Caminhoneiro comete suicídio após receber multa de R$ 400 mil por causa de greve #boato

Boato – Os caminhoneiros estão de luto. Por causa de uma multa de R$ 400 mil que recebeu por causa de bloqueios na greve de maio de 2018, o caminhoneiro Renner Diehl cometeu suicídio em Porto Alegre (RS).

A greve dos caminhoneiros acabou há um pouco mais de uma semana, mas ainda é assunto na internet. Seja pela demora para o preços dos combustíveis caírem, pela negociação sobre o frete mínimo ou por causa do impacto dos dias de paralisação, muita gente ainda fala no assunto. E é claro que os boatos não parariam de circular na internet.

A última história que circula online dá conta de que um caminhoneiro cometeu suicídio em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. De acordo com informações veiculadas em mensagens no WhatsApp e no Facebook, Renner Diehl, de 48 anos, tirou a própria vida após receber a informação de que teria que pagar R$ 400 mil de multa por causa dos bloqueios da greve.

A mensagem ainda fazia críticas ao governo de Temer, tinha uma declaração da irmã dele sobre “jogadores de futebol, atores da Globo e vereadora”, fazia o pedido para as pessoas colocarem “luto” no status, pedia compartilhamento e mostrava uma foto que seria do homem e do caminhão. Leia trechos do texto que circula online:

CAMINHONEIROS EM LUTO Caminhoneiro comete suicídio após saber que foi multado em R$ 400 mil por bloqueio durante greve A FAMÍLIA BRASILEIRA HOJE ESTÁ DE LUTO, Morador de Porto alegre, o caminhoneiro Renner Diehl, 48 anos, esperava com o caminhão para descarregar, sendo que após receber um telefonema, foi até a parte traseira do caminhão e utilizando uma corda que foi amarrada na carroceria do veículo se enforcou., segundo informações Diehl foi informado que sua empresa, a Diehl Transportes, constava em uma lista de seis companhias do RS multadas por supostos bloqueios em rodovias nos últimos dias.

Conforme a determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), Diehl tinha que pagar R$ 400 mil em até 15 dias. O Caminhoneiro deixou uma carta para sua família antes de se enforcar, em um trecho ele pede desculpas e diz que seu único bem era o caminhão “Meu único bem é meu caminhão, que não vale nem R$ 100 mil”. A filha de Renner disse que poucos irão falar da morte de seu pai “POUCOS VÃO FALAR, ELE NÃO É UM JOGADOR DE FUTEBOL, UM ATOR DA GLOBO OU UMA VEREADORA” ele só é mais um trabalhador entre milhões neste Brasil, que lutou pela sua família”. […]

Caminhoneiro cometeu suicídio após receber multa de R$ 400 mil por causa de greve?

Caramba! Olha o que temos aqui: uma história trágica causada por uma sanção do governo por quem se voltou contra o sistema, fotos chocantes e declarações sobre uma “pessoa do povo”. Incrível, não? Só há um detalhe em toda essa história: ela é, tipo assim, 100% falsa. Vamos aos fatos.

Para começar, o texto. Ele segue muitas das características de boatos na internet e isso já é um motivo para que ele não seja repassado sem uma checagem mais apurada. É alarmista, pede compartilhamento, não cita fontes confiáveis e tem erros de português. A única característica que não pode ser atribuída ao texto é ser vago. E foi com base nas informações repassadas nele que desvendamos a balela.

Ponto 2: os personagens citados na história. Tentamos procurar por informações sobre Renner Diehl e nada encontramos além do texto do boato. Sobre a transportadora Diehl, até achamos uma empresa com esse nome. Mas nem a empresa fica no Rio Grande do Sul e nem ela foi multada (até onde sabemos) por causa da paralisação dos caminhoneiros.

Os rastros deixados pela mensagem não param por aí. Ao final do texto, há um link para um site de fake news (ou seja, não é uma fonte nada confiável). Só para citar um exemplo, o mesmo site compartilhou a história da mulher que matou o homem que ejaculou rápido demais. A fake news foi desmentida no Boatos.org.

O “rastro final” deixado pelas pessoas que criaram o boato está na imagem. Ela é referente a um caso de 2016. Em julho daquele ano, Evaldo Guideli tirou a própria vida na cidade de Cambará (PR). Ele era morador de Maringá (PR) e cometeu suicídio após receber um telefonema. Ou seja: a imagem não tem nada a ver com greve de caminhoneiros.

Resumindo: a história que circula online é falsa. Os personagens citados não existem, a transportadora não é do Rio Grande do Sul, o site que publicou a informação é de notícias falsas e a imagem que circula online é de um caso de 2016. Ou seja, nenhum caminhoneiro se matou por causa de multas da greve. Esperamos que isso não venha a acontecer daqui para frente.

PS: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema para o Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, no Facebook e WhatsApp no telefone (61) 991779164.

Compartilhe este artigo:

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)