo distribuída em escolas no Brasil. O post ainda pede para que os pais fiquem alertas com a novidade. “Por favor, instrua seus filhos para não aceitarem doces de estranhos e mesmo de um amigo (que pode ter sido dado e acreditado que é doce) e dar ciência a um professor, diretor, Etc. Imediatamente”, diz o texto. Confira:

Vídeo: é falso que a Anvisa esteja barrando entrada de remédios no RS

Nova droga nas escolas… Por favor, passe isto, mesmo que não tenha filhos na escola. Os pais deviam saber sobre esta droga. Esta é uma nova droga conhecida como ” Strawberry Quick”. Também cheira a morango e está a ser entregue às crianças nas escolas. Chamam-lhes morango rápido. As crianças ingerem pensando que é doce e podem ser levadas para o hospital em estado grave. Também tem sabor de chocolate, manteiga de amendoim, cola, cereja, uva e laranja. Por favor, instrua seus filhos para não aceitarem doces de estranhos e mesmo de um amigo (que pode ter sido dado e acreditado que é doce) e dar ciência a um professor, diretor, Etc. Imediatamente.

Nova droga Strawberry Quick está sendo distribuída em escolas?

O fato é que a equipe do Boatos.org já desmentiu várias histórias envolvendo a criação e distribuição de novas drogas em escolas. E, como já era de se esperar, a história da tal Strawberry Quick também não passa de boato. Você quer saber o motivo? Então, continua lendo.

Pra começo de história, o que se chama “nova droga”, na verdade, nem novidade é. Ao pesquisarmos sobre o assunto, descobrimos que a história circula em diversos países desde 2007. Isso mesmo, ela já está há mais de 10 anos na internet.

E a prova da idade fica por conta dos pedidos de “compartilhamento”. No final do texto das primeiras versões da história, havia um rodapé informando: “repasse esse e-mail”. E se você, caro/a internauta, nasceu no período áureo das redes sociais, vou te contar um segredo: antes da existência do Orkut e do Facebook, as pessoas usavam o e-mail para compartilharem histórias, vídeos, apresentações de slides e, claro, boatos.

E mesmo com um e-mail tão antigo circulando por aí, não houve sequer uma apreensão de Strawberry Quick em escolas do Brasil. Vale ressaltar que, ao contrário dos EUA, por exemplo, nem o Brasil e nem a América do Sul possuem um histórico grande de uso dessa categoria de droga.

E se no Brasil não houve registro de nenhuma apreensão de Strawberry Quick, o que dizer de outros países? Bom, muitos deles também negaram a apreensão e muito menos a existência da droga.

O Snopes, site que desmente “fake news” na gringa, conversou com diversas autoridades norte-americanas, que desmentiram a história de que traficantes estariam produzindo uma droga colorida e saborizada para distribuírem para crianças.

Nas Maldivas, a polícia local desmentiu até a existência do Strawberry Quick. Ela também afirmou que o texto que andou circulando pelas redes sociais de lá não tem fundamento.

E se você não se convenceu, a polícia da Nova Zelândia também desmentiu o fato. Em 2014, ela classificou a história como um “hoax” e até aconselhou as pessoas a excluírem a mensagem e contatarem a polícia em caso de dúvidas.

Sendo assim, com a quantidade de falta de casos e o fato de diversas autoridades mundo afora terem desmentido a história, já é mais do que suficiente para confirmar que essa postagem não passa de boato. E, portanto, não deve ser compartilhada. Até mais!

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99432-5485.