Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Brasil > Não há proibição para que barcos e helicópteros de voluntários sejam utilizados em resgates no Rio Grande do Sul

Não há proibição para que barcos e helicópteros de voluntários sejam utilizados em resgates no Rio Grande do Sul

Barcos e helicópteros de voluntários estão proibidos de realizar resgates no Rio Grande do Sul, diz boato (Foto: Reprodução/WhatsApp)

Boato – Barcos e helicópteros estão sendo proibidos de fazer os resgates de vítimas da enchente no Rio Grande do Sul em cidades como Canoas.

Análise

A situação no Rio Grande do Sul após as enchentes que atingiram o estado está caótica. A prova disso está no início da profusão de desinformação relacionada aos resgates. Hoje, vamos falar de duas supostas “proibições”.

Na semana passada (quando as cidades começaram a enfrentar as consequências das enchentes), começou a circular uma denúncia de que os helicópteros de voluntários e do Exército estavam proibidos de realizar resgates sob a alegação de que não havia teto para voar.

Vídeo: é falso que Lula parou doações em Lajeado e Encantado destruiu donativos

Agora, diversos vídeos apontavam que voluntários com barcos estavam sendo proibidos de realizar os resgates. Isso se deu, de forma mais localizada, na cidade de Canoas. Algumas publicações apontavam que o Exército estava proibindo a entrada de barcos. Em outros casos, era dito que a limitação se deu a barcos que não são a motor. Leia:

Confira o desmentido em vídeo:

Versão 1: Rio Grande do Sul: radialistas solicitando para retirar pessoas de telhado há 24h. O exército argumenta(segundo noticia) que não é possível decolar com chuva

Versão 2: Além de estar fazendo pouco, as forças armadas agora estão dificultando o acesso de voluntários civis aos locais de alagamentos. Estão fazendo exigências de documentação e condições dos barcos, e o povo boiando nas águas sem ter um bote se quer para se salvar.

Checagem

Como estas histórias são revoltantes (mereceriam posts em separado, mas o volume de boatos não nos deixou fazer isso), vamos fazer a checagem do conteúdo respondendo a algumas questões: 1) Helicópteros de voluntários foram proibidos de realizar resgates no Rio Grande do Sul? 2) Os barcos estão proibidos de realizar resgates em cidades como Canoas, no Rio Grande do Sul? 3) O que há de limitação em relação ao uso de helicópteros e barcos?

Helicópteros de voluntários foram proibidos de realizar resgates no Rio Grande do Sul?

Não. A iniciativa de pessoas e empresas de disponibilizar aeronaves para realizar os resgates nas cidades mais atingidas por chuvas no Rio Grande do Sul tem sido recebida de forma positiva pelas autoridades. Tanto que é possível ver diversos episódios de resgates de helicópteros de particulares. 

Helicópteros e aviões de entes públicos como as Forças Armadas, polícia e governos de outros estados (como São Paulo) também estão sendo utilizados nos resgates das vítimas da enchente. Isso derruba também a tese de que o “governo” não está fazendo nada.

Vale apontar que a gestora do tráfego aéreo no Rio Grande do Sul está retirando a cobrança de taxas de voos para aeronaves envolvidas na ajuda às vítimas da enchente. 

Os barcos estão proibidos de realizar resgates em cidades como Canoas, no Rio Grande do Sul?

Não há qualquer prova desta acusação. Pelo contrário, a própria prefeitura da cidade lançou uma nota apontando que está precisando de barcos e voluntários para realizar os resgates nos bairros mais atingidos na tragédia.

Depois que a história começou a circular, a Brigada Militar do Rio Grande do Sul desmentiu que esteja proibindo que barcos atuem nos resgates de vítimas. Leia:

Atenção! Não acredite em fake news!! A Brigada Militar não está notificando, nem recolhendo jetskis ou similares por falta de habilitação.

O prefeito de Canoas, Jairo Jorge, por meio de um vídeo em redes sociais que fala de outra informação falsa (de nove mortes em uma UTI) falou sobre o caso. Ele apontou que houve casos isolados de impedimento da entrada de barcos por dois motivos: um fake news que a energia elétrica havia sido religada no bairro (algo que, se fosse real, poderia acarretar em risco para quem estava nos barcos) e desencontros de informação entre alguns agentes e superiores. Ele reiterou que não há proibição de barcos de voluntários.

O que há de limitação em relação ao uso de helicópteros e barcos?

Há, de fato, um ímpeto no momento de ajudar as pessoas, mas é preciso organização para que a vontade de ajudar não acarrete em uma tragédia maior ainda.

De fato, houve limitações de voo na semana passada (quando as chuvas estavam atingindo o Rio Grande do Sul com mais força). O próprio Lula apontou que, em alguns momentos, helicópteros não voavam por “falta de teto”.

Esta situação está revertida. Com a melhora do tempo no Rio Grande do Sul, o uso de aeronaves para ajuda (seja do governo ou de voluntários) está liberado. Vale lembrar que voos comerciais ainda estão restritos no estado.

Sobre os barcos, o que está havendo é uma tentativa de organizar os resgates. A própria prefeitura está pedindo para que voluntários se desloquem à sede do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), na sede da Segurança Pública de Canoas. Isso é importante para a segurança das pessoas que estão realizando os resgates e também para que os esforços sejam melhor orientados.

Conclusão

Boato sem comprovação 👎

Não há qualquer prova (para dizer o mínimo) de que barcos e helicópteros estão sendo impedidos de ajudar nos resgates no Rio Grande do Sul. Autoridades já apontaram que a ajuda de voluntários é bem-vinda. Os protestos em redes sociais distorcem tentativas de organizar o resgate às vítimas.

Ps: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo e-mail [email protected] e WhatsApp (link aqui: https://wa.me/556192755610).