Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Brasil > Casal não está sequestrando crianças em igrejas de São Paulo

Casal não está sequestrando crianças em igrejas de São Paulo

Casal está sequestrando crianças em igrejas de São Paulo, diz boato (Foto: Reprodução/Facebook)

Boato – Casal de São Paulo estaria sequestrando crianças em igrejas como em Itaquaquecetuba para vender seus órgãos

  Análise

Histórias que usam fotos de pessoas comuns e imputam crimes a essas pessoas são sempre perigosas. Ao longo dos anos, tivemos diversos casos que acabaram em tragédia e até em morte. E hoje mais uma história desse tipo está circulando nas redes sociais.

De acordo com uma publicação que está sendo compartilhada, um casal que está em São Paulo estaria sequestrando crianças para vender seus órgãos. Segundo a história, a situação estaria ocorrendo em igrejas de Itaquaquecetuba e Itaquera  e o casal já teria sequestrado crianças. Confira:

Vídeo: é falso que imagens mostram Lulinha agredindo a esposa

“Oi, missionário. Paz, nega, tudo bem? Nega, deixa eu te falar, tá vendo esse casal aí? Que ele tá na fot Cê vai ouvir os áudios aí, pra você ver o que eles tão fazendo nas igrejas. Eles estão roubando crianças nas igrejas e eles roubaram uma criança se fingindo por membro, que chegaram agora de algum lugar, de uma cidade, que tão querendo lugar pra congregar. Eles entram na igreja, cultuam alguns cultos, pegam crianças dentro do culto, levam embora pra vender essas crianças.

Aí, pegaram uma criança lá numa das nossas igrejas de Itaquá, Itaquera, não, Itaquá. E aí, agora, uma irmã da nossa igreja foi mandar pra uma amiga dela, né, o áudio. E diz que esse casal tá indo pra igreja lá da amiga dela, lá em Itaquá também, em Itaquera, visitar. Então, tipo, tá todo mundo já ligeiro que esse casal tá roubando crianças nas igrejas, fingindo que se membrar. Então, tomem cuidado aí, tá bom?  Aí, manda no grupo, nos grupo tudo, pras pessoas ir compartilhando, porque tá muito perto, entendeu?

Tá muito nas redondezas aqui, entendeu? Foi, foi, foi aqui numa das nossas igrejas de Itaquá, onde a gente tá congregando e uma irmã da nossa igreja mandou pra amiga dela, pra mandar no grupo da amiga dela, e disse que esse casal já foi lá na igreja dela e aí que é em Itaquera. Olha só, aqui perto. Então, a gente tem que ficar de olho, né? Mandar pras igrejas, porque a gente não sabe. Tão roubando crianças pra vender com os órgãos, sabe? Aí disse que conseguiram, não sei, recuperar a criança, mas eles fugiram, tal. Que eles levam pra dentro de uma van e saem com as crianças”.

A história rapidamente viralizou nas redes sociais, em especial, no WhatsApp e deixou muita gente preocupada. Apesar disso, a história apresenta alguns detalhes importantes, como o caráter vago – não informa o nome das pessoas (e se eles estão frequentando as igrejas, o mínimo era saber o nome delas) ou datas exatas de quando o casal teria ido na igreja em questão -, o caráter extremamente alarmista, a falta de fontes confiáveis (líderes de igreja ou a própria polícia não fizeram comunicados sobre isso) e a ausências de notícias sobre o assunto em veículos de comunicação confiáveis.

A partir daí, escolhemos três perguntas para colocar um ponto final nesse mistério e te explicar os motivos para não acreditar nessa história: 1) É verdade que há uma série de sequestros em igrejas de Itaquaquecetuba e cidades de São Paulo feitos por um casal? 2) O casal que está na foto está sequestrando crianças em igrejas? 3) Qual o risco de se compartilhar fotos de pessoas como se fossem sequestradores de crianças?

Checagem

É verdade que há uma série de sequestros em igrejas de Itaquaquecetuba e cidades de São Paulo feitos por um casal?

Não existem provas de que igrejas estejam sendo usadas para sequestros. Nem em Itaquaquecetuba, nem em São Paulo. Não encontramos notícias e muito menos denúncias.

O casal que está na foto está sequestrando crianças em igrejas?

Não. Para começo de história, não conseguimos identificar as pessoas que aparecem na foto que está sendo compartilhada junto da história. Porém, o homem está usando um boné com um número de telefone. O número em questão pertence à empresa Friotek, de Cascavel (PR), que presta serviços de refrigeração e reformas e pinturas em câmaras frias e em carretas. Entramos em contato com a empresa e ela afirmou que está recebendo ligações há cerca de 1 mês sobre a história em questão.

A empresa também afirmou que não conhece as pessoas que aparecem na foto e o homem em questão não é funcionário da Friotek. A empresa também destacou que presta serviços para todo o Brasil e os bonés são dados como brinde para seus clientes. Além disso, não existe nenhum indício de crime do tipo. E se o crime não existe, também não existe culpado.

Qual o risco de se compartilhar fotos de pessoas como se fossem sequestradores de crianças?

Compartilhar histórias falsas envolvendo pessoas inocentes pode acabar em tragédia. Em 2014, Fabiane Maria de Jesus foi espancada até a morte na periferia do Guarujá, na Baixada Santista. Na época, um retrato falado começou a circular na internet e apontava que a mulher estaria roubando crianças para a prática. Alguém da comunidade comparou a mulher do retrato com Fabiane e vizinhos e outras pessoas começaram o linchamento público. O retrato falado em questão era de 2012 e foi feito pela Polícia após uma mulher ser acusada de tentar roubar um bebê e atacar um homem com um canivete. A mulher do retrato não era Fabiane.

Em 2022, em Puebla, no México, um homem foi espancado e queimado vivo após ser acusado de sequestrar crianças para vender seus órgãos. Daniel Picazo González havia viajado para descansar na casa do seu avô, quando locais o cercaram na rua e iniciaram o linchamento. A história era falsa e usava um retrato falado com o logo de instituições que nem existiam mais. Se isso não bastasse, em 2018, no mesmo estado mexicano, dois homens foram espancados e queimados vivos após serem acusados de sequestrar crianças com base em uma história falsa. Ricardo Flores, de apenas 21 anos, e seu tio Alberto Flores, um agricultor local, morreram no ataque, que foi transmitido ao vivo. Tanto a família de Ricardo quanto a esposa de Alberto assistiram toda a agressão e a morte de seus entes queridos pela internet.

Se você se deparar com fotos de pessoas sendo atribuídas a crimes, o mais correto a se fazer é não compartilhar a história. Se você acredita que a história seja real, denuncie para a polícia e deixe que eles investiguem a situação. Justiça com as próprias mãos não funciona e, nos casos que acabamos de relatar aqui, acabaram em mortes injustas, violentas e que não tinham nada a ver com as supostas acusações (que, no final das contas, eram mentirosas).

Conclusão

Fake news ❌

Um casal não está sequestrando crianças em igrejas para vender seus órgãos. As pessoas que aparecem na imagem não foram identificadas, mas caso você as conheça, nos envie uma mensagem para atualizarmos a história e mostrar que essas pessoas não tem nenhum envolvimento com a acusação. Não existem denúncias ou registros sobre um casal roubando crianças em igrejas de Itaquaquecetuba ou São Paulo, apenas a história que está circulando na internet. E se não existe crime, não existem culpados. A história é falsa e não deve ser compartilhada, pois pode causar pânico e acabar em tragédia.

Ps: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo e-mail [email protected] e WhatsApp (link aqui: https://wa.me/556192755610)